Banco do Brasil busca certificação

A Assembleia de ontem aprovou o pedido de adesão do Banco do Brasil ao Programa Destaque em Governança de Estatais da B3. O Programa tem o objetivo de certificar as companhias controladas, direta ou indiretamente, pelos entes federativos, que se comprometem voluntariamente com as melhores práticas de governança corporativa.

BMFBovespa divulga balanço operacional de junho de 2017

Em junho, o segmento Bovespa movimentou R$ 161,23 bilhões, ante R$ 210,43 bilhões, registrados em maio. A média diária foi de R$ 7,01 bilhões, ante R$ 9,56 bilhões (-26,7%). Foram realizados 19.351.704 negócios, ante 26.718.739 no mês anterior. A média diária de negócios atingiu 841.378, ante 1.214.488 em maio (-30,7%). Em junho, os mercados do Segmento BM&F totalizaram 88.411.562 contratos negociados (-11,8%) e volume financeiro de R$ 5,81 trilhões (-15,8%), ante 100.260.598 contratos e giro de R$ 6,90 trilhões em maio. Ao final do último pregão de junho, o número de contratos em aberto foi de 48.805.585 posições, ante 45.606.055, no período anterior. Notícia negativa, com queda de negócios nos dois segmentos principais.

BRF avança na mudança organizacional

A nova dinâmica de trabalho da BRF contempla 14 vice-presidências, que terão uma visão global do negócio e se reportarão ao Diretor Presidente, Pedro de Andrade Faria. O modelo de atuação comercial foi aprimorado. A gestão dos mercados internacionais anteriormente divididos em Ásia, Europa, Américas e África passará a ser conduzida sob um único bloco comercial denominado Internacional, sob o comando de Simon Cheng, executivo que até então liderou as atividades na Ásia. Completam a estrutura comercial: o bloco Brasil, gerido por Alexandre Almeida, integrado recentemente à BRF; OneFoods, que atende ao mercado muçulmano, sob a gestão de Patrício Rohner, executivo responsável por tal mercado há mais de 20 anos; e Cone Sul, que agrupará os mercados de Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai, sob a supervisão de Jorge Lima, executivo que lidera as atividades da região desde 2016. O objetivo da nova estrutura é padronizar e centralizar os processos corporativos, mantendo uma organização enxuta, eficiente e estável, de modo a garantir o funcionamento efetivo de uma organização global.

CVC: prévia de desempenho no 2T17

As reservas confirmadas do Grupo CVC no 2T17 atingiram R$ 2,476 bilhões, correspondendo a crescimento de 13,8%. No semestre o avanço foi de 12,8%. As reservas confirmadas da CVC (Lazer) e Experimento corresponderam a 63,2% do total no 2T17 e a 64,3% do valor do 1S17, representando crescimento de 15,7% versus o 2T16 Pro Forma e 15,8% em comparação com 1S16 Pro forma. Segundo a empresa, o crescimento das reservas confirmadas no 2T17, assim como nos últimos 2 trimestres, foi ocasionado principalmente pelo forte crescimento do segmento internacional (acima de 20%) e das vendas nas mesmas lojas. Nos últimos 12 meses as vendas das mesmas lojas apresentaram crescimento de 9,4%, superando a inflação (medida pelo IPCA) e indicando que a defasagem observada dos últimos dois anos deve ser totalmente compensada até o final de 2017. Boa notícia.

Suzano realiza mudança organizacional

A Suzano comunicou uma mudança organizacional cujo objetivo é garantir que seus novos negócios tenham a estrutura necessária para maximizar a rentabilidade da companhia. A nova estrutura organizacional será composta por 10 diretorias com reporte direto para o Presidente, Walter Schalka: Diretoria Executiva Florestal (Alexandre Chueri Neto), Diretoria Executiva de Celulose (Carlos Aníbal), Diretoria Executiva de Papel (Leonardo Grimaldi), Diretoria Executiva de Bens de Consumo (Fabio Prado), Diretoria Executiva de Inovação e Novos Negócios (Renato Tyszler), Diretoria Executiva de Finanças e Relações com Investidores (Marcelo Bacci), Diretoria Executiva de Gente e Gestão (Julia Fernandes), Diretoria de Relações e Gestão Legal (Pablo Machado), Diretoria de Auditoria (Mariano Zavattiero) e Diretoria da FuturaGene (Stanley Hirsch).