Agenda

Açúcar e Etanol

A União das Indústrias de Cana-de-Açúcar (Unica) mantém uma safra “mais açucareira” para a região Centro-Sul do Brasil, com produção de 30 milhões de toneladas de açúcar de abril até a primeira quinzena de Outubro, 18,6% a mais que igual período do ano passado. Na primeira quinzena do mês, podemos ver uma redução na moagem de cana de 11,9%, porém pelo mix de produção de açúcar estar maior em detrimento ao etanol, a produção ficou em 2,2 milhões de toneladas no período, 6,8% acima em igual período do ano passado. Segundo a Unica 49,6% da cana moída no período foi destinada para a produção de açúcar, ante 46,5% no acumulado desde o começo de abril, o que já é um percentual quase 5% acima do mesmo período do ano passado. Com a maior produção de açúcar, o etanol, principalmente o hidratado (o que abastece diretamente os automoveis) teve uma produção 27,88% menor na primeira quinzena de outubro, em comparação ao mesmo período do ano passado. No acumulado desde o começo de abril até a primeira quinzena de outubro, o recuo foi de 9,14%, com produção de 12,346 bilhões de litros de etanol.

A redução da posição “comprada” pelos fundos de investimentos, pressionaram ontem os contratos de açúcar na Bolsa de NY. Segundo a Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC, na sigla em inglês), os fundos reduziram 10% da sua posição, para realizar lucros, chegando a 57.536 contratos no dia 25. Ontem o açúcar fechou mar/17 US$ 21,57 queda de 2,66% e mai/17 a 21,11 queda de 2,36%. No mercado interno em São Paulo o açúcar cristal ficou em R$100,82 a saca de 50kg, queda de 0,04%.

Grãos

A fraca demanda pelo grão de soja e o recuo do dólar no mês de Outubro, fez com que a soja em MT andasse “de lado” no mês, com alta mensal abaixo de 1%. O ritmo intenso de semeadura de soja em MT fez com que o Estado atingisse 67,7%, porém com o Nordeste do estado chegando a pouco menos de 10%. Quando se encerrar a fase de plantio, produtores ficarão atentos as chuvas na região, que conforme o gráfico não parecem ser um problema. Para os próximos meses são esperados bons volumes de chuva, o que favorecerá o desenvolvimento da produção. Em Janeiro, quando se inicia a colheita, se é previsto o maior volume de chuvas, o que poderá refletir na colheita, mas também será fator positivo para as regiões que ainda estiverem em fase de desenvolvimento do grão, como o Nordeste do estado. Como dito anteriormente, no momento, a região tem sua semeadura atrasada em relação ao resto do Estado. No entanto a previsão é de um bom volume de precipitações para MT, e o mercado ficará de olho no índice pluviométrico no mês de Janeiro, que ditará o ritmo da safra na região.

O avanço da colheita nos EUA e a alta do dólar frente as principais moedas do Mundo pressionaram os contratos de soja ontem na Bolsa de Chicago, e a demanda firme pelo grão não foi suficiente para sustentar as cotações. O USDA informa que até o dia 30 (domingo), 87% da área de soja no país havia sido colhida, abaixo dos 91% vistos ano passado, porém acima da média dos últimos cinco anos de 85%. O mercado prevê que a colheita se encerre em dez dias. Os contratos mar/17 fecharam a US$ 1.018,50, estaveis e mai/17 a US$ 1.024,00 também estáveis. No mercado interno a soja em Paranaguá ficou em R$ 77,01 a saca de 60kg, queda de 0,98%.

No Mato Grosso muitos produtores optam por plantar soja na primeira safra, e milho na segunda safra, “safrinha”. Na atual temporada, 2016/17, produtores estão adiantando o plantio de soja pelas boas condições climáticas e para antecipar a colheita da oleaginosa, visto que se tem previsão de fortes chuvas na segunda quinzena de fevereiro. Com isso a previsão para a semeadura de milho também será antecipada, como se pode ver no gráfico. Comparado com as safras passada, a previsão de término da colheita de milho será equivalente quando as safras passada se encontravam com 65,3% de colheita. Essa antecipação da semeadura pode favorecer o desenvolvimento da planta, ficaremos acompanhando a safra e o clima que será crucial para o bom desenvolvimento da plantação.

Vem se consolidando a previsão de safra recorde de milho nos EUA, porém a demanda aquecida pelo cereal americano sustenta os contratos. Na semana encerrada dia 20, o USDA reportou exportação de 799,3 mil toneladas, abaixo dos 1.023 mil toneladas da semana passada, porém ainda apresentando uma demanda firme. No acumulado da safra 2015/16 as exportações somam 23,3 milhões de toneladas, e estão 84,9% acima do mesmo período do ano passado. O milho amerciano esta mais competitivo no mercado externo, principalmente o do Golfo do país. O avanço da colheita americana continua pressionando os contratos, segundo o USDA até o dia 25(sexta), 75% da área plantada de milho havia sido colhida, abaixo dos 82% visto em igual período do ano passado, mas em linha com a média dos últimos cinco anos. O mercado prevê que a colheita se encerre ainda essa semana, com uma previsão de colheita de 382,48 milhões de toneladas. Os contratos mar/17 fecharam a US$ 362,75, queda de 0,14% e mai/17 a US$ 369,50 queda de 0,20%. No mercado interno o grão ficou em R$ 40,86 a saca de 60kg, alta de 1,34%.

Café

Os embarques de café arábica no fechamento de outubro no Brasil alcançaram 2,196 milhões de sacas de 60kg, alta de 0,36%, ante 1,618 milhões registrados no mês passado. Já o café robusta somou 9,794 mil sacas de café no acumulado do mês de outubro, queda de 0,65% comparado ao mês passado, que atingiu 28,348 mil sacas. Segundo levantamento do Conselho Nacional do Café (CNC), o repasse do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) aos bancos já atinge R$2,872 bilhões até o dia 27. O repasse tem objetivo de financiar a estocagem, financiamento para aquisição de café, capital de giro e linha de custeio para safra 2016/17. Ontem os contratos mar/17 fecharam a US$ 167,55 queda de 0,83% e mai/17 a US$169,70 queda de 0,79%.

quipe:

Pedro Esberard Barbirato Rosa
pedro.rosa@modal.com.br

Katharyne Amorim Caiaffa
katharyne.caiaffa@modal.com.br

Rio de Janeiro 55 21 3223 7890 | 7934
São Paulo 55 11 2106 6880
www.modal.com.br

Fonte:
http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/31102016175634.pdf
http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/31102016175314.pdf
http://www.valor.com.br/agro/4762169/commodities-agricolas
http://www.valor.com.br/agro/4762163/acucar-continua-dominar-moagem-de-cana-diz-unica
http://revistagloborural.globo.com/Noticias/Agricultura/Cafe/noticia/2016/10/repasse-do-funcafe-aos-bancos-para-safra-2016-ja-atinge-63-do-total.html

1) Este documento é fornecido exclusivamente a título informativo e não deve ser considerado uma recomendação, sugestão de estratégia de investimento e/ou análise de valores mobiliários. Rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras. O Banco Modal S.A. ou quaisquer das empresas que compõem o Grupo Modal (conforme definição legal) não expressam qualquer forma de garantia, implícita ou explícita, através do presente material.

2) Este material não leva em consideração objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas dos Investidores, que devem procurar aconselhamento financeiro destinado às suas necessidades antes de tomar qualquer decisão de investimento com base em informações contidas neste material. O material, inclusive, não representa o oferecimento de produtos, visto que tal oferta só pode ser feita mediante identificação do perfil de risco do cliente.

3) O presente material não representa a opinião do Banco Modal S/A bem como das demais empresas do Grupo Modal e seu conteúdo é de inteira responsabilidade dos responsáveis pela sua elaboração e das respectivas fontes utilizadas.

4) Esta comunicação deve ser lida apenas pelo seu destinatário e não pode ser retransmitida sem autorização formal. Caso recebida indevidamente, por favor destrua-a. Qualquer reprodução, disseminação, alteração, distribuição e/ou publicação deste e-mail é estritamente proibida.

Ouvidoria 0800 283 0077