Agenda

Açúcar e Etanol

Com cotações elevadas e usinas mais açucareiras o Brasil fechou os dez primeiros meses do ano com alta de 26% nas exportações do açúcar, chegando a 23,75 milhões de toneladas. A Índia foi o país de embarque do maior volume de açúcar brasileiro no ano, somando 1,98 milhão de toneladas, em segundo posto esta a China com 1,75 milhão de toneladas. Os países da Ásia representam 38,3% das importações, com embarques de 9,1 milhões de toneladas.

O etanol hidratado no mercado interno permance com altas cotações devido as usinas estarem mais “açúcareiras” para aproveitar as altas cotações do açúcar. Na safra iniciada em abril até outubro, a produção de etanol hidratado ficou em 12,3 bilhões de litros, 9% menor na comparação anual. As cotações chegam a 21% de alta no ano, com os contratos futuros com vencimento jan/17 cotados a R$ 1.920,00, fev/17 a R$ 1.970,00 e mar/17 a R$ 1.945,00, altas de 17,8%, 20,4% e 21,5%, respectiviamente, comparado com esse ano. O discurso do novo Presidente dos EUA, Donald Trump, em um tom mais apaziguador e a perspectiva de déficit na oferta mundial de açúcar e menor produção no Brasil, sustentaram os contratos. Ontem na Bolsa de NY o açúcar fechou mar/17 US$ 22,11 alta de 0,64% e mai/17 a US$ 21,55 alta de 0,98%.

Grãos

Dados divulgados pelo WASDE relatam uma safra americana de soja acima das expectativas do mercado. A produtividade da safra ficou em 52,50 per acre, acima da expectativa do mercado de 52,01 per acre. O aumento da produtividade elevou os dados de produção, que vieram 4361,00 ante expectativa do mercado de 4318,26. As exportações tiveram leve aumento e o end stock também acabou ficando acima das expectativas em 480,00, ante 435,25 que era a expectativa do mercado. Ontem na Bolsa de Chicago os contratos de soja mar/17 fecharam a US$ 998,50, queda de 1,94% e mai/17 a US$ 1.005,50, queda de 1,90%.

Os dados do WASDE também relatam uma safra americana acima das expectativas para o milho, com a produtividade vindo em 175,30 per acre, ante 172,96 per acre que era a expectativa do mercado. Com isso produção também veio acima do esperado com 15.226,00 ante 15.014,51 que era a expectativa do mercado. As exportações ficaram estáveis em 2225 e gerou um end stocks acima da expectativas em 2.403,00, ante 2.279,02 que era a expectativa do mercado. Ontem na Bolsa de Chicago os contratos mar/17 de milho fecharam a US$ 349,75, queda de 3,58% e mai/17 a US$ 357,25 queda de 3,51%.

Café

Apesar da alta do café no mercado brasileiro, o consumo cresceu 3,4% nos últimos 12 meses, indicando uma demanda doméstica de 21,2 milhões de sacas de café em grão, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic). Para analistas, apesar da alta, o café continua sendo uma bebida barata, e o aumento da demanda de cafés de maior qualidade por jovens foi um grande fator para a elevação do consumo. Com a quebra de safra de café robusta, a commodity acumula alta de 43,5% nos últimos 12 meses e o arábica alta de 30% no mercado interno. A alta levou algumas torrefadoras a zerarem sua rentabilidade, que antes era entre 5~8%, visto que a alta repassada aos consumidores ficou em apenas 23%. Apesar dos preços de café arábica estarem em altos patamares, e a bienalidade negativa prevista para a safra2017/18, a segunda floração verificada em cafezais de SP e MG estão se desenvolvendo bem pelas boas chuvas. Porém a bienalidade negativa não é esperada em todo o país, no Paraná e Zona da Mata Mineira a bienalidade será positiva na safra 2017/18, mas o mercado aguarda o desenvolvimento das plantações. Um apetitie mais “comprador” pelo mercado e um menor embarque de café registrado no mês de Outubro pela Cecafé, sustentaram as cotações da commodity. Ontem na Bolsa de NY, os contratos mar/17 fecharam a US$ 173,80 alta de 1,52% e mai/17 a US$ 176,10 alta de 1,53%. No mercado interno o grão ficou em R$561,69 a saca de 60kg, queda de 2,78%.

Equipe:
Pedro Esberard Barbirato Rosa
pedro.rosa@modal.com.br

Katharyne Amorim Caiaffa
katharyne.caiaffa@modal.com.br

Rio de Janeiro 55 21 3223 7890 | 7934
São Paulo 55 11 2106 6880
www.modal.com.br

Fonte:
http://www.dci.com.br/agronegocios/usda-projeta-colheita-de-soja-e-milho-dos-eua-acima-da-expectativa-do-mercado-id586435.html
http://www.valor.com.br/agro/4770593/em-meio-alta-de-preco-cresce-consumo-de-cafe
http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/clima-favorece-segunda-florada-em-regioes-de-cafe-arabica-do-pais-diz-cepea-151890
http://canaplan.com.br/noticias/setor-sucroenergetico/0000001017
http://www.valor.com.br/agro/4772259/commodities-agricolas

1) Este documento é fornecido exclusivamente a título informativo e não deve ser considerado uma recomendação, sugestão de estratégia de investimento e/ou análise de valores mobiliários. Rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras. O Banco Modal S.A. ou quaisquer das empresas que compõem o Grupo Modal (conforme definição legal) não expressam qualquer forma de garantia, implícita ou explícita, através do presente material.

2) Este material não leva em consideração objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas dos Investidores, que devem procurar aconselhamento financeiro destinado às suas necessidades antes de tomar qualquer decisão de investimento com base em informações contidas neste material. O material, inclusive, não representa o oferecimento de produtos, visto que tal oferta só pode ser feita mediante identificação do perfil de risco do cliente.

3) O presente material não representa a opinião do Banco Modal S/A bem como das demais empresas do Grupo Modal e seu conteúdo é de inteira responsabilidade dos responsáveis pela sua elaboração e das respectivas fontes utilizadas.

4) Esta comunicação deve ser lida apenas pelo seu destinatário e não pode ser retransmitida sem autorização formal. Caso recebida indevidamente, por favor destrua-a. Qualquer reprodução, disseminação, alteração, distribuição e/ou publicação deste e-mail é estritamente proibida.

Ouvidoria 0800 283 0077