Curtas Empresas

Cetip vai pagar R$ 28,815 milhões em JCP

O Conselho de Administração aprovou a distribuição de JCP relativo ao 3º trimestre de 2016. Serão pagos R$ 0,0941665510/ação ON, líquido de imposto de renda. A partir de 28 de setembro de 2016, as ações da Cetip serão negociadas ex-JCP.

Itaú Unibanco

Após os jornais noticiarem que o Itaú estaria cada vez mais próximo de comprar a operação de varejo do Citibank, o banco confirmou tais rumores ontem a noite. Esclareceu que vem mantendo discussões com o Grupo Citibank sobre este assunto mas que, “até o presente momento, não houve qualquer transação ou contrato de compra e venda firmado com o Grupo Citibank”.

Lojas Renner pagará R$ 44,835 milhões em JCP

O Conselho de Administração aprovou a distribuição de JCP no valor de R$ 0,06981/ação ON, bruto de imposto de renda. O pagamento será efetuado até 10 dias após a Assembleia Geral Ordinária de 2017. A partir de 27 de setembro de 2016, as ações da Lojas Renner serão negociadas ex-JCP.

Multiplan vai recomprar até 10% de suas ações em circulação

Em reunião realizada hoje, o Conselho de Administração aprovou o novo programa de recompra de ações de emissão da Multiplan. Poderão ser adquiridas, até 18 de março de 2018, até 2.500.000 ações ordinárias, o equivalente a 10% do total de ações em circulação. O Programa tem por objetivo aplicar recursos disponíveis da Companhia e as ações adquiridas poderão atender exercícios de opções de compra de ações da Multiplan.

RaiaDrogasil vai pagar JCP

Em reunião extraordinária o Conselho de Administração deliberou pela distribuição de Juros sobre Capital Próprio que serão pagos até o dia 30/05/2017. O valor bruto a ser pago por ação é de R$ 0,149391088 e não sofrerá nenhuma atualização monetária. A partir de 27 de setembro de 2016, as ações da RaiaDrogasil serão negociadas ex-JCP.

Samarco

O governo do Estado de Minas Gerais publicou ontem um decreto permitindo à Samarco construir um novo dique (S4) em Bento Rodrigues. A medida visa a impedir que a lama de rejeitos que está no local volte a atingir a bacia do Rio Doce durante o período de chuvas. A obra é tida como essencial pela Samarco e por órgãos ambientais para evitar carreamento de rejeitos de mineração da Barragem de Fundo e outros problemas no período chuvoso. Como parte da cidade de Mariana precisa ser alagada para execução da obra, é possível que haja muita polêmica sobre o assunto.