Açúcar e Etanol

Na segunda quinzena de novembro foram processadas 19,682 milhões de toneladas de cana no Centro-Sul, 4,5% a mais que em igual período do ano passado. Desde o início da safra já foram processados 581,701 milhões de toneladas, que equivale a 96% da estimativa mínima inicial da Unica. Pelas altas cotações de açúcar as usinas deram preferência a produção de açúcar que teve grande avanço no período, 18,01% acima de igual acumulado do ano passado.

Os dados da Unica com avanço na produção brasileira de açúcar pressionaram os contratos. O Centro-sul produziu 34,698 milhões de toneladas no início da atual temporada até o fim do mês de dezembro, 18,01% a mais que no mesmo período do ano passado. Na segunda quinzena de novembro foram produzidos 1,131 milhão de toneladas. Ontem os contratos mar/17 fecharam a US$ 18,03, queda de 3,38%, e mai/17 a US$ 17,82, queda de 2,78%. No mercado interno o açúcar em São Paulo ficou em R$ 91,73 a saca de 50kg, queda de 0,24%.

Grãos

Nos últimos anos a receita de exportação de soja e seus derivativos vem caindo, mas a previsão da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) que esse quadro se reverta em 2017. A estimativa é que a receita chegue a R$ 27,6 bilhões ano que vem, 9,9% a mais que o total previsto para 2016. Mesmo com a colheita recorde nessa safra nos EUA e a perspectiva de safras recordes na América do Sul, a demanda está aquecida pelo cereal dando sustentação ao preço do cereal. A Associação prevê uma colheita recorde no Brasil de 101,7 milhões de toneladas e um aumento de 4,6% no processamento, chegando a 41 milhões de toneladas.

A previsão de chuva nas lavouras do Brasil e Argentina favorecendo a plantação nas regiões pressionou as cotações. Ontem o contrato de soja mar/17 fechou a US$ 1.034,50 o bushel queda de 0,48% e mai/17 a US$ 1.042,50 o bushel, queda de 0,52%. No mercado interno a soja em Paranaguá ficou em R$ 78,59 a saca de 60kg, recuo de 0,62%.

Os altos preços do milho no mercado interno derrubou a demanda por ração animal no segundo semestre, impactado pelos produtore s de aves e suínos que tem o cereal na base da sua ração animal e sofreram pelos altos preços. Ontem os contratos de milho com vencimento mar/17 fecharam a US$ 362,00, alta de 0,28% e mai/17 fecharam US$ 368,50, alta de 0,20%.

Café

O Ministro Blairo Maggi confirmou ontem que já enviou a Câmara de Comércio Exterior (Camex) a autorização de importação de café robusta no Brasil. A pauta entraria na reunião de hoje, mas por pressões de produtores contrários a liberação, a pauta irá para a próxima reunião do Camex, dia 15 de janeiro. O Ministro reitera que as importações teriam uma cota, com volume limitado, temporárias e sem risco de pragas. O pedido para a liberação da importação é da indústria de café torrado e moído e café solúvel, que foram fortemente afetados pela escassez de café robusta no país e tiveram que diminuir seus blends de café robusta na mistura, pelas altas cotações da commodity. Do lado oposto produtores afirmam ter café robusta suficiente nos estoques do Espírito Santo para abastecer a demanda interna. Ontem na Bolsa de NY o contrato de café arábica para mar/17 fechou a US$ 144,15 alta de 0,91% e mai/17 a US$ 146,40 alta de 0,90%.

Algodão

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) anunciou um corte inicial de 1,2 milhões de barris por dia. Mas segundo a Agência Internacional de Energia (AIE) o corte teria que ser de 1,7 milhão de barris para ter uma produção máxima de 32,5 milhão de barris por dia. Essa incerteza quanto a redução da extração de petróleo pela Opep pressionou os contratos de algodão. Caso o barril de petróleo não continue em alta, as roupas sintéticas não ficariam com um custo tão alto e estariam competindo com as de algodão. Os contratos mar/17 fecharam a US$ 71,47 queda de 0,79% e mai/17 fecharam a US$ 71,64 queda de 0,78%.

Equipe:
Pedro Esberard Barbirato Rosa
pedro.rosa@modal.com.br

Katharyne Amorim Caiaffa
katharyne.caiaffa@modal.com.br

Rio de Janeiro 55 21 3223 7890 | 7934
São Paulo 55 11 2106 6880
www.modal.com.br

Fonte:
http://www.valor.com.br/agro/4806145/commodities-agricolas
http://www.valor.com.br/agro/4806141/exportacao-de-soja-rendera-mais-em-2017
http://www.valor.com.br/agro/4806139/produtores-resistem-importacao-de-cafe-robusta
http://www.valor.com.br/agro/4806133/alta-do-milho-fez-producao-de-racao-estagnar-em-2016
http://www.valor.com.br/agro/4805617/centro-sul-eleva-moagem-de-cana-na-segunda-quinzena-de-novembro

1) Este documento é fornecido exclusivamente a título informativo e não deve ser considerado uma recomendação, sugestão de estratégia de investimento e/ou análise de valores mobiliários. Rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras. O Banco Modal S.A. ou quaisquer das empresas que compõem o Grupo Modal (conforme definição legal) não expressam qualquer forma de garantia, implícita ou explícita, através do presente material.

2) Este material não leva em consideração objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas dos Investidores, que devem procurar aconselhamento financeiro destinado às suas necessidades antes de tomar qualquer decisão de investimento com base em informações contidas neste material. O material, inclusive, não representa o oferecimento de produtos, visto que tal oferta só pode ser feita mediante identificação do perfil de risco do cliente.

3) O presente material não representa a opinião do Banco Modal S/A bem como das demais empresas do Grupo Modal e seu conteúdo é de inteira responsabilidade dos responsáveis pela sua elaboração e das respectivas fontes utilizadas.

4) Esta comunicação deve ser lida apenas pelo seu destinatário e não pode ser retransmitida sem autorização formal. Caso recebida indevidamente, por favor destrua-a. Qualquer reprodução, disseminação, alteração, distribuição e/ou publicação deste e-mail é estritamente proibida.

Ouvidoria 0800 283 0077