CARREFOUR BR:

comunicou que como parte do plano de transformação do Grupo Carrefour Global, anunciado na França, o Grupo planeja acelerar a expansão do modelo de lojas atacarejo, com abertura de 20 novas lojas do Atacadão por ano a partir de 2018, incluindo a conversão de 5 hipermercados em 2018. O Carrefour Brasil disse que as informações completas referente ao seu plano de investimento 2018 serão divulgadas na ocasião da divulgação do Balanço Anual que está agendado para dia 27 de fevereiro 2018.

CIA HERING anuncia desempenho operacional em 2017

A receita bruta da rede varejista avançou 5,3% em relação ao ano anterior, totalizando R$ 1,841 bilhões, impulsionada pelo desempenho das lojas operadas pela Companhia e o crescimento de dois dígitos do e-commerce. As vendas da Hering Store, que compreendem as vendas a consumidores finais de lojas próprias e franquias, totalizaram R$ 1,423 bilhão, 0,9% inferior a verificada em 2016, enquanto que as vendas base mesmas-lojas caíram 0,7% no mesmo período. Números modestos.

Energias do Brasil divulga dados do 4T17

As entregas totais de energia da Energias do Brasil, no segmento de distribuição, aumentaram 3% no 4T17, sendo +3,6% na EDP são Paulo e 2% na EDP Espírito Santo. Para a classe industrial, a mais importante no mix de produtos, o crescimento foi de 2,9%. O destaque foi a classe rural, com acréscimo de 10,8%. Na área de geração, tivemos queda de 1,2%, devido a diferenças de sazonalização entre 2016 e 2017. Notícia positiva.

HELBOR anuncia prévia do desempenho operacional de 2017

A Helbor anunciou um aumento de 28,6% nas vendas contratadas de 2017 que atingiram R$ 1,145 bilhão, sendo que as vendas contratadas, de R$ 338,3 milhões, no quarto trimestre foram as melhores do ano. No acumulado do ano, os lançamentos totalizaram R$ 795,2 milhões em VGV total, dos quais R$ 407,3 milhões no 4T17 referente ao lançamento de três empreendimentos, totalizando seis lançamentos em 2017. O VGV lançado do ano teve um aumento de 182,8% em relação a 2016 e o desempenho do quarto trimestre demonstra confiança em 2018.

PETROBRAS:

após a S&P Global Ratings manter a classificação de risco da dívida corporativa da Petrobras em BB-, com perspectiva estável, foi a vez da Fitch Ratings, reafirmar o rating da dívida corporativa da companhia em BB, com perspectiva negativa. Assim como a S&P, a Fitch considera que o nível de risco da Petrobras segue correlacionado com o risco soberano devido ao controle acionário exercido pela União Federal. Como falamos antes, ter o risco limitado ao risco do Brasil é uma boa notícia para a estatal, que já passou por momentos piores.