Tensões com o Coronavírus

 

Na semana passada a Bovespa ficou praticamente estável, com queda de 0,08% e índice em 118.376 pontos, mas perdeu o patamar conquistado com o recorde em 119.593 pontos. Praticamente toda a queda dos mercados de risco é explicada pela disseminação do Coronavírus na China e em outros países.

 

No final de semana, o presidente da China Xi Jinping considerou a propagação do vírus como grave. As últimas estatísticas indicam que existem 2.744 infectados e já são 81 mortes no país. A China anunciou que estendeu o feriado do Ano Novo Lunar em mais três dias para limitar o fluxo de pessoas circulando no país e reforçou medidas de contenção.

 

Os EUA têm quatro casos confirmados de infecção pelo Coronavírus e o Canadá anunciou contágio. Japão, França e EUA estão fretando aviões para retiradas de pessoas da região chinesa da crise, com destaque para diplomatas.

Hoje mercados de risco caem forte em todo o mundo, com boa parte da Ásia em feriado, mas com a Bolsa de Tóquio perdendo 2,03%. Mercados da Europa com quedas ao redor de 2% e futuros dos EUA em queda forte nesse início de manhã. Aqui, devemos acompanhar tendência internacional e destacamos o começo da safra de resultados do quarto trimestre com Cielo e Santander.

 

Na Alemanha, o índice IFO de expectativa empresarial caiu para 95,9 pontos em janeiro, de previsão de ficar em 97 pontos. Em Bagdá, a embaixada americana foi atingida por três foguetes e o Irã admite negociar com os EUA e pedir retiradas de sanções, mas Trump negou conversas. Os investidores no mundo aguardam com crescente expectativa a reunião do FED de quarta-feira, projetando que por conta dos efeitos do vírus, pode haver mudança de postura e eventual redução dos juros.

 

No mercado internacional, dia de petróleo WTI negociado em NY em forte queda de 3,43%, com o barril cotado a US$ 52,33. O euro era transacionado em leve queda para US$ 1,10 e notes americanos de 10 anos com juros em queda para 1,61%. O ouro e a prata seguindo a receita de proteção mostram altas nas negociações da Comex e commodities agrícolas na Bolsa de Chicago com quedas.

 

Aqui, o BNDES anunciou que vai destinar 20% da oferta de ações da Petrobras que pretende realizar para pessoas físicas e Bolsonaro comemora os acordos firmados na área comercial com a Índia que podem atingir US$ 50 bilhões até 2022. Brasil e Índia também reivindicaram o ingresso no conselho de segurança da ONU. A pesquisa Focus semanal do Bacen que começa a sair mostra inflação em retração para 3,47% em 2020 e Selic em 4,25%, com PIB estabilizado em 2,31% e dólar subindo para R$ 4,10.

 

No mercado, a expectativa é de Bovespa reajustando em queda e seguindo exterior, mas não deveria perder a faixa de 115.200, sob pena de reajustar ainda mais. Mas tudo vai depender do noticiário sobre a propagação do vírus no mundo. Dólar deve seguir forte e juros por aqui em queda.

 

Bom dia e bons negócios!

 

Alvaro Bandeira

 

Alvaro Bandeira

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe e sócio do Banco Digital Modalmais