Hoje os mercados vão se pautar pela decisão do BOE (BC Inglês) sobre política monetária, acima do que era esperado. Os mercados reagem positivamente a isso.

O Banco Central inglês (BOE) anunciou redução pela metade da taxa de juros básica, tirando do patamar de 0,50% para 0,2% e ainda acrescentando mais 60 bilhões de libras no programa de compra de títulos que estava em 375 bilhões de libras, sendo que 10 bilhões para aquisição de títulos privados.

No Japão, o BOJ (BC Japonês) disse não ter agenda predeterminada para a reunião de setembro de política monetária, mas as indicações são de que fará maior distensão. No mercado, a libra opera nas mínimas em relação ao dólar com as mudanças adotadas para minimizar os efeitos do Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia), e os mercados operaram no campo positivo.

Na sequência dos mercados, a bolsa de Londres registrava alta de 1,42%, Paris com +0,75% e Frankfurt com +0,97%. O petróleo WTI negociado em NY recuperava parte das perdas, mas ainda mantinha queda de 0,42%, com o barril cotado a US$ 40,66. O euro operava em queda em relação ao dólar e notes americanos de 10 anos com queda dos juros para 1,52%. Destaque negativo para a queda do cobre de 1,5%.

No cenário local, noticiário favorável indica que mercados de risco podem abrir buscando alta, apesar de alguns recuos políticos do governo sobre renegociação da dívida (mas mantendo teto de gastos) e não transferindo a secretaria de orçamento para o ministério da Fazenda. A inflação da Fipe medida para julho veio menor que o previsto em 0,33%.

Bom dia.