Curtas Empresas

Eletrobras: novo valor de mercado aprovado para a Celg D
O Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos aprovou novas condições mínimas e novo preço para alienação pela Eletrobras das ações representativas da sua participação acionária no capital social da Celg Distribuição S.A.. O novo valor de mercado é de R$ 4,448 bilhões. Entretanto, considerando as dívidas e outras obrigações no montante de R$ 2,656 bilhões, na data base de junho de 2016, o valor líquido referente à totalidade das ações da Celg D é de R$ 1,792 bilhão. No processo de desestatização, a Eletrobras pretende alienar a totalidade de sua participação na Celg D, equivalente a 50,93% do capital social.

Eletrobras: os jornais de hoje noticiam que o Ibama determinou a paralisação imediata das atividades de um complexo de usinas térmicas a carvão da Eletrobrás no Rio Grande do Sul e multou a Companhia em mais de R$ 75 milhões. Ao que parece a ordem dada pelo Ibama atinge o maior projeto de geração a carvão da Eletrobrás CGTEE, a usina termoelétrica Presidente Médici (Candiota II). Além do lançamento de materiais tóxicos no meio ambiente acima do limite estabelecido, o Ibama teria registrado índices de emissões atmosféricas fora dos padrões estabelecidos e falta de apresentação de relatórios de monitoramento obrigatórios. A notícia é negativa mas até o fechamento desta edição, a Eletrobras ainda não havia se pronunciado a respeito.

JBS: o mesmo juiz que havia afastado Joesley e Wesley Batista e outros envolvidos na Operação Greenfield de suas funções executivas em empresas de capital aberto, ontem no início da noite voltou atrás no caso dos irmãos Batista. Joesley retorna hoje à presidência do Conselho de Administração e Wesley à presidência executiva da JBS. Em troca, a J&F, controladora da JBS, fará um depósito de R$ 1,5 bilhão em juízo para dar garantia financeira no caso de condenação dos executivos na Operação Greenfield.

Conselho de Administração da Linx aprova Oferta Restrita de ações ON
A Oferta Pública consistirá na distribuição primária com esforços restritos de colocação de 24.000.000 ações ON de emissão da Companhia. A emissão das ações será realizada com exclusão do direito de preferência dos atuais acionistas da Linx e será realizada dentro do limite de capital autorizado. De forma a assegurar a participação dos atuais acionistas, será concedida prioridade para subscrição de até a totalidade das ações a serem colocadas por meio da Oferta, na proporção de suas respectivas participações no capital social da Linx na segunda data de corte. O preço por ação, que será fixado após a conclusão do procedimento Bookbuilding, e o efetivo aumento de capital, serão aprovados em RCA no dia 26 de setembro. A Linx informou que não será admitida distribuição parcial no âmbito da Oferta. Caso não exista demanda para a subscrição da totalidade das ações ofertadas até a conclusão do Procedimento de Bookbuilding, a Oferta Restrita será cancelada. Segundo a Companhia, os recursos provenientes da Oferta serão utilizados para realizar novas aquisições de empresas que viabilizem a implementação de sua estratégia de crescimento.

Oi: Bratel B.V. e Societé Mondiale FIA chegam a acordo
Após as renúncias do conselheiro Marcos Grodetzky e do Diretor de Finanças e Relações com Investidores Flavio Nicolay Guimarães, dois assentos no Conselho de Administração da Oi vagaram. Os acionistas Bratel B.V. e Societé Mondiale FIA chegaram a um acordo que garante ao Societé, fundo ligado a Nelson Tanure, indicar dois membros titulares e quatro suplentes para o Conselho de Administração da Oi. O acordo entre esses acionistas pode ter o poder de jogar luz negativa sobre o processo de recuperação judicial da companhia.