Agenda

Açúcar e Etanol

Os preços do etanol hidratado voltam a subir na maioria dos postos de gasolina no Brasil. O etanol não está mais vantajoso que a gasolina em nenhum estado do Brasil, ou seja não está abaixo da paridade de 70%. A consultoria Safras & Mercado projeta uma menor moagem de cana-de-açúcar no centro-sul na temporada 2017/18 para 600 milhões de toneladas, ante 625 milhões de toneladas na safra passada. Consequentemente a estimativa de produção de açúcar diminui de 36,5 milhões de toneladas para 36,0 milhões de toneladas. No mês de Novembro o açúcar foi a commodity mais exportada pelo Brasil alcançando US$ 1,1 bilhão nas vendas, crescimento de 56,2% ante o mesmo período do ano passado. No acumulado de janeiro a novembro as vendas acumulam receita de US$ 9,3 bilhões, 37% a mais que em igual período do ano passado. Ontem os contratos mar/17 fecharam a US$ 19,25, alta de 0,05%, e mai/17 a US$ 18,81, alta de 0,16%.

Grãos

A valorização do dólar frente ao real estimula os produtores de soja a comercializarem a safra 2016/17 da oleaginosa, o que levou a um avanço no mês de novembro de 11,21 p.p., chegando a 47,46% de safra comercializada. Os preços médios de comercialização em MT oscilaram de R$ 66,92 a R$ 69,92 a saca, R$ 6,00 superior ao preço médio de outubro. O Mundo se volta o plantio de soja na América do Sul que está finalizada ou em reta final nos principais países produtores. O USDA prevê uma produção de 174,5 milhões de toneladas na próxima safra na América do Sul, com Brasil, Argentina e Paraguai representando 96% desse total. Paraguai já encerrou seu plantio, Brasil está na reta final e Argentina alcança 57,6% de área plantada. Com esse cenário, as condições climáticas serão a base das especulações e das estimativas de produção nos países. Conforme figura acima, a região de Matopiba, leste do MT, extremo sul do Brasil e parte da Argentina podem apresentar variação negativa de precipitações (cores amarelo, laranja e rosa na figura) em comparação com a média histórica. O mercado ficará monitorando as condições climáticas nas regiões até o começo do ano que vem que é quando a colheita será finalizada. Ontem o contrato de soja mar/17 fechou a US$ 1.042,50 o bushel queda de 0,57% e mai/17 a US$ 1.050, 50 o bushel, queda de 0,54%. No mercado interno a soja em Paranaguá ficou em R$ 79,41 a saca de 60kg, recuo de 0,24%.

A safra 2015/16 de milho no MT já atinge 99,35% de comercialização, enquanto a próxima safra 2016/17 teve avanço mensal de 6,17% alcançando 30,96%, A região de MT mais avançada nas negociações da próxima safra é a noroeste que já alcança 44,30% de comercialização. A alta do dólar frente ao real no mês e novembro impulsionou os produtores a venderem antecipadamente. No mês de novembro MT embarcou 0,70 milhão de toneladas, uma redução de 11,4% em comparação com o mês passado e 70,6% em comparação com nov/15. Apesar da diminuição das exportações de milho no estado, MT representou 72,5% das exportações de milho do Brasil no mês. Ontem os contratos de milho com vencimento mar/17 fecharam a US$ 360,50, alta de 0,28% e mai/17 fecharam US$ 367,25, alta de 0,27%.

Café

Segundo dados do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil, na sexta-feira (9) foram embarcadas 157 mil sacas de 60kg de café arábica, e nenhuma saca de café robusta. No acumulado do mês os embarques de café arábica chegam a 463 mil sacas de 60 kg, no mesmo período do mês passado haviam sido embarcados 397 mil sacas de 60kg. No acumulado do mês nenhuma saca de café robusta foi embarcada, no mês período do mês passado haviam sido embarcadas 12 mil sacas de 60 kg. A quebra de safra de café robusta no Brasil, principalmente no estado do ES devido as severas secas, impactou negativamente as exportações. A desvalorização do dólar frente ao real, na expectativa de uma melhora na economia do Brasil com os ajustes fiscais deu fôlego as cotações de café. O dólar mais fraco, desestimula as exportações de café pelos produtores brasileiros e sustenta as cotações da commodity. Ontem na Bolsa de NY o contrato de café arábica para mar/17 fechou a US$ 142,00 alta de 1,90% e mai/17 a US$ 144,25, alta de 1,84%. No mercado interno, o grão em São Paulo fechou a R$ 497,76 a saca de 60kg, queda de 0,6%.

Algodão

Dados divulgados pelo Imea informam que a comercialização da safra 2015/16 teve avanço de apenas 0,2% no último mês, com produtores retraídos esperando melhores preços. A safra 2015/16 já atinge 89,5% de comercialização. Em novembro as exportações de pluma do MT atingiram 74,9 mil toneladas, acumulando 490,8 mil toneladas no ano, 21% acima em comparação com o mesmo período do ano passado. No mês de novembro a arrecadação também bateu recorde, sendo a maior dos últimos cinco anos chegando a US$ 116,6 milhões, no acumulado do ano a arrecadação chega a US$ 741,7 milhões, 16% acima em comparação com igual período do ano passado. Se em dezembro as exportações mantiverem em ritmo acelerado, podemos ver um recorde histórico de exportações de pluma no ano. A decisão de mais um grupo de países em reduzir a produção em 558 mil barris diários elevou as cotações do algodão. O petróleo mais caro, encarece a produção de roupas sintéticas que competem com as de algodão. Os contratos mar/17 fecharam a US$ 71,69, alta de 1,26% e mai/17 fecharam a US$ 71,90 alta de 1,11%. No mercado interno, o preço médio pago ao produtor na Bahia ficou em R$ 87,09 a arroba.

Equipe:
Pedro Esberard Barbirato Rosa
pedro.rosa@modal.com.br

Katharyne Amorim Caiaffa
katharyne.caiaffa@modal.com.br

Rio de Janeiro 55 21 3223 7890 | 7934
São Paulo 55 11 2106 6880
www.modal.com.br

Fonte:
http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/acucar-e-destaque-das-exportacoes-do-agronegocio-em-novembro-153242
http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/12122016195304.pdf
http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/12122016195147.pdf
http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/12122016195401.pdf
http://canaplan.com.br/noticias/setor-sucroenergetico
http://www.cecafe.com.br/dados-estatisticos/exportacoes-brasileiras/
http://www.valor.com.br/agro/4803327/commodities-agricolas

1) Este documento é fornecido exclusivamente a título informativo e não deve ser considerado uma recomendação, sugestão de estratégia de investimento e/ou análise de valores mobiliários. Rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras. O Banco Modal S.A. ou quaisquer das empresas que compõem o Grupo Modal (conforme definição legal) não expressam qualquer forma de garantia, implícita ou explícita, através do presente material.

2) Este material não leva em consideração objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas dos Investidores, que devem procurar aconselhamento financeiro destinado às suas necessidades antes de tomar qualquer decisão de investimento com base em informações contidas neste material. O material, inclusive, não representa o oferecimento de produtos, visto que tal oferta só pode ser feita mediante identificação do perfil de risco do cliente.

3) O presente material não representa a opinião do Banco Modal S/A bem como das demais empresas do Grupo Modal e seu conteúdo é de inteira responsabilidade dos responsáveis pela sua elaboração e das respectivas fontes utilizadas.

4) Esta comunicação deve ser lida apenas pelo seu destinatário e não pode ser retransmitida sem autorização formal. Caso recebida indevidamente, por favor destrua-a. Qualquer reprodução, disseminação, alteração, distribuição e/ou publicação deste e-mail é estritamente proibida.

Ouvidoria 0800 283 0077