No momento o principal tema de preocupação dos investidores em todo o mundo está ligado ao que chamamos de Brexit, ou seja, a saída ou não do Reino Unido da União Europeia. Nessa semana (23/06) teremos um plebiscito indicando a vontade popular sobre o tema e, provavelmente no início da próxima semana, já teremos o resultado.

A preocupação é geral dada a expressão do reino Unido no conjunto da União Europeia, mas também por conta de que isso pode provocar tentativas de saída de outros países na própria União Europeia ou mesmo da zona do euro, onde a Grã Bretanha não é signatária. As últimas pesquisas realizadas indicam equilíbrio entre permanecer (45%) e sair (43), mas as casas de apostas londrinas mostram próximo de 75% pela permanência.

Caso o voto majoritário seja pela permanência, vida que segue. Caso a saída seja majoritária vários dos principais bancos centrais do mundo terão que adotar medidas, pois haverá desequilíbrio entre as moedas e constrangimento no comércio global, afetando a recuperação das economias. O BCE (BC europeu), dentre outros, já tem pronto um cardápio de medidas para pôr em prática para a zona do euro.

Os emergentes como o Brasil, exportadores de produtos básicos também devem sofrer com a eventual saída. Porém, para aqueles que gostam de apostas e/ou de maior volume de risco em suas aplicações, o momento pode ser favorável à montagem de operações especulativas de curto prazo, não sem tomar alguns cuidados de monitorar eventuais perdas.

De qualquer forma essa é uma preocupação que terá fim no curto prazo. Pior aqui onde os problemas políticos e denúncias de corrupção não param de crescer.

Alvari Bandeira – economista chefe do modalmais (www.modalmais.com.br)