Agenda

Dolar X Real

Ontem (26) o Plenário aprovou a Reforma Trabalhista por 296 votos a favor e 177 contra e agora o projeto vai para o Senado. O placar mostra que os esforços do governo para obter os votos necessários para a provar a Reforma da Previdência estão surtindo efeitos positivos. A proposta que manteria a obrigatoriedade da contribuição sindical foi derrubada por 259 votos e o Senado aprovou por unanimidade o fim do foro privilegiado. A alta do dólar ontem foi motivada por alguns elementos que podem estar de volta com o “Trump trade” que tem base no expansionismo fiscal dos EUA podendo dar fôlego a economia americana e possibilitando uma nova alta de juros americanos. O dólar comercial fechou a R$ 3,1724, alta de 0,7%, maior patamar desde 9 de março. No mercado futuro o dólar para maio fechou a R$ 3,1750, alta de 0,79%.

Açucar e Etanol

Ontem (26) a Unica divulgou dados estimando uma menor produção de cana no Centro-Sul. Os números vieram abaixo das expectativas do mercado chegando a produção de 35,2 milhões de toneladas de açúcar na safra 2017/18, 1,2% do visto na safra passada. A previsão é que a moagem tenha uma redução de 3,6% chegando a 585 milhões de toneladas, menor volume desde a safra 2014/15. Apesar dos dados altistas para a commodity, com a redução da produção, os contratos de açúcar na Bolsa de Nova York tiveram sua menor cotação em um ano. O movimento foi um ajuste da posição de fundos, visto que a notícia da Unica tem viés altista para a commodity. Ontem o contrato mai/17 fechou a US$ 15,38 queda de 4,94% e jul/17 a US$ 15,57 queda de 4,36%. No mercado interno, o açúcar cristal em São Paulo fechou a R$ 74,61 a saca de 50 kg, alta de 0,99%.

Grãos

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) aumentou a estimativa para as exportações brasileiras de soja para 60,3 milhões de toneladas em 2017. O número é 1,6 milhão de toneladas a mais que o previsto em março e 16,9% superior ao registrado ano passado. A entidade passou a estimar uma receita de US$ 23,5 bilhões esse ano, alta de 21,8%, mantendo sua estimativa de preço médio de vendas em US$ 390 por toneladas, 4% superior a 2016. Na Bolsa de Chicago, a soja mai/17 fechou a US$ 945,75 queda de 0,92% e jul/17 a US$ 956,50 queda de 0,88%.

A alta do dólar ontem também pressionou as cotações do cereal. O dólar mais forte tende a reduzir a demanda internacional pelo cereal dos EUA, maior produtor e exportador, e o petróleo mais barato tende a reduzir a competitividade do etanol americano (produzido a partir do milho). Na Bolsa de Chicago, o milho mai/17 fechou a US$ 359,00 queda de 1,64% e jul/17 fechou a US$ 366,75 queda de 1,34%. No mercado interno o grão fechou a R$ 28,56 a saca de 60kg, alta de 0,14%.

Café

O dólar já acumula alta de 2% nos últimos dias e o fortalecimento da moeda americana pressionou os contratos de café na Bolsa de Nova York. O dólar mais forte tende a estimular a exportação de café por produtores brasileiros, aumentando a oferta da commodity e pressionando os preços. O contrato de café arábica para mai/17 fechou a US$ 128,15 queda de 1,35% e set/17 fechou a US$ 133,10 queda de 1,26%.

Algodão

O dólar já acumula alta de 2% nos últimos dias e o fortalecimento da moeda americana pressionou os contratos de café na Bolsa de Nova York. O dólar mais forte tende a estimular a exportação de café por produtores brasileiros, aumentando a oferta da commodity e pressionando os preços. O contrato de café arábica para mai/17 fechou a US$ 128,15 queda de 1,35% e set/17 fechou a US$ 133,10 queda de 1,26%.

O algodão teve leve queda ontem pelas notícias de alta na produção mundial da pluma. Os EUA, maior exportador de algodão, terá um aumento de 21% na área plantada e a Índia, maior produtor mundial, um aumento de 7%. A previsão é que a Índia colha 5,9 milhões de toneladas de pluma na safra 2017/18, alta de 2% em comparação a safra anterior. O contrato de algodão para mai/17 fechou a US$ 80,69 queda de 0,22% e jul/17 a US$ 79,39 alta de 0,04%. No mercado interno o preço médio pago ao produtor na Bahia fechou a R$ 89,28 a @.

Equipe:
Pedro Esberard Barbirato Rosa
pedro.rosa@modal.com.br

Katharyne Amorim Caiaffa
katharyne.caiaffa@modal.com.br

Rio de Janeiro 55 21 3223 7890 | 7934
São Paulo 55 11 2106 6880
www.modal.com.br

Fonte:
http://www.valor.com.br/agro/4950186/commodities-agricolas
http://www.valor.com.br/agro/4950188/preco-do-acucar-recua-mesmo-diante-de-previsao-de-menor-oferta-no-centro-sul
http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/exportacao-de-soja-em-grao-deve-render-us-235-bi-157802

1) Este documento é fornecido exclusivamente a título informativo e não deve ser considerado uma recomendação, sugestão de estratégia de investimento e/ou análise de valores mobiliários. Rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras. O Banco Modal S.A. ou quaisquer das empresas que compõem o Grupo Modal (conforme definição legal) não expressam qualquer forma de garantia, implícita ou explícita, através do presente material.

2) Este material não leva em consideração objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas dos Investidores, que devem procurar aconselhamento financeiro destinado às suas necessidades antes de tomar qualquer decisão de investimento com base em informações contidas neste material. O material, inclusive, não representa o oferecimento de produtos, visto que tal oferta só pode ser feita mediante identificação do perfil de risco do cliente.

3) O presente material não representa a opinião do Banco Modal S/A bem como das demais empresas do Grupo Modal e seu conteúdo é de inteira responsabilidade dos responsáveis pela sua elaboração e das respectivas fontes utilizadas.

4) Esta comunicação deve ser lida apenas pelo seu destinatário e não pode ser retransmitida sem autorização formal. Caso recebida indevidamente, por favor destrua-a. Qualquer reprodução, disseminação, alteração, distribuição e/ou publicação deste e-mail é estritamente proibida.

Ouvidoria 0800 283 0077