Agenda

Açúcar e Etanol

As usinas brasileiras se mantêm mais “açucareiras”, com o mix de produção de açúcar estando em 49,6%, 6% acima comparado a primeira quinzena de outubro de 2015. Apesar da menor disponibilidade de cana, no acumulado de abril até a metade de outubro, a produção de açúcar atingiu 30 milhões de toneladas, 18,6% a mais que em igual período do ano passado. Apenas na primeira quinzena a produção atingiu 2,2 milhões de toneladas, 6,8% acima em comparação com o ano passado, do lado oposto a moagem caiu 11,9% no período. Apesar da menor disponibilidade de cana, a quantidade de açúcares totais recuperáveis (ATR) tiveram incremento de 5,9% na primeira quinzena de outubro. A preferência das usinas em produzir açúcar em detrimento do etanol vem elevando os percentuais de produção da commodity.

A decisão da Opep em reduzir a produção em 1,2 milhão de barris por dia deu fôlego as cotações de açúcar ontem. A diminuição da produção tende a elevar o preço do barril de petróleo e consequentemente aumentar a demanda por combustíveis alternativos, como o etanol. A medida tende a elevar o preço do etanol e consequentemente do açúcar. Os ganhos de ontem foram limitados pela liquidação de posição de fundos. Ontem na Bolsa de NY os contratos mar/17 fecharam a US$ 19,81, alta de 0,76% e mai/17 a US$ 19,27, alta de 0,78% No mercado interno o açúcar cristal em São Paulo ficou em R$ 94,49 a saca de 50kg, alta de 0,04%.

Grãos

A projeção de receita agrícola dos EUA cairá pelo terceiro ano consecutivo segundo dados do USDA alcançando US$66,9 bilhões, ante US$ 71,5 bilhões da projeção de agosto. O volume é o menor nível desde 2009 e recuo de 17,2% em comparação com ano passado. Ontem o contrato de soja mar/17 fechou a US$ 1.041,25 o bushel, baixa de 0,93% e mai/17 a US$ 1.049,00, baixa de 0,78%.

Com o corte na produção diária de barris de petróleo pela Opep, o cereal se sustentou em quase todo o pregão, porém fechou em queda pelas especulações de aumento de área de plantio de milho nos EUA. O aumento de área viria em paralelo ao aumento de produção de etanol de milho, para atender uma medida da agência ambiental americana (EPA) que aumentou o percentual de biocombustível na gasolina no país. A agência aumentou em 3,4% a demanda de etanol de milho para 56,781 milhões de litros misturado à gasolina. Os contratos de milho com vencimento mar/17 fecharam US$ 348,50, baixa de 0,14% e mai/17 a US$ 355,75, baixa de 0,21%. No mercado interno o milhou fechou em R$ 36,49 a saca de 60kg, alta de 0,16%.

Café

A quebra da safra de café robusta no Brasil está fazendo com que as torrefadoras mudem seus blends. Normalmente as torrefadoras usavam 50% do café arábica e 50% do café robusta em seus cafés, mas com a alta dos preços do robusta esse blend se alterou para 80% arábica e 20% robusta. A demanda pelo café continua firme e a Cooxupé, cooperativa em Guaxupé (MG) estima receber 6,3 milhões de sacas até o final do ano, ante previsão inicial de 6 milhões. Ano passado na safra 2015/16 a cooperativa havia recebido 5,1 milhões de sacas. Segundo dados da Conab, a produção de café robusta na safra 2016/17 deverá alcançar 8,35 milhões de sacas, 25,3% a menos que na safra passada, que já foi baixa pela quebra de produção de robusta no Brasil. Segundo dados do Rabobank o mercado de cápsulas de café no Brasil irá aumentar 2,2 vezes até 2019 alcançando R$2,2 bilhões. De 2014 a 2016 o número de empresas de café em cápsulas passou de 4 para 150, e a tendência é de alto crescimento para o setor. Segundo a Organização Internacional do Café (OIC) as exportações mundiais de café caíram 1,9% em outubro com embarques de 9,131 milhões de sacas. No acumulado dos doze meses as exportações recuam 0,6% alcançando 112,392 milhões de sacas. Ontem na Bolsa de NY o contrato de café arábica par mar/17 fechou a US$ 150,60, baixa de 1,60% e mai/17 a US$ 152,90, baixa de 1,58%.

Algodão

O setor de algodão brasileiro vem sentindo a desaceleração do mercado chinês pela pluma e vem migrando para recuperar uma fatia da demanda doméstica brasileira pela commodity. O algodão vem diminuindo sua participação no vestuário, perdendo espaço para o sintético. No vestuário feminino somente 23% é composto por algodão, 64% do masculino e 83% do de cama, mesa e banho. A meta é aumentar em 5% o uso da pluma na cadeia têxtil. As importações representam 60% da produção brasileira e a diferença de remuneração entre a exportação e a produção de vestuário com o algodão é bem significativa. O ganho médio da venda da commodity é de R$6 por quilo enquanto o ganho em uma camisa é de R$300 por quilo. No acumulado do ano as exportações somaram 640 mil toneladas, 10,4% superior ao mesmo período do ano passado, em compensação o preço médio caiu 4%. A decisão da Opep também afetou o algodão, sustentando suas cotações, visto que o petróleo mais caro desestimula a produção de roupas sintéticas que tem sido um grande rival da pluma no mercado de vestuário. Os ganhos foram limitados pela redução da demanda chinesa com a liquidação de 2,5 milhões de toneladas de algodão no acumulado do ano, o mercado especula que o país voltará a fazer leilões ano que vem. O contrato mar/17 fechou a US$ 71,58, alta de 0,39% e mai/17 fechou a US$ 72,06, alta de 0,43%. No mercado interno, o preço médio pago ao produtor na Bahia ficou em R$ 88,10 a @, segundo associação de produtores locais.

Equipe:
Pedro Esberard Barbirato Rosa
pedro.rosa@modal.com.br

Katharyne Amorim Caiaffa
katharyne.caiaffa@modal.com.br

Rio de Janeiro 55 21 3223 7890 | 7934
São Paulo 55 11 2106 6880
www.modal.com.br

Fonte:
http://www.dci.com.br/agronegocios/mercado-interno-vira-alvo-do-setor-de-algodao-id590859.html
http://canaplan.com.br/noticias/setor-sucroenergetico
http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/maior-demanda-faz-cooxupe-receber-mais-cafe-em-2016-17-152768
http://www.abic.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=59&infoid=5988 https://www.agrolink.com.br/noticias/receita-agricola-dos-eua-caira-17-2–em-2016-para-minima-de-7-anos–diz-usda_365945.html
http://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2016/11/exportacao-mundial-de-cafe-cai-19-em-outubro-diz-oic.html
http://www.valor.com.br/agro/4792707/commodities-agricolas

1) Este documento é fornecido exclusivamente a título informativo e não deve ser considerado uma recomendação, sugestão de estratégia de investimento e/ou análise de valores mobiliários. Rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras. O Banco Modal S.A. ou quaisquer das empresas que compõem o Grupo Modal (conforme definição legal) não expressam qualquer forma de garantia, implícita ou explícita, através do presente material.

2) Este material não leva em consideração objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas dos Investidores, que devem procurar aconselhamento financeiro destinado às suas necessidades antes de tomar qualquer decisão de investimento com base em informações contidas neste material. O material, inclusive, não representa o oferecimento de produtos, visto que tal oferta só pode ser feita mediante identificação do perfil de risco do cliente.

3) O presente material não representa a opinião do Banco Modal S/A bem como das demais empresas do Grupo Modal e seu conteúdo é de inteira responsabilidade dos responsáveis pela sua elaboração e das respectivas fontes utilizadas.

4) Esta comunicação deve ser lida apenas pelo seu destinatário e não pode ser retransmitida sem autorização formal. Caso recebida indevidamente, por favor destrua-a. Qualquer reprodução, disseminação, alteração, distribuição e/ou publicação deste e-mail é estritamente proibida.

Ouvidoria 0800 283 0077