Açúcar e Etanol

Relatório divulgado ontem pela Conab eleva a estimativa de produção de cana-de-açúcar em 4,4% em comparação com a safra passada. A Conab estima uma produção de 684,7 milhões de toneladas, a revisão também é consequência do aumento de área. A estimativa é que a área fique em 9,111 milhões de toneladas, 5,3% maior ante o ciclo anterior. A arbitragem açúcar x etanol continua favorecendo a produção do açúcar. A estimativa é que a produção de etanol será de 27,87 bilhões de litros, queda de 8,5% em comparação com a safra anterior. A produção de etanol hidratado deve cair 14,3% refletindo a redução do consumo nos veículos flex que estão priorizando o uso da gasolina.

Consultorias já estimam uma maior produção de açúcar em detrimento ao etanol. O presidente da Datagro ressalta que as usinas investiram para aumentar a capacidade de produção de açúcar nas usinas, aproveitando os elevados preços da commodity. FCStone e Banco Pine estimam uma produção de 35,7 milhões de toneladas de açúcar para próxima safra, número 1,4% maior do que a última estimativa da FCStone e 0,9% maior que o da instituição financeira. Ontem os contratos mar/17 fecharam a US$ 18,25, alta de 0,11 %, e mai/17 a US$ 18,06, alta de 0,06%.

Grãos

A decisão do FED de aumentar a taxa de juros dos EUA movimentou a economia e impactou o mercado de commodities. Nesse sentido foi traçado um cenário com possível valorização do dólar e desvalorização da soja na Bolsa de Chicago, pela fuga de capital especulativo. Um possível cenário seria o dólar a 3,65 e o contrato de soja a 9,8, assim o preço interno da soja em MT ficaria em R$ 61,90/saca. O preço ainda ficaria acima do ponto de equilíbrio da safra em R$ 11,86/saca. O cenário traçado também leva em consideração uma safra cheia na América do Sul, com Brasil e Argentina colhendo uma safra recorde. As chuvas na Argentina, favoreceu as lavouras que estavam com baixo índice de precipitação e pressionou os contratos. A realização de lucros por investidores e a valorização do dólar também pressionou a commodity. Ontem o contrato de soja mar/17 fechou a US$ 1.015,75o bushel queda de 1,57% e mai/17 a US$ 1.025,00 o bushel, queda de 1,49%. No mercado interno a soja em Paranaguá ficou em R$ 78,44 a saca de 60kg, baixa de 0,72%.

O USDA no seu último relatório aumentou a projeção da safra de milho 2016/17 do Brasil. A nova estimativa eleva a produção brasileira de 83,50 para 86,50 milhões de toneladas, alta de 3,59%. O Departamento também prevê alta nas exportações de 25,50 para 28 milhões de toneladas, alta de 9,80%. A previsão segue favorável para produção de milho no país. Na Argentina o USDA manteve a estimativa anterior. As chu vas na Argentina, favoreceram as lavouras de milho no país, e também pressionou os contratos do cereal na Bolsa de Chicago. Ontem os contratos mar/17 fecharam a US$ 350,25, queda de 0,85% e mai/17 fecharam US$ 357,00, queda de 0,83%.

Café

Ontem (20) segundo o Conselho dos Exportadores de Café (Cecafé) foram embarcados no dia 156,502 mil sacas de 60kg de café arábica e nenhuma saca de café robusta. No acumulado do mês foram embarcados 1.285 milhões de sacas de café arábica, alta de 5% em comparação com mesmo período do mês anterior. No acumulado do mês o café robusta atinge 3 mil sacas, queda de 77% em comparação com o mesmo período do mês anterior. Ontem o contrato de café arábica para mar/17 fechou a US$ 143,85 queda de 0,28% e mai/17 a US$ 146,10 queda de 0,31%.

Algodão

A seca que atingiu a Bahia, segundo maior produtor de algodão do país, fez com que a produção da pluma na safra 2015/16, ficasse menor que a safra passada. A produção ficou em 889,913 mil toneladas, ante 939,922 da safra passada. O consumo em MT e fora do estado também ficou abaixo em comparação com a safra passada. Em MT o consumo ficou em 12,580 mil toneladas, ante 19,08 mil toneladas da safra passada. Ontem o contrato mar/17 fechou a US$ 69,34, queda de 0,33% e mai/17 a US$ 69,77, queda de 0,37%.

Equipe:
Pedro Esberard Barbirato Rosa
pedro.rosa@modal.com.br

Katharyne Amorim Caiaffa
katharyne.caiaffa@modal.com.br

Rio de Janeiro 55 21 3223 7890 | 7934
São Paulo 55 11 2106 6880
www.modal.com.br

Fonte:
http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/19122016200036.pdf
http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/19122016195924.pdf
http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/19122016195813.pdf
http://www.valor.com.br/agro/4814199/commodities-agricolas
http://www.valor.com.br/agro/4814197/conab-eleva-estimativa-para-cana
http://www.valor.com.br/agro/4814195/acucar-deve-avancar-em-detrimento-do-etanol

1) Este documento é fornecido exclusivamente a título informativo e não deve ser considerado uma recomendação, sugestão de estratégia de investimento e/ou análise de valores mobiliários. Rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras. O Banco Modal S.A. ou quaisquer das empresas que compõem o Grupo Modal (conforme definição legal) não expressam qualquer forma de garantia, implícita ou explícita, através do presente material.

2) Este material não leva em consideração objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas dos Investidores, que devem procurar aconselhamento financeiro destinado às suas necessidades antes de tomar qualquer decisão de investimento com base em informações contidas neste material. O material, inclusive, não representa o oferecimento de produtos, visto que tal oferta só pode ser feita mediante identificação do perfil de risco do cliente.

3) O presente material não representa a opinião do Banco Modal S/A bem como das demais empresas do Grupo Modal e seu conteúdo é de inteira responsabilidade dos responsáveis pela sua elaboração e das respectivas fontes utilizadas.

4) Esta comunicação deve ser lida apenas pelo seu destinatário e não pode ser retransmitida sem autorização formal. Caso recebida indevidamente, por favor destrua-a. Qualquer reprodução, disseminação, alteração, distribuição e/ou publicação deste e-mail é estritamente proibida.

Ouvidoria 0800 283 0077