Fundos de investimentos são carteiras de ativos como, por exemplo, ações, Tesouro Direto, derivativos e moedas.

A composição desses fundos pode variar conforme o objetivo  e perfil de cada um podendo, por exemplo, render 100% do CDI ou buscar superar o índice Bovespa.

Portanto, antes de optar pela aplicação em fundos de investimentos, é preciso conhecer as diretrizes, regulamento, taxas e o tipo de fundo que pretende investir.

Os fundos estão entre os favoritos pelos investidores brasileiros, sejam eles grandes ou pequenos, principalmente pela sua comodidade e facilidade, além da gestão profissional de um especialista.

Até o primeiro semestre de 2019, o patrimônio total de todos os fundos de investimentos no Brasil somava aproximadamente R$ 5,2 trilhões.

Em 2020, a tendência é que este mercado continue captando ainda mais recursos, além do lançamento de novos fundos no mercado.

Portanto, se você busca diversificar seus investimentos e deseja ter em sua carteira aplicações diferenciadas, os fundos podem ser opções perfeitas.

 

Neste artigo, trazemos tudo o que você precisa para começar a investir agora nos fundos, com segurança e rentabilidade. Veja o que preparamos para você:

 

  • O que são fundos de investimentos?
  • Como funciona e para que serve um fundo de investimento
  • Impostos e taxas para investir em fundos de investimentos
  • Tipos de fundos de investimentos
  • Como investir em fundos de investimentos com o modalmais

 

Boa leitura!

 

O que são fundos de investimentos?

Fundos de investimentos resultam da união de vários investidores. Eles se juntam para formar uma carteira com maior robustez.

Assim, o patrimônio é dividido igualmente em cotas. Logo, quem possui mais capital no fundo, terá direito a mais cotas.

A gestão dos fundos de investimentos é realizada por gestores especializados. Eles acompanham diariamente as carteiras e realizam compras ou vendas necessárias para obter a rentabilidade desejada pelos cotistas.

 

Como funciona e para que serve um fundo de investimento

Estes ativos realizam assembleias com os cotistas para definir os rumos futuros.

 

O funcionamento dos fundos de investimentos é semelhante a um condomínio. Todos os rendimentos e custos são igualmente distribuídos entre as cotas.

Portanto, os cotistas são tratados da mesma forma, independentemente se são grandes ou pequenos investidores.

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) regula o funcionamento dos fundos de investimentos que, também, possuem regulamentos próprios.

Entre as regras básicas, temos aquela que determina que o patrimônio não pode ter concentração maior que 20% em ativos de um mesmo emissor.

Já para os fundos de investimentos específicos, que investem em ações, o limite é de 10% de participação em uma mesma empresa.

Com isso, as carteiras desses ativos costumam ser diversificadas, o que é positivo para os cotistas. Lembre-se que este fator pode diluir os riscos.

Outro ponto importante é que fundos de investimentos são classificados em abertos e fechados.

No primeiro caso, os cotistas podem solicitar o resgate a qualquer momento, permitindo que novos investidores possam adquirir cotas.

Por outro lado, os fundos de investimentos fechados só permitem o resgate na data do vencimento. Portanto, não há entrada de novos cotistas. Porém, fundos de investimentos fechados normalmente são negociados no mercado secundário, como por exemplo, os FIIs.

Lembre-se também que estes ativos, além da equipe de gestão, possuem uma instituição administradora. Ela é responsável por aprovar o regulamento do fundo, seu objetivo de rentabilidade e sua política de investimento.

Antes de investir em fundos de investimentos, é fundamental conhecer quem são seus gestores e administradores, pois essa informação pode influenciar diretamente nos retornos obtidos.

 

O que é o benchmark de um fundo de investimento?

É o objetivo de rentabilidade dos fundos de investimentos. Basicamente, a maioria deles, quando é lançada no mercado, já possui um indicador de referência.

O benchmark serve para guiar o gestor e para sinalizar aos cotistas sobre sua performance.

Geralmente, ele é um índice de mercado como, por exemplo, o IPCA, IBOV, IGP-M, IDIV. Tudo depende da composição do fundo de investimento.

Considere um fundo de renda fixa. É comum que seu benchmark seja o CDI ou algum outro indicador desta categoria. Com isso, é preciso entender que os fundos de investimentos possuem gestão ativa ou passiva.

A gestão ativa consiste na liberdade do gestor para realizar operações necessárias para superar o benchmark. Por exemplo, o fundo tem como objetivo render 110% do CDI.

Já a gestão passiva é focada em replicar ou atingir rendimentos próximos do seu índice de referência.

 

Impostos e taxas para investir em fundos de investimentos

Os descontos podem comprometer parte dos seus rendimentos.

 

Todos os investimentos possuem custos e tributos. Não é diferente com os fundos de investimentos.

Por isso, antes de investir, você precisa entender porque eles influenciam no retorno líquido do seu capital.

Veja, a seguir, quais os custos e impostos que incidem sobre os fundos de investimentos.

 

Taxa de Administração

A taxa de administração varia de fundo para fundo. Ela serve para o pagamento dos administradores e gestores.

Geralmente, ela é um valor fixo anual sobre o valor total investido. A maioria dos fundos de investimentos cobra entre 0,5% a 4% ao ano.

Lembre-se de que os ativos de gestão passiva costumam ter taxas de administração mais baixas do que os de gestão ativa.

 

Taxa de Custódia

A taxa de custódia é cobrada pelas corretoras para manter seus fundos de investimentos e dados protegidos.

Ela costuma ter um valor fixo, que depende da instituição. Muitas delas já isentam os seus clientes, como é o caso do modalmais.

 

Imposto de Renda

Nos fundos de investimentos, o imposto de renda (IR) é retido na fonte, ou seja, ele é descontado diretamente no resgate.

Seu cálculo é realizado em relação à duração dos títulos do fundo.

Para os que possuem prazo de validade menor ou igual a 365 dias – considerados fundos de investimentos de curto prazo, o IR é cobrado conforme a tabela a seguir:

 

Tempo de investimentoAlíquota de IR (%)
Até 180 dias22,5
Entre 181 e 365 dias20,0

Alíquota do imposto de renda para fundos de curto prazo. – Fonte: Receita Federal.

 

Os fundos de investimentos com prazos superiores a 365 dias, os de longo prazo, seguem a seguinte tabela:

 

Tempo de investimentoAlíquota de IR (%)
Até 180 dias22,5
Entre 181 até 360 dias20,0
De 361 a 720 dias17,5
Acima de 721 dias15,0

Alíquota do imposto de renda para fundos de longo prazo. – Fonte: Receita Federal.

 

O desconto do imposto de renda em fundos de ações ocorre em alíquota única de 15% sobre os rendimentos obtidos, independentemente do prazo de investimento.

 

IOF

O IOF é o Imposto sobre Operações Financeiras. Assim como o IR, ele fica retido na fonte. A diferença do IOF é que ele incide nos rendimentos apenas nos primeiros 30 dias da aplicação.

Sua alíquota é regressiva. Assim, se você solicitar o resgate das cotas neste período, terá que pagar o tributo. Do contrário, no 31º dia, não haverá incidência do IOF.

 

Taxa de Performance

A taxa de performance pode ser entendida como o prêmio que é pago ao gestor pelo bom desempenho no período.

Porém, no mercado, há fundos de investimentos que cobram ou não a taxa de performance. Vai depender da política de cada um.

Geralmente, a taxa de performance corresponde a um percentual sobre o benchmark do fundo. Digamos que seu objetivo seja superar o índice Bovespa.

Sendo assim, a taxa de performance, que costuma ser de 20%, é o valor que será cobrado sobre o que exceder o índice de desempenho previamente determinado.

 

Taxa de Entrada

A taxa de entrada é cobrada com o objetivo de manter o cotista por longos períodos no fundo de investimento.

Assim, o gestor poderá conquistar rendimentos melhores e aproveitar as oportunidades do mercado com mais liberdade.

A taxa de entrada varia de acordo com cada fundo e não é muito comum no Brasil.

 

Taxa de Saída

A taxa de saída é cobrada quando o investidor solicita a saída antes do prazo de resgate estabelecido no regulamento do fundo.

A taxa de saída varia conforme a política do ativo e serve para incentivar a permanência dos cotistas.

 

Come-cotas

O come-cotas nada mais é a antecipação do imposto de renda nos fundos de investimentos.

Lembre-se que ele não ocorre nos fundos de ações, apenas nas demais categorias, como multimercado e renda fixa.

O imposto de renda é descontado no último dia útil dos meses de maio e novembro.

A denominação “come-cotas” surgiu porque esse desconto costuma levar parte das posições dos cotistas, ou seja, ela diminui a participação no fundo.

Nos fundos de investimentos de curto prazo, a cobrança é de 20% e nos de longo prazo é 15% nos meses informados.

 

Tipos de fundos de investimentos

Os multimercados e os fundos de ações estão entre os favoritos pelos brasileiros.

 

Os fundos de investimentos costumam ser classificados de acordo com o tipo de ativos que compõem as carteiras.

Este fator é fundamental, pois ele determina o objetivo de rentabilidade e seus rendimentos ao longo do tempo.

 

Fundo de renda fixa

De acordo com a classificação da Anbima, os fundos de investimentos em renda fixa são carteiras que investem, no mínimo, 80% do patrimônio em ativos desta categoria, como títulos públicos ou da dívida externa.

Geralmente, eles possuem menor risco e são indicados para investidores de perfil conservador.

A duração dos fundos de investimentos em renda fixa varia. Os de curto prazo costumam ter maior percentual do patrimônio em títulos públicos atrelados à taxa Selic.

 

Fundo multimercado

Os fundos multimercados são portfólios com ativos de renda fixa e variável. Eles costumam ter maior diversificação e oferecem maior liberdade aos gestores.

Então, se você deseja distribuir seu capital de forma acessível, um multimercado pode ser a melhor alternativa.

Como a carteira é composta de investimentos de renda variável, o risco é maior em relação a um fundo de renda fixa.

Portanto, os fundos multimercados podem ser ideais para investidores de perfil moderado ou arrojado.

 

Fundo de ações

Segundo a Anbima, estes fundos de investimentos investem, no mínimo, 67% do patrimônio em ações.

Com os juros nas mínimas históricas, eles foram os campeões em captação em 2019. Até novembro, os fundos de ações captaram R$ 67,5 bilhões, um aumento de 171,9% em um ano.

Já os multimercados conseguiram R$ 57,4% bilhões, uma alta de 46,8% em relação à 2019.

É importante saber que o risco dos fundos de investimentos em ações é alto. Por isso, costumam ser recomendados para os investidores arrojados.

 

Fundo cambial

Os fundos de investimentos cambiais aplicam, no mínimo, 80% da carteira em ativos relacionados às moedas estrangeiras, como dólar e euro.

Portanto, costumam ser recomendados para momentos em que o real tende a se desvalorizar em relação às moedas internacionais.

Por se tratar de um portfólio mais arriscado, principalmente pelo risco de crédito, os fundos cambiais podem ser boas opções para investidores moderados e arrojados.

 

Como investir em fundos de investimentos no modalmais

Abra sua conta e comece a investir agora mesmo!

 

Os fundos de investimentos podem ser opções perfeitas para fazer seu dinheiro render de verdade.

Neste momento, com juros consideravelmente baixos, a gestão profissional tende a fazer toda a diferença na busca por maiores rendimentos.

Aqui no modalmais, você encontra os melhores fundos de investimentos do mercado. Para isso, fazemos uma criteriosa seleção de cada um deles através dos nossos especialistas.

O primeiro passo para ter acesso à eles é abrir sua conta. O cadastro é simples e rápido.

 

Abra sua conta no modalmais

Após receber nosso retorno por e-mail e confirmar a criação da sua conta, realize a transferência de valores para sua conta no modalmais, com o quanto deseja investir em um fundo de investimento.

Escolha o fundo desejado na plataforma de investimentos do banco digital. Siga as dicas deste artigo, leia a lâmina de informações essenciais e a política de investimento do fundo.

O ideal é reservar um tempo para ler cuidadosamente sobre o fundo, gestores e administradores. Procure também conhecer o histórico de rentabilidade do fundo de investimento escolhido.

Caso tenha alguma dúvida, é só entrar em contato com a nossa equipe. Você encontrará profissionais prontos para ajudá-lo a tomar as decisões ideais para o seu capital.

Encontrou o fundo de investimento desejado? Informe a quantidade de cotas e clique em INVESTIR. Pronto! Você já está dentro de um fundo de investimento!

 

Conclusão

Invista nos melhores ativos com o modalmais.

 

Existem fundos de investimentos acessíveis à todos os perfis de investidores. Com apenas uma cota, você poderá ter acesso à ativos cuidadosamente selecionados.

Com a partir de R$ 100, você já pode realizar uma aplicação inicial e poderá ter acesso à ativos cuidadosamente selecionados por uma equipe de gestão qualificada.

Com a economia com juros baixos, os fundos de investimentos multimercado e os de ações podem ser boas alternativas para lucrar mais em 2020, enquanto que fundos de renda fixa são escolhas assertivas para ganhar rendimentos melhores nesta categoria.

Continue aprendendo sobre investimentos com estes outros artigos do nosso blog:

 

 

Tenha em mente que, independentemente de quão otimista seja o cenário brasileiro, a diversificação pode otimizar seus ganhos e tornar mais consistente a formação do seu patrimônio, mesmo que você seja iniciante no mercado financeiro.

Aqui, você tem acesso aos melhores fundos de investimento, basta abrir sua conta no modalmais, e começar a investir.

Aqui, você terá acesso aos melhores fundos de investimentos e ainda pode contar com todo auxílio dos nossos especialistas.

 

Obrigado por ler até aqui!