Hoje foi dia de realização de lucros na Bovespa depois de mini rali de alta de quatro pregões e forte alta das ações de Petrobras, Vale e siderúrgicas. Situação desse tipo já podia ser intuída, mesmo considerando o bom fluxo de recursos de investidores estrangeiros nos primeiros dias de outubro.

Contamos ainda com mercado em desaceleração na Europa e nos EUA. Na Europa, permanecem os rumores de que o programa de flexibilização monetária do BCE (BC Europeu) não seguirá tão forte até por conta da baixa liquidez mostrada por alguns bônus como detectado na última ata do Banco. Nos EUA, seguem as discórdias entre membros do FED sobre o próximo aumento de juros, ainda sem mais definições. Aparentemente, alta de juros em novembro parece descartada, mas dezembro ainda se mostra como bem provável.

Na Europa, destacamos que Angela Merkel está enfraquecendo. Sua coligação detém apoio de somente 30%. O noticiário sobre petróleo é que foi positivo, mas ainda assim houve realizações. A Rússia parece aceitar congelamento de produção por seis meses e a OPEP realiza reunião de seu comitê especial no final do mês (28-29 de outubro) para discutir corte de produção, podendo incluir países não membros. Em compensação, a demanda da China pela commodity observou contração em setembro.

Já no Japão, o parlamento aprovou pacote de estímulos de US$ 32 bilhões, principalmente depois de o BOJ fixar juros zero para títulos longos. Na sequência dos mercados no exterior, o petróleo WTI negociado em NY mostrava queda de 1,19%, com o barril cotado a US$ 50,79. O euro era transacionado em queda para US$ 1,1053 e os notes americanos de 10 anos com taxa de juros em alta para 1,76%.

O ouro e a prata tiveram dia de queda na Comex e commodities agrícolas na bolsa de Chicago em altas. O minério de ferro teve alta de 1,3% no mercado spot chinês, com a tonelada em US$ 57,40. Mesmo assim não foi suficiente para manter Vale.

No segmento local, a FGV anunciou a primeira prévia do IGP-M de outubro em deflação de 0,01%, contra anterior de -0,38%. O presidente da Câmara Rodrigo Maia retirou de pauta o projeto de mudanças na repatriação por falta de acordo com o PT. Havia muitas discussões sobre o projeto em termos de prazo, foto ou filme e ainda o que poderia sobrar para Estados quebrados das receitas obtidas. Por enquanto, fica o projeto original aprovado no governo Dilma.

Na sequência dos mercados, os DIs terminaram o dia com alta de juros (exceto o mais curto de 2018) e o dólar forte no exterior mostrou leve queda de 0,02%, cotado a R$ 3,199. Na Bovespa, na sessão de 07 de outubro, os investidores estrangeiros voltaram a alocar recursos no montante de R$ 299,1 milhões, deixando o saldo positivo do mês em R$ 1,85 bilhão e o do ano com ingressos de
R$ 14,9 bilhões.

No mercado acionário, dia de queda para as principais bolsas europeias, com Londres perdendo 0,38%, Paris com -0,57% e Frankfurt com -0,44%. Madri e Milão tiveram dia de queda de respectivamente 0,17% e 0,95%. No mercado americano, o Dow Jones terminou com queda de 1,08% e o Nasdaq com 1,54%. Na Bovespa, dia de realizações com Petrobras e Vale puxando a fila. A Bovespa registrou queda de 1,05%, com o índice em 61021 pontos.

Na agenda de amanhã, feriado católico no Brasil com os mercados fechados. Na zona do euro, teremos a produção industrial de agosto, nos EUA, Esther George do FED de Kansas discursa e relatório de oferta de demanda agrícola pela USDA.

Boa noite e bom feriado.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe Home Broker Modalmais
Fonte: https://www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado