Aneel mantem multa de R$ 137 milhões para Copel e State Grid

A diretoria da Aneel manteve sua decisão de executar as garantias financeiras das concessionárias Matrinchã e Guaraciaba, após tentativa das empresas de reverter a decisão tomada pela agência reguladora em agosto de 2016. A penalidade ocorreu em razão do atraso de 32 meses na entrada em operação de empreendimentos de transmissão. Somadas as garantias, o valor chega a R$ 137 milhões. Notícia negativa para Copel.

Banrisul divulga prévia para 2017

Divulgou as metas para 2017, prevendo-se um avanço de 3% a 7% na carteira de crédito total, as despesas de provisão/carteira de crédito avançando entre 4,5% e 5,5%, a captação total aumentando entre 10% e 14% e a margem financeira líquida sobre ativos rentáveis tendo crescimento de 7,5% a 8,5%.

Entregas de energia da Copel caem 0,4% no 4T16

A Copel Distribuidora apresentou retração de 0,4% nas vendas de energia durante o 4T16, a Copel GT teve queda de 0,5% e os complexos eólicos ficaram estáveis, na mesma base de comparação. No mercado cativo (Copel D), a redução de vendas foi de 13,4% e no mercado livre tivemos -2%. Quanto ao fornecimento de energia elétrica, que engloba vendas da Copel D e Copel GT para consumidores finais, houve queda de 6,4%. O destaque positivo e que levou as vendas totais para número próximo da estabilidade foi o mercado de curto prazo, com acréscimos de 155% na Copel D e de 11,1% na Copel GT. Notícia negativa para a empresa.

Klabin

O Conselho de Administração aprovou a rerratificação do programa de recompra de ações de emissão da Klabin. A quantidade de ações objeto do programa e o prazo da recompra não foram revelados. Apenas sabe-se que deve ser equivalente a menos de 10% das 3.047.573.990 ações em circulação, em 30/03/2016, data base do referido programa de recompra de ações.

Metalúrgica Gerdau

A partir de hoje pagará R$ 17 milhões em juros de sua 5ª Emissão de Debêntures Conversíveis em Ações. O PU é de R$ 5,72494600.

Petrobras esclarece notícias

Sobre notícias veiculadas no jornal Valor Econômico, sobre possível revisão, entre Petrobras e Odebrecht, no acordo de acionistas no controle da Braskem, a Petrobras informa que é imperativo rever condições do acordo para que possa vender sua participação na Braskem e que a conclusão do acordo de leniência permite que a petroleira comece a preparar a venda do ativo.