Arezzo aprova plano de recompra de ações

A quantidade a ser adquirida é de até 3.846.985 ações ordinárias, representativas de 4,33% do total das ações em circulação na data de hoje. As aquisições poderão ser realizadas pelo prazo de até 18 meses, contados a partir de hoje (28/03/2017). As ações adquiridas serão mantidas em tesouraria para cancelamento.

Gol aumenta número de assentos dos Boeings 737 MAX-8 e 737-800 NG

A aérea anunciou hoje a utilização de novas tecnologias de cabine e assentos para configurar a sua frota de novas aeronaves 737 MAX-8 e aeronaves Boeing 737-800 Next Generation. Com isso, aumentou o número de assentos em 5%, dos atuais 177 para 186 assentos. A nova configuração estará concluída até julho de 2018 e manterá os espaços GOL+Conforto em toda a frota da Companhia, que possuem distância de 34 polegadas de pitch (espaço entre poltronas de 86,3cm) e reclinação do encosto 50% maior, além de classe GOL Premium em todos os voos internacionais. Notícia positiva.

Siderúrgica Nacional não vai publicar o balanço de 2016 no prazo legal

A medida é necessária em função da revisão do tratamento contábil da combinação de negócios das atividades de mineração e logística correlata ocorrida em novembro de 2015 e que ainda estão em trabalho de revisão pelos auditores externos. A revisão vai impactar as demonstrações financeiras do exercício social de 2015 e os saldos de abertura das demonstrações financeiras do exercício social de 2016. A CSN antecipou alguns dados de 2016.

Vale conclui transação de equity de carvão com Mitsui

A Vale concluiu a transação de equity com a Mitsui & Co., Ltd. relacionada ao desinvestimento de parte de sua participação na mina de carvão de Moatize e no
Corredor Logístico de Nacala. A mineradora recebeu ontem US$ 733 milhões de um total de US$ 770 milhões relacionados à transação. O restante será pago pela Mitsui na conclusão do Project Finance. Notícia positiva.

ALIANSCE

Reportou lucro líquido de R$ 4,0 milhões em 2016 (ante R$ 145,4 milhões em 2015) e de R$ 1,9 milhões no 4T16 (ante R$ 17,0 milhões no 4T15). A receita líquida foi de R$ 545,0 milhões em 2016 (+2,1% sobre o 12M15) e de R$ 154,6 milhões no último trimestre de 2016 (+0,7% em relação ao 4T15).

BR BROKERS

Apresentou prejuízo de R$ 134,1 milhões em 2016 (ante prejuízo de R$ 91,1 milhões no ano anterior) e também prejuízo de R$ 96,3 milhões no 4T16 (ante prejuízo de R$ 67,4 milhões no 4T15). A receita líquida foi de R$ 110,2 milhões em 2016 (ante R$ 166,3 milhões no ano anterior) e de R$ 24,3 milhões no 4T16 (ante R$ 26,5 milhões no 4T15).

ELETROBRAS

Após três anos de prejuízos, a companhia encerrou 2016 com lucro líquido de R$ 3.425,9 milhões, contra prejuízo de R$ 14.441,6 milhões em 2015. O resultado foi favorecido pelo reconhecimento do RBSE, com impacto líquido no resultado da ordem de R$ 18.876 milhões. A receita líquida teve acréscimo de 86,4% e o resultado da atividade teve reversão, de negativo em R$ 13.076 milhões em 2015 para positivo em R$ 14.839,3 milhões em 2016. O resultado financeiro líquido negativo cresceu 249%, compensando parte da recuperação operacional.

IMC HOLDINGS

Apurou prejuízo líquido de R$ 76,4 milhões em 2016 (ante prejuízo de R$ 98,9 milhões no ano anterior) e prejuízo de R$ 65,1 no 4T16 (ante prejuízo de R$ 69,6 milhões no 4T15). A receita líquida foi de R$ 1,5 bilhão em 2016 (-4,6% em relação ao 12M15) e de R$ 363,2 milhões no 4T16 (-11,5% sobre o mesmo período de 2015). A queda na receita deve-se ao fechamento líquido de 20 lojas, reduzindo as vendas.

IOCHPE MAXION

A Iochpe-Maxion é uma empresa global, opera com 32 unidades fabris, localizadas em 14 países. Logo, as receitas externas são preponderantes no seu desempenho. A receita líquida consolidada somou R$ 6.8 bilhões em 2016, queda de apenas 0,4%. As vendas domésticas atingiram R$ 1,4 bilhão, equivalente a 20,5% do total da receita, com aumento de 3,7%. As vendas internacionais atingiram R$ 5,4 bilhões (US$ 1,5 bilhão), uma queda de 1,4%, em boa medida decorrente da apreciação cambial, bem como pela queda de produção no mercado do Bloco NAFTA. A empresa alongou o perfil de sua dívida e reforçou o capital em março de 2017, porém 2016 ainda foi impactado pelo elevado custo financeiro, a apreciação cambial nas vendas externas e um mercado interno desaquecido. A Iochpe obteve lucro de R$ 16,8 milhões no 4T16 e de R$ 21,5 milhões em 2016, contra prejuízo de R$ 16,6 milhões no 4T15 e queda de 56,4% em relação ao lucro de R$ 49,4 milhões em 2015.

PETRORIO

Recuperou no segundo semestre de 2016 grande parte do resultado e fechou o ano com um Ebitda de R$ 329 milhões e lucro líquido de R$ 242 milhões (R$ 110,4 milhões em 2015). Diante do cenário de volatilidade e baixa nos preços do petróleo ano contra ano, a Petrorio reagiu com contínua redução de custos e registrou o menor custo histórico de operação para o campo de Polvo, 16% menor do que o incorrido em 2015,

SABESP

A recuperação observada em 2016 foi conseqüência do arrefecimento da crise hídrica, que permitiu a retirada de descontos nas tarifas e de diversos custos vinculados à situação excepcional que a empresa vivenciou nos anos anteriores, devido à seca. O lucro líquido chegou a R$ 2.947 milhões vs R$ 536,3 milhões em 2015. A receita líquida cresceu 20,4% e o resultado da atividade 12,7%. O resultado financeiro líquido reverteu, de negativo em R$ 2.852,5 milhões em 2015 para positivo em R$ 699,4 milhões em 2016, devido a efeitos cambiais.

SIDERÚRGICA NACIONAL

O patrimônio líquido da CSN, da ordem de R$ 8 bilhões em 30/09/2016, certamente será alterado em função da revisão do tratamento contábil da combinação de negócios das atividades de mineração e logística correlata ocorrida em novembro de 2015. Mas alguns dados do ano de 2016 não serão alterados e por esta razão a CSN os antecipou hoje. As vendas de minério de ferro, por exemplo, saltaram de 25.669 toneladas em 2015 para 36.983 toneladas em 2016 e a receita líquida cresceu 12% para R$ 17,149 bilhões. O Ebitda ajustado, que inclui a participação proporcional do Ebitda das controladas em conjunto MRS Logística e CBSI, avançou 25%, principalmente pela expansão do Ebitda da atividade de mineração. A dívida líquida, também ajustada pela dívida das controladas citadas acima, caiu apenas 2%, mas a expansão do Ebitda proporcionou queda do indicador dívida líquida/Ebitda ajustado de 8,2x em dez.2015 para 6,3x em dez.2016.