Curtas Empresas

Embraer não sabe avaliar efeitos de ação americana
A Embraer disse a pouco que tomou conhecimento do ajuizamento de uma ação coletiva (class action) em face da Companhia e de seus administradores perante um tribunal federal de Nova Iorque, nos Estados Unidos da América. O autor da ação pretende representar a categoria de acionistas em situação similar e pleiteia supostos danos sofridos em razão de declarações alegadamente enganosas da Companhia. A Embraer afirmou que ainda não foi citada e ainda não tem informações suficientes para avaliar a relevância financeira da demanda mas que irá se defender nos autos da ação no momento oportuno.

Conselho de Administração da Gerdau S.A. autoriza recompra de ações
A autorização tem por objetivo: atender aos Programas de Incentivo de Longo Prazo, da Companhia e suas subsidiárias; a permanência em tesouraria; o cancelamento; ou a posterior alienação no mercado. Até o próximo dia 12 de setembro poderão ser adquiridas até 10 milhões de ações PN (GGBR4) ou ADRs (GGB), representando, no total, 1,13% das ações preferenciais em circulação.

JSL fará novo Programa de Recompra de ações
O Conselho de Administração aprovou a criação de um novo Programa de Recompra de ações, para permanência em tesouraria e posterior alienação ou cancelamento e/ou para fazer frente às obrigações decorrentes do plano de opções de ações dirigido aos executivos da Companhia. Poderão ser adquiridas até 1,5 milhões ações ON, representativas de 2,87% das ações em circulação. O prazo para aquisição é até 10/02/2018.

Société Mondiale, acionista da Oi, convoca Assembleia
O fundo de investimento gerido pela Bridge Administradora de Recursos, titular de 6,18% do capital social da Oi, publicou convocação para os acionistas se reunirem em Assembleia no próximo dia 8 de setembro. Na ordem do dia, a discussão e avaliação da atual situação econômico-financeira da Oi e votações individuais para a destituição dos Conselheiros representantes da Pharol (ex Portugal Telecom): Rafael Luis Mora Funes (titular) e João do Passo Vicente Ribeiro (suplente); João Manuel Pisco de Castro (titular sem suplente); Luís Maria Viana Palha da Silva (titular) e Maria do Rosário Amado Pinto Correia (suplente); André Cardoso de Menezes Navarro (titular) e Nuno Rocha dos Santos de Almeida e Vasconcellos (suplente); Pedro Zañartu Gubert Morais Leitão (titular sem suplente); e Marcos Grodetzky (titular sem suplente).

OI obtem “suspension of payments” na Justiça holandesa
A empresa informou que a Corte de Amsterdã concedeu, a pedido da Oi Brasil Holdings Coöperatief UA – Under Judicial Reorganization (“Oi Brasil Holdings”), um dos veículos financeiros da Oi na Holanda, procedimento desuspension of payments (suspensão de pagamentos), iniciado para compatibilizar naquela jurisdição o procedimento de recuperação judicial das Empresas Oi no Brasil. Dentre outras matérias, houve a nomeação de um administrador judicial para o procedimento de suspension of payments da Oi Brasil Holdings na Holanda.Notícia neutra, uma vez que já esperada.

Cemig esclarece a respeito de venda de ativos
Em resposta à ofício da BM&FBovespa, em que esta menciona notícia da imprensa à respeito de venda de ativos, a Cemig esclareceu que em vários informativos direcionados ao mercado menciona sobre a necessidade de equacionamento financeiro e que parte da estratégia para atingir tal objetivo, refere-se à eventual alienação de ativos nos quais a Cemig tem apenas participação minoritária ou nos quais não há interesse estratégico primordial. Embora nada de concreto tenha sido mencionado, a não ser a venda de participação na Taesa, já aqui comentada, consideramos como positiva a notícia. O mercado parece ver de forma favorável priorizar-se, neste momento, a redução do endividamento da Cemig.

Light aprova aumento de capital na Norte Energia S.A
O Conselho de Administração da Light aprovou o aumento de capital proposto para a Norte Energia, no qual a empresa tem participação minoritária e controla a Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Apesar da situação financeira apertada da Light e de sua conhecida necessidade de “fazer caixa”, tal medida é necessária para fazer frente aos problemas da UHE mencionada, Evidentemente, a atitude não é contraditória com a intenção de vender tal participação em algum momento. Achamos, inclusive, bem provável que ocorra mais à frente, Consideramos positiva esta notícia.

Eletrobrás Roraima irá administrar área de concessão de Roraima até nova licitação
A empresa informou que não houve renovação da concessão de distribuição de energia elétrica no Estado de Roraima para a subsidiária Eletrobrás Roraima, mas que esta será a administradora da concessão até que haja a relicitação da mesma. Consideramos a notícia como neutra, uma vez que o fato já é conhecido pelo mercado.

Eletrobrás reverte decisão da Aneel a respeito de devolução de recursos da RGR
A Eletrobrás conseguiu convencer a Aneel de que o ressarcimento de valores retidos, referentes ao fundo setorial RGR, só será possível após a venda de distribuidoras sob seu controle. Segundo a empresa, a retenção desses recursos foi necessária para atender justamente à demanda de recursos para aquisição do controle de uma distribuidora de energia elétrica e somente após sua privatização será possível a devolução dos valores. Notícia positiva para a empresa.