Agenda

Açúcar e Etanol

Com as altas cotações no mercado, as usinas brasileiras seguem negociando sua safra no mercado futuro, fixando preços e garantindo boas margens de lucro. No final de outubro a fixação chegou a 30,6% da safra 2017/18 segundo a Archer Consulting. O percentual máximo já atingido em safras passada nesse periodo havia sido de 25% de fixação. A Copersucar, uma das principais companhias do setor sucroenergético do Mundo, deve registrar quebra na produção de cana de 5% na safra 2016/17. A produção das 35 usinas, antes estimada em moagem de 93 milhões de toneladas, cai para 89 milhões, e a produção de açúcar tem um recuo de 4,8 milhões de toneladas para 4,4 milhões de toneladas.

O Brasil levantou uma alegação na OMC sobre a política de incentivos de produção de açúcar na Tailandia. Produtores tailandeses estão trabalhando para não terem que enfrentar o Brasil em um processo na OMC, e tiveram uma reunião em Brasilia na quinta (3) para discutir o caso. Um processo na OMC seria longo e custoso para ambos os países, e segundo Pedro Mizutani, presidente do conselho da Unica, a proposta responde a demanda dos brasileiros. Porém se irá aguardar que as propostas sejam adotadas e implementadas para o Brasil desistir do caso. A valorização do real ante o dólar desestimula exportações brasileiras de açúcar e foi um dos motivos na alta das cotações nos contratos. O Banco Pine estima que na segunda quinzena de outubro a região Centro-Sul irá produzir 1,88 milhão de toneladas do adoçante, 13,8% abaixo comparado a igual período do ano passado, e também sustentou as cotações. Ontem na Bolsa de NY o açúcar fechou mar/17 US$ 22,27 alta de 2,49% e mai/17 a US$ 21,65 alta de 2,17%.

Grãos

A soja em MT no acumulado dos seis meses apresenta queda de 66,8% nas negociações com o mercado externo. Apesar da variação negativa, o acumulado do ano apresenta alta de 5,55%. As exportações no estado de MT somam 32,325 milhões de toneladas nesse ano, alta de 15,42% comparado a igual período do ano passado. Apesar da menor produção de algumas culturas, principalmente a quebra da segunda safra de milho, as exportações se elevaram pelos altos estoques de safras passadas. A balança comercial do estado teve leve alta, acumulando US$ 10,946 bilhões, ante US$ 10,843 bilhões do ano passado.

As exportações brasileiras também acumulam ganhos nos dez meses do ano, atingindo um superávit de US$ 38,5 bilhões, o maior para o período desde o início da série historia em 1989 pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A comercialização da safra de soja 2016/17 não apresentou grande avanço, devido aos baixos preços na Bolsa de Chicago. Em 4 de nov a comercialização da próxima safra chegava a 25%, ante 41% em igual período de 2015 e 30% da média histórica dos últimos cinco anos. A estimativa de produção de soja para a próxima temporada é de 103,477 milhões segundo a consultoria Safra & Mercados. O aumento do apetite chinês pela oleaginosa americana continua dando sustentação as cotações do cereal, mesmo com perspectiva de boa safra americana. Segundo o governo chinês o consumo de soja no país deve crescer 3% na temporada 2016/17, somando 99,7 milhões de toneladas, sendo 85,3 milhões de toneladas via importação. Ontem na Bolsa de Chicago os contratos de soja mar/17 fecharam a US$ 1.005,50, alta de 0,83% e mai/17 a US$ 1.012,25, alta de 0,82%.

No Paraná, a perspectiva de boa safra de verão vai se consolidando com a colheita de milho quase finalizada, e de soja caminhando para a reta final. As boas condições de clima e solo favoreceram o desenvolvimento dos grãos, e caso a estimativa de colheita de 23 milhões se concretize, será um aumento de 14% em relação a safra passada. Para a safra de verão de soja 2016/17 destinou-se 5,24 milhões de hectares, praticamente igual a área passada de 5,28 milhoes de hectares. Já para o milho o crescimento foi substancial alcançando 487 mil hectares, alta de 18% em relação a safra passada. Ontem na Bolsa de Chicago os contratos mar/17 de milho fecharam a US$ 355,25, queda de 0,63% e mai/17 a US$ 363,00 queda de 0,55%.

Café

Os produtores de café na Colombia tem média de idade de 55 anos, uma lavoura de café pode durar 20 anos, e em busca de melhores salários os mais jovens estão procurando outros empregos. Os produtores de café na colombia, segundo o Financial Times, lutam contra a ameaça ao abastecimento do café, com baixas receitas de produção e alta nos insumos agrícolas e custo de produção. A Nespresso em parceria com a Federação Nacional dos Cafeicultores colombianos (FNC) esta trabalhando para promover a reinserção social através do café nas regiões afetas pelos conflitos no país nos últimos 50 anos. A empresa apoia e facilita o retorno dos produtores, que se deslocaram pela região pelos conflitos civis.

As compras de café na Bolsa de NY impulsionam os contratos, com o CFTC reportando que na semana encerrada dia 1, os fundos aumentaram em 11,79% suas posições compradas, chegando a 56.621 contratos. A queda do dólar ante o real também impulsiona as cotações, pois desestimula produtotes brasileiros em exportar a commodity. Ontem na Bolsa de NY, os contratos mar/17 fecharam a US$ 177,95 alta de 1,74% e mai/17 a US$ 180,15 alta de 1,78%. No mercado interno o grão ficou em R$577,74 a saca de 60kg, alta de 1,86%.

Algodão

O avanço da plantação de soja em MT pode deixar seu legado positivo na cultura do algodão, visto que os produtores terão a oportunidade de adiantar a plantação da pluma no estado e aproveitar as boas perspectivas do clima na região. Com a quebra de safra de milho e soja no estado na safra passada, 2015/16, o caroço de algodão acumula valorizações no mercado interno. O preço médio do caroço em novembro esta cotado a R$711,51/t, 37% superior a igual periodo do ano passado. O caroço pode ser destinado a alimentação animal, e com o aumento do confinamento, a demanda pelo produto também aumenta. Com isso vemos um baixo número de negociações, com compradores aguardando menos preços do caroço no estado. Ontem na Bolsa de NY os contratos mar/17 fecharam a US$ 69,10, estáveis e mai/17 a US$ 69,76, alta de 0,11%.

Equipe:
Pedro Esberard Barbirato Rosa
pedro.rosa@modal.com.br

Katharyne Amorim Caiaffa
katharyne.caiaffa@modal.com.br

Rio de Janeiro 55 21 3223 7890 | 7934
São Paulo 55 11 2106 6880
www.modal.com.br

onte:
http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/exportacoes-do-agro-mato-grossense-sobem-e-movimentam-us-10-bilhoes-este-ano-151880
https://www.agrolink.com.br/noticias/parana-caminha-para-a-colheita-de-uma-safra-de-verao-recorde_364731.html
https://www.agrolink.com.br/noticias/vendas-antecipadas-de-soja-do-brasil-se-arrastam-em-meio-ao-plantio-e-baixos-precos_364725.html
https://www.agrolink.com.br/noticias/venda-antecipada-de-acucar-do-brasil-avanca-para-30-6–da-exportacao-de-2017-18_364729.html
https://www.agrolink.com.br/noticias/brasil-diz-que-proposta-da-tailandia-sobre-acucar-pode-evitar-caso-na-omc_364748.html
http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/07112016174304.pdf
http://revistagloborural.globo.com/Noticias/Agricultura/Cana/noticia/2016/11/safra-de-cana-20162017-da-copersucar-deve-ter-quebra-media-de-5.html
http://www.icafebr.com.br/publicacao2/v.%205%20n.9.pdf
http://www.valor.com.br//agro/4768559/commodities-agricolas

1) Este documento é fornecido exclusivamente a título informativo e não deve ser considerado uma recomendação, sugestão de estratégia de investimento e/ou análise de valores mobiliários. Rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras. O Banco Modal S.A. ou quaisquer das empresas que compõem o Grupo Modal (conforme definição legal) não expressam qualquer forma de garantia, implícita ou explícita, através do presente material.

2) Este material não leva em consideração objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas dos Investidores, que devem procurar aconselhamento financeiro destinado às suas necessidades antes de tomar qualquer decisão de investimento com base em informações contidas neste material. O material, inclusive, não representa o oferecimento de produtos, visto que tal oferta só pode ser feita mediante identificação do perfil de risco do cliente.

3) O presente material não representa a opinião do Banco Modal S/A bem como das demais empresas do Grupo Modal e seu conteúdo é de inteira responsabilidade dos responsáveis pela sua elaboração e das respectivas fontes utilizadas.

4) Esta comunicação deve ser lida apenas pelo seu destinatário e não pode ser retransmitida sem autorização formal. Caso recebida indevidamente, por favor destrua-a. Qualquer reprodução, disseminação, alteração, distribuição e/ou publicação deste e-mail é estritamente proibida.

Ouvidoria 0800 283 0077