AÇÚCAR E ETANOL

A Organização Mundial do Açúcar (OIA) estimou um déficit global de açúcar na atual temporada e na próxima de 2016/17. Na temporada 2015/16 foi estimado um déficit de 5,74 milhões de toneladas, enquanto na próxima um déficit de 7,05 milhões de toneladas. Na primeira quinzena de agosto observamos uma queda na moagem de cana, motivado pela baixa produtividade das lavouras e a ocorrência de chuvas. Com as altas cotações do açúcar, a produção da commodity na primeira quinzena ficou em 2,97 milhões de toneladas, alta de 3% comparado ao mesmo período do ano passado, porém menor que os 2,06 milhões de toneladas produzidos na segunda quinzena de julho. A produção de etanol caiu fortemente na primeira semana, acumulando uma queda de 12%, com as lavouras priorizando a produção da commodity.

GRÃOS

http://www.valor.com.br/sites/default/files/gn/16/08/arte31agr-401-e-soja-b10.jpg
Segundo avaliação do Emater/RS, a safra de soja do Rio Grande do Sul, terceiro maior produtor de soja no país, deverá cair 2,1% ma próxima temporada 2016/17. O motivo será a redução de produtividade, que é esperada em 2.869 kg por hectar, queda de 3,5% comparado ao ano passado, com o aumento da área plantada não sendo suficiente para frear a queda. A previsão é de um volume de 15,85 milhões de toneladas em 2016/17 ante 16,19 milhões de toneladas em 2015/16. Segundo avaliação do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) o agronegócio brasileiro deverá continuar a crescer pelo menos nos próximos cinco anos, motivado pela demanda aquecida da China, melhoria na logística e movimentos financeiros favoráveis ao setor. A produção de soja no país já saltou de 58 milhões de toneldas na safra 2006-2007 para 95 milhões de toneladas na safra atual, só nesse período no Mato Grosso a produção cresceu 88%. Ontem na Bolsa de Chicago os contratos permaneceram em queda com a perspectiva de safra recorde americana. Os contratos para nov/16 fecharam a US$ 9,5075 o bushel, queda de 13,5 centavos.

CAFÉ

http://www.valor.com.br/sites/default/files/gn/16/08/arte31agr-101-e-cafe-b10.jpg
Mesmo após o El Niño, a Colômbia estima uma produção de 14,5 milhões de sacas de café de 60kg, 1,5 milhão de sacas acima do previsto no primeiro semestre. O Climate Institute divulgou nessa segunda-feira relatório que indica ameaças ao café pelas mudanças climáticas ao redor do Mundo. A estimativa é de queda de 50% da área de produção do grão até 2050, em cerca de 70 países produtores, incluindo o Brasil. Segundo a Procafé, tudo indica que a produção de café no Brasil para a próxima safra ficará abaixo da safra 2016/17. O clima já impactou fortemente a safra atual com irregularidades nos últimos meses, com chuvas fortes no início do ano, estresse hídrico em abril e clima frio e chuvoso no inverno. As incertezas sobre a próxima safra brasileira, maior produtor de café do Mundo, impulsionou a alta ontem na Bolsa de NY. Com os contratos dez/16 fechando a US$ 1,4605 a libra-peso, alta de 95 pontos. No mercado interno a saca de 60kg de café arábica ficou em R$489,21, alta de 1,24%.

ALGODÃO

O Projeto Cotto-4 + Togo foi desenvolvido no Brasil pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC) junto com a Embrapa e tem como objetivo ajudar cinco países africanos a desenvolver o setor algodoeiro na região, aumentando a produtividade, a densidade gentética e a qualidade do produto cultivado. O projeto teve início em 2010 e já foram alcançados resultados substanciais, com a implantação de laboratórios para criar inimigos naturais contra as pragas na planta do algodão. Nessa segunda fase do projeto 18 pesquisadores do Brasil estão fortalecendo a tecnologia na região e difundindo boas prtáticas agrícolas para o algodão nesses países.

Fontes:
https://www.jornalcana.com.br/oia-preve-deficit-de-acucar-no-mundo-maior-na-temporada-201617/
http://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2016/08/producao-de-etanol-cai-12-na-1-quinzena-de-agosto.html
http://www.valor.com.br/agro/4693519/usinas-privilegiam-producao-de-acucar
https://www.agrolink.com.br/noticias/colheita-de-soja-do-rs-deve-cair-em-2016-17-apos-recorde_360751.html
http://revistagloborural.globo.com/Noticias/Agricultura/noticia/2016/08/agro-deve-crescer-pelo-menos-mais-cinco-anos-avalia-imea.html
https://www.agrolink.com.br/noticias/brasil-capacita-paises-africanos-para-o-cultivo-do-algodao-em-sistema-de-plantio-direto_360746.html
http://www.abic.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=59&infoid=5735
http://www.abic.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=59&infoid=5733
http://www.valor.com.br/agro/4693285/colheita-de-cafe-na-regiao-da-cooxupe-esta-na-reta-final
http://www.valor.com.br/agro/4693509/commodities-agricolas

1) Este documento é fornecido exclusivamente a título informativo e não deve ser considerado uma recomendação, sugestão de estratégia de investimento e/ou análise de valores mobiliários. Rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras. O Banco Modal S.A. ou quaisquer das empresas que compõem o Grupo Modal (conforme definição legal) não expressam qualquer forma de garantia, implícita ou explícita, através do presente material.

2) Este material não leva em consideração objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas dos Investidores, que devem procurar aconselhamento financeiro destinado às suas necessidades antes de tomar qualquer decisão de investimento com base em informações contidas neste material. O material, inclusive, não representa o oferecimento de produtos, visto que tal oferta só pode ser feita mediante identificação do perfil de risco do cliente.

3) O presente material não representa a opinião do Banco Modal S/A bem como das demais empresas do Grupo Modal e seu conteúdo é de inteira responsabilidade dos responsáveis pela sua elaboração e das respectivas fontes utilizadas.

4) Esta comunicação deve ser lida apenas pelo seu destinatário e não pode ser retransmitida sem autorização formal. Caso recebida indevidamente, por favor destrua-a. Qualquer reprodução, disseminação, alteração, distribuição e/ou publicação deste e-mail é estritamente proibida.

Ouvidoria 0800 283 0077