BRADESCO

O Bradesco obteve lucro contábil de R$ 4,467 bilhões no 1T18, o qual desconsiderado eventos extraordinários, como principalmente a amortização de ágio, atingiu R$ 5,102 bilhões. O banco explica que o desempenho do trimestre resultou da boa performance das receitas de prestação de serviços e ainda das despesas operacionais, que incluem gastos com pessoal e também administrativos. O Bradesco reiterou suas projeções divulgadas antes.

ESTACIO PART

O resultado líquido alcançou R$ 197,3 milhões, 62% superior ao 1T17. A receita líquida cresceu 14,2% e o resultado da atividade teve evolução positiva de 67,1%. O resultado financeiro líquido negativo caiu 30,4%.

KLABIN S/A

Em tradicional trimestre de paradas para manutenção na Unidade Puma, o volume de vendas de celulose foi 4% maior que volume do 1T17. A receita líquida teve crescimento de 17% na comparação com o 1T17. O melhor cenário de preços no mercado doméstico e também nos mercados de exportação influenciou positivamente a receita de todos os produtos, e a receita líquida de vendas, incluindo madeira, atingiu R$ 2.189 milhões nos três primeiros meses de 2018. Com melhores preços internacionais e com a flexibilidade da linha de produtos, a receita de vendas de kraftliner cresceu 29% no 1T18. A Klabin fechou o trimestre com lucro de R$ 125 milhões, 79% menor do que os R$ 602 milhões obtidos no 1T17.

MULTIPLAN

A receita bruta atingiu R$ 321,4 milhões no 1T18, impulsionada pelo crescimento de 9,8% na receita de estacionamento, que somou R$ 50,3 milhões e pelo aumento de 5,3% na receita de locação, que totalizou R$ 240,6 milhões no período. O lucro líquido de R$ 98 milhões, cresceu 80,8% no 1T18 vs 1T17, e a margem líquida atingiu 33,6%.

ODONTOPREV

No primeiro trimestre destacaram-se: a adição de 29 mil vidas, a expansão de margem Ebitda para 28,7% e o caixa líquido de R$ 522 milhões, sem dívida. A receita líquida consolidada cresceu 5,4% no 1T18, com destaque para os segmentos massificados, cuja receita subiu 10,8% na comparação anual. O tíquete médio consolidado de R$20,53 foi 5,6% superior ao 1T17. O lucro líquido foi de R$ 82 milhões, 18,9% superior ao observado no 1T17

VALE

No 1T18 a receita operacional líquida da Vale chegou a US$ 8,603 bilhões e o lucro líquido foi de US$ 1,590 bilhão. A flexibilidade da cadeia de valor da Vale levou ao recorde de volumes de vendas de minério de ferro e pelotas para um primeiro trimestre, apesar do desafio de uma menor produção sazonal. Consequentemente, o Ebitda ajustado foi de US$ 3,971 bilhões no 1T18, permanecendo praticamente em linha em relação ao 4T17 e a alavancagem diminuiu para 1,0x o Ebitda anualizado.O projeto S11D alcançou 95% de avanço físico consolidado, com a conclusão da mina e 91% de avanço na logística.