Lua de Mel Exaurida
O dia foi complicado para todos os principais mercados de risco do mundo, exceto as bolsas asiáticas que operaram em queda durante a madrugada. Ao longo do dia os investidores foram incorporando aversão ao risco, ao ponto do índice VIX (considerado do pânico) subir mais de 27% e atingir patamar superior a 20 pontos, o maior nível desde abril.
Motivos não faltaram. Ontem o FMI mostrou novas previsões de crescimento para diferentes países e o mundo, na maior parte piores que anteriores. Hoje fez alertas dizendo que governos e empresas devem ficar atentos à rápida mudança no ambiente financeiro global e falou sobre nível de endividamento crescente de governos e empresas desde 2008 (subprime) atingindo patamar de US$ 167 trilhões (2008 era US$ 113 trilhões). Falando especificamente do Brasil alertou para a dívida bruta que representa 88,4% do PIB.
Preocupação renovada dos investidores com relação ao orçamento italiano com déficit de 2,4% do PIB e os efeitos disso sobre outros países da região, principalmente em termos de taxas de juros. O dirigente Barnier da União Europeia também falou sobre os problemas relacionados ao Brexit, acrescentando que haverá controle de bens entre União Europeia e Reino Unido, o que hoje não existe.
Nos EUA a inflação medida pelo PPI (atacado) de agosto mostrou alta de 0,2%, mesmo alta para o núcleo e dentro do previsto. Já os estoques no atacado cresceram 1,0% em agosto, de previsão de +0,8%. Ainda nos EUA grande expectativa com a chegada do furacão Michael considerado na categoria 4 na Flórida.
No mercado o petróleo WTI negociado em NY mostrava queda de 2,51%, com o barril cotado a US$ 73,08. O euro era transacionado em alta para US$ 1,152 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 3,20%. O ouro em alta e a prata em queda na Comex e commodities agrícolas em quedas na bolsa de Chicago.
No cenário local a lua de mel dos investidores com o candidato Bolsonaro sofreu ruptura. Paulo Guedes foi relacionado com fraude ligada a fundos de pensão e seu candidato a presidente arrasou o discurso liberal de Paulo Guedes dizendo que a reforma da Previdência pode demorar e a de Temer não é a sua (claro, está em campanha), que a Eletrobrás não deve ser privatizada para entregar para os chineses e Petrobras não pode ter política de preços predatória.
Além disso os médicos que avaliaram Bolsonaro proibiram sua participação em debates até a próxima semana, fazendo com que a TV Bandeirantes adiasse a programação marcada para 12/10. O concorrente Haddad aproveitou bem para dizer que iria ao debate até numa enfermaria, fazendo coro com todos aqueles que gostariam de ver programas melhor explicitados por ambos.
No mercado os DIs tiveram dia de alta para todos os vencimentos e o dólar operou em alta de 1,28% e encerrou cotado a R$ 3,76. Na Bovespa, na sessão de 08/10 (seguinte ao primeiro turno), os investidores estrangeiros alocaram R$ 1,67 bilhão deixando o saldo positivo de outubro em R$ 2,21 bilhões.
No mercado acionário dia de queda de 1,27% para a bolsa de Londres, Paris perdendo 2,11% e Frankfurt com -2,21%. Madri e Milão com quedas de respectivamente 0,89% e1,17%. No mercado americano queda do Dow Jones de 3,13% e Nasdaq com -4,08%. Na Bovespa dia de queda de 2,80% e índice fechando em 83679 pontos.
Na agenda de amanhã e véspera de feriado no Brasil teremos o IBGE anunciando as vendas no varejo de agosto e o relatório Prisma. Nos EUA a inflação medida pelo CPI (consumidor), os pedidos de auxílio desemprego da semana anterior e o resultado fiscal de setembro.
Boa noite
ALVARO BANDEIRA