AÇÚCAR E ETANOL

O Seminário Internacional de Açúcar será realizado dia 7 de novembro em São Paulo e irá contar com os mais influentes e importantes produtores e exportadores de açúcar no Mundo: Brasil, Índia, Tailândia e UE. O seminário visa avaliar o comportamento futuro da commodity nos mercados e o déficit mundial previsto para as próximas safras. Investidores estão atentos no fim da safra brasileira de cana, começo da safra indiana e como será a recomposição dos estoques dos maiores países consumidores, China e Índia, e com isso o açúcar fecha o pregão com o terceiro dia seguido de alta. O vencimento mar/17 fechou a US$23,78 alta de 34 pontos. No mercado interno o açúcar cristal em SP fechou R$ 91,52 a saca de 50kg, alta de 1,69%.

O presidente do Fórum Nacional Sucroenérgético, André Rocha, esteve com o Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, na missão a Ásia nesse mês e além de participar da rodada de negócios teve a oportunidade de fazer apresentações sobre a realidade do setor sucroenergético. André comenta sobre o setor de etanol: “Há um grande interesse indiano na mistura do etanol na gasolina. O país, maior consumidor de açúcar no mundo, importa muita gasolina e isso pesa na balança comercial. Existem cidades com alto nível de poluição, mas no país só é permitida a fabricação pequena de etanol, através do uso residual do melaço. São 715 usinas e 40 milhões de fornecedores de cana, sendo que o país é o 2º produtor de cana e 2º produtor de açúcar”. Sobre o setor de açúcar André comenta: “Temos uma grande oportunidade de estreitar parcerias com vários países da Ásia para fornecimento de tecnologia, variedades de cana, colheitadeiras e também chances reais de negócios para a indústria de base brasileira e, sobretudo, o desenvolvimento de um programa de etanol, que ajudará o biocombustível a ser uma Commodity Global, viabilizando inclusive a sua exportação”. A Missão a Ásia tem perspectiva de trazer US$ 1,5 bilhão até US$ 2 bilhões ao ano começando em 2017, sendo US$ 900 milhões em exportações do agronegócio.

GRÃOS

O Presidente Michel Temer sancionou ontem a lei que renegocia e dá descontos a dívidas rurais de agricultores na região Norte e Nordeste atingidos por estiagens e intempéries nos últimos anos. Os descontos valerão para os produtores que contraíram dívidas até dez/11 com o Banco da Amazônia e o Banco do Nordeste. O município de Sorriso lidera em área plantada de soja e milho no Brasil e é o segundo maior município brasileiro em termos de valor de produção R$ 2,491 bilhões. O primeiro maior município em valor de produção é São Desidério, na Bahia, que lidera a produção de algodão. Mato Grosso lidera de modo geral o valor da produção nacional de algodão, atingindo R$4,367 bilhões, com a Bahia em segundo atingindo R$ 2,507 bilhões. Em estudo realizado pelo Mosaic Fertilizantes e a Universidade Federal de Santa Maria revela que os fertilizantes com alto teor de enxofre beneficiam o cultivo de soja. O estudo durou quatro anos e mostra que as área que tiveram o fertilizante com nitrogênio, fósforo e enxofre renderam 4 sacas a mais de média do que as outras áreas, atingindo 57scas/hc. Ontem na Bolsa de Chicago a oleaginosa volou a cair com investidores atentos a safra americana. Os contratos jan/17 fecharam a US$ 9,52 o bushel, queda de 6,75 centavos. No mercado interno a soja no Paraná ficou em R$ 74,99 a saca de 60 kg, queda de 0,11%.

Estudo divulgado pelo Imea informa que MT colheu 18,904 milhões de toneladas de milho na 2ª safra 2015/16 ante 26,199 milhões de toneladas na passada. A produtividade caiu de 108,6 sacas para 74,2 sacas por hectar, queda de 28,4% devido a seca na região. O Insituto calcula que com a quebra de safra cerca de R$ 2,4 bi tenham deixado de circular no estado. Mato Grosso do Sul também teve queda na sua produção de safrinha (2ª safra de milho) produzindo pouco mais de 6 milhões de toneladas, ante 9,165 estimados no início da safra. Em relação aos 1,740 milhões de hectares plantados, houve 8,8% de perda com produtividade média de 58 scas/hc. A Câmara de Comércio Exterior (Camex) prorrogou ontem em reunião por mais 90 dias a isenção do imposto para importação de milho. A medida visa conter os elevados preços da commodity no mercado interno, ajudando os produtores de aves e suínos que tem o cereal na sua base de ração e viram o preço explodir esse ano com a escassez da commodity no mercado interno.

CAFÉ

A forte seca que afetou as lavouras de café robusta no ES fez o preço da commodity chegar a patamares recordes no país. As torrefadoras estão com dificuldade em encontrar o café para os seus blends. A cotação do robusta já chega a valores próximos do café arábica, espécie mais valorizada no mercado. O preço do robusta era entre 15-20% mais barato que o arábica, atualmente seus valores estão praticamente iguais. A safra 2016/17 de café robusta no Brasil chegou a 8,35 milhões de sacas, 25,3% abaixo da safra passada. Só o estado do ES viu sua colheita recuar para 5,380 milhões de sacas, 30,7% abaixo da safra passada. A escassez do robusta no mercado fez as torrefadoras mudaram seus blends, que antes eram 50% arábica e 50% robusta, chega hoje a 80-90% de arábica pela falta de robusta no mercado.. A expectativa é que as cotações de arábica e robusta continuem se valorizando, com uma perspectiva de uma nova safra pequena de café robusta no ES. No momento o ES enfrenta um racionamento de água, inclusive nas regiões produtoras de café e muitas feitas com irrigação. A previsão de clima seco para a temporada e baixos estoques sustentam a alta da commodity.

Fonte
http://www.valor.com.br//agro/4729009/preco-do-cafe-conilon-bate-recordes-e-acirra-disputa-na-industria
http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/cerca-de-r-24-bi-podem-ter-deixado-de-circular-em-mato-grosso-com-quebra-no-milho-150316
https://www.agrolink.com.br/noticias/ms–fatores-climaticos-derrubaram-producao-estadual-de-milho-em-30-_362592.html
http://www.valor.com.br//agro/4729005/commodities-agricolas
http://www.valor.com.br/agro/4728862/camex-prorroga-isencao-de-imposto-de-importacao-para-o-milho
http://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2016/09/temer-sanciona-lei-que-renegocia-divida-de-produtor-atingido-pela-seca.html
http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/sorriso-mt-atinge-r-25-bi-e-se-destaca-como-2-municipio-em-termos-de-valor-da-producao-do-pais-150314
https://www.agrolink.com.br/noticias/fertilizantes-com-alto-teor-de-enxofre-beneficiam-o-cultivo-da-soja_362589.html
https://www.agrolink.com.br/noticias/seminario-internacional-do-acucar-2016-reunira-os-maiores-especialistas-mundiais-desse-mercado_362572.html

1) Este documento é fornecido exclusivamente a título informativo e não deve ser considerado uma recomendação, sugestão de estratégia de investimento e/ou análise de valores mobiliários. Rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras. O Banco Modal S.A. ou quaisquer das empresas que compõem o Grupo Modal (conforme definição legal) não expressam qualquer forma de garantia, implícita ou explícita, através do presente material.

2) Este material não leva em consideração objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas dos Investidores, que devem procurar aconselhamento financeiro destinado às suas necessidades antes de tomar qualquer decisão de investimento com base em informações contidas neste material. O material, inclusive, não representa o oferecimento de produtos, visto que tal oferta só pode ser feita mediante identificação do perfil de risco do cliente.

3) O presente material não representa a opinião do Banco Modal S/A bem como das demais empresas do Grupo Modal e seu conteúdo é de inteira responsabilidade dos responsáveis pela sua elaboração e das respectivas fontes utilizadas.

4) Esta comunicação deve ser lida apenas pelo seu destinatário e não pode ser retransmitida sem autorização formal. Caso recebida indevidamente, por favor destrua-a. Qualquer reprodução, disseminação, alteração, distribuição e/ou publicação deste e-mail é estritamente proibida.

Ouvidoria 0800 283 0077