Azul e Correios criam empresa de solução de logística integrada

A nova empresa oferecerá ao mercado o serviço de gestão de logística integrada para transporte de cargas relacionado ao comércio eletrônico. A operação começa a partir das demandas dos Correios e da Azul, movimentando aproximadamente 100 mil toneladas de cargas por ano. Com isso, ambas as companhias terão economia de custo, eficiência operacional e ganho de receita, melhorando a oferta deste serviço para o consumidor. A Azul será a controladora da nova empresa com participação de 50,01% e o início das atividades está previsto para o primeiro semestre de 2018.

Acionistas da Gafisa aprovam aumento de capital

Finalmente foi aprovado ontem o aumento do capital social da Gafisa de até R$ 300 milhões, com a possibilidade de homologação parcial de, no mínimo, R$ 200 milhões. O aumento de capital, em conjunto com a postergação de vencimentos de dívidas da Companhia, informada ao mercado esta semana, está inserido nos planos da Gafisa de reforçar a disponibilidade de caixa, fortalecer sua estrutura de capital face ao seu atual nível de endividamento, e viabilizar o posicionamento estratégico e operacional da Companhia nesse novo ciclo do mercado imobiliário. A conferir.

Leilão A-6 viabiliza contratação de 3,8 GW

O leilão A-6 terminou nesta quarta-feira, 20 de dezembro, com a contratação de energia de 63 novos empreendimentos de geração, representando 3.841 MW potência (2.930 MW médios), cujos investimentos estão estimados em R$ 13,9 bilhões. A fonte eólica viabilizou 49 usinas (1.386 MW), além de 6 PCHs (139 MW), 6 biomassa (177,05 MW) e duas térmicas a gás (2.138 MW). O preço médio final do leilão R$ 189,45/MWh, deságio médio de 38,7%, representando uma economia de R$ 68,4 bilhões para os consumidores de energia, considerando os prazos dos contratos. Não houve contratação de usinas térmicas a carvão. Notícia positiva para o setor e para o País.

Petrobras: Plano de Negócios e Gestão 2018-2022

A companhia definiu que o Plano de Negócios e Gestão 2018-2022 tem como foco a segurança e a redução da alavancagem financeira. A métrica de segurança considera a Taxa de Acidentados Registráveis (TAR), que é uma métrica amplamente utilizada na indústria de petróleo e gás. O limite da TAR para o ano de 2018 foi alterado de 1,4 para 1,0 em função da implantação do Programa Compromisso com a Vida em 2017, que teve 100% das suas ações concluídas. O indicador financeiro continua sendo o Dívida Líquida/EBITDA ajustado, com a meta de 2,5 em dezembro de 2018. O objetivo é que o indicador seja declinante e convergente, até 2022, com a média mundial das principais empresas do setor. A carteira de investimentos do PNG 2018-2022 mantém o mesmo nível de investimentos em relação ao PNG 2017-2021 e continua priorizando os projetos de exploração e produção de petróleo no Brasil. Em relação aos custos operacionais, a companhia continua com esforços de redução, prevendo um montante de US$ 136,8 bilhões de gastos operacionais gerenciáveis no PNG 2018-2022. O programa de parcerias e desinvestimentos é uma parte importante do Plano e sua realização atingiu o valor de US$ 13,6 bilhões no biênio 2015-2016, já para o biênio 2017-2018 a meta é de US$ 21 bilhões.