O exterior segue imputando cautela nos investidores, ainda com as repercussões das medidas de Donald Trump contra imigrantes e refugiados. Na Europa, as bolsas tentam uma recomposição das perdas de ontem, mas diminuíram os ganhos nesta manhã após dados econômicos divulgados na região da zona do euro. Apesar de apontarem recuperação da atividade, estes foram interpretados como sinais de que o BCE poderá começar a retirada dos estímulos monetários.

Por aqui há certa apreensão política com a homologação das delações da Odebrecht e possíveis reflexos sobre as aprovações das reformas propostas pelo governo. A agenda do dia está cheia, com dados econômicos e corporativos, destacando-se as divulgações da PNAD Contínua e sondagens da indústria e serviços, além dos balanços de 2016 de Cielo e Fibria.

As bolsas europeias operam em ligeira alta, enquanto os futuros do Dow Jones e S&P 500 caiam na margem. Já o Ibovespa futuro, às 9h40, registrava queda de 0,02%.

Foco Gráfico

O Ibovespa-futuro repicou para corrigir a forte queda anterior, mas terá que ultrapassar a resistência imediata de 64.990 pontos para atingir 65.600 pontos (comentário feito às 09:12 h e baseado no gráfico intraday de 60’).

O dólar-futuro interrompeu a queda e ingressou em um congestionamento intraday, mas precisando ultrapassar a resistência imediata de R$ 3,138 para permitir a expectativa de um repique mais forte. O suporte está agora representado pelo fundo formado em R$ 3,114 e se for perdido indicará possibilidade de extensão da trajetória baixista até R$ 3,052 (comentário feito às 09:12 h e baseado no gráfico intraday de 60’).

Assista ao vídeo da Análise Gráfica

Balanços 2016

Cielo

A receita líquida atingiu R$ 12,3 bilhões vs R$ 11,122 bilhões em 2015. O lucro atribuído aos sócios da empresa controladora cresceu 14% atingindo R$ 4 bilhões em 2016. Como anunciado, a Cielo reduziu o pagamento de dividendos pelo segundo ano consecutivo, tendo distribuído entre dividendos e JCP bruto de imposto de renda 30,5% do lucro líquido do exercício.

Fibria

Receita líquida de R$ 9,615 bilhões e margem bruta de 26,1%, representam queda de 4,6% e de 15,6 p.p. em relação aos valores obtidos em 2015. A reversão do resultado financeiro proporcionou lucro de R$ 1,655 bilhão, avanço de 384% comparado aos R$ 342 milhões de 2015. Até a presente data a Fibria não declarou dividendos antecipados referentes ao exercício social de 2016.

Gestão nas Cias Abertas

Cielo

Estima para 2017 volume financeiro Cielo Brasil entre 4% a 6%, gasto total Cielo + Cateno entre 4% a 6% e Capex de terminais de R$ 400 milhões.

Dasa

O fim do prazo para exercício do direito de preferência para a subscrição de ações relativas ao aumento de capital em curso foi estendido para 02/03/17, considerando que em 27/02/17, antigo prazo, não haverá pregão. O aumento de capital aprovado em 20/01/17 ocorre mediante emissão de, no mínimo, 1.100.105 ações e, no máximo, 1.121.964 ações ON, ao preço de emissão de R$ 18,94.

São Martinho

O Conselho de Administração aprovou a incorporação da Nova Fronteira Bioenergia S.A., a qual será submetida à aprovação dos acionistas da São Martinho e aos da própria incorporada em assembleias extraordinárias a serem convocadas para sexta-ferira, 3 de fevereiro de 2017.

Petrobras

Uma ação popular contra a venda da Companhia Petroquímica de Pernambuco, a Petroquímica Suape, e da Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco, a Citepe, foi acatada pela 2ª Vara da Justiça Federal de Sergipe que concedeu liminar determinando a suspensão da alienação das ações dessas empresas pela Petrobras. A Companhia afirmou hoje que está tomando as medidas judiciais cabíveis em prol dos seus interesses e dos interesses de seus investidores.

Economia em Foco

Sondagem de Confiança da Indústria

A nova estratégia do BACEN, de cortes agressivos da taxa de juros, continua se refletindo nas sondagens de confiança da FGV. Três anteriores já haviam mostrado isso (ICC, ICOM e ICST). Agora foi a vez da Sondagem da Indústria registrar boa reação. O ICI da FGV subiu 4,3 pontos no mês de janeiro, para 89,0 pontos, no maior nível desde maio de 2014 (92,2 pontos). Segundo a FGV, “com a alta expressiva de janeiro, o ICI recupera o terreno perdido após setembro, quando o desapontamento com a evolução dos negócios no segundo semestre interrompeu a tendência de alta observada no ano passado. O setor parece estar reagindo a uma combinação de aceleração da produção no final do ano e do ritmo de queda dos juros a partir de janeiro”. Abrindo a sondagem, o Índice de Expectativas (IE) avançou 4,7 pontos, para 91,0 pontos, e o Índice da Situação Atual (ISA) subiu 3,8 pontos, para 87,0 pontos. Por fim, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) atingiu 74,6% em janeiro, 1,7 ponto percentual acima do mês passado, quando havia sido registrado o patamar mínimo histórico para a série iniciada em 2001. Pela CNI, o NUCI fechou 2016 em 76%.

Sondagem de Confiança dos Serviços

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) da FGV subiu 4,1 pontos em janeiro, para 80,4 pontos. Segundo a FGV, “a melhora na percepção do setor sobre as condições de negócios, tanto em relação a fatores atuais quanto em sua visão sobre as expectativas, foi um aspecto favorável dos resultados da Sondagem de Serviços neste início de ano”. Por fim, o NUCI de Serviços ficou em 82,3%, uma queda de 0,5 ponto percentual (p.p.) em relação ao mês anterior. Isso se explica pela sazonalidade do período depois do período de festas de final de ano.

Taxa de desocupação a 12,0% em dezembro

No quarto trimestre de 2016, a PNAD Contínua do IBGE registrou taxa de desocupação de 12,0%, crescendo 0,2 p.p. contra o terceiro trimestre (11,8%) e 3 p.p. contra quarto trimestre de 2015 (9,0%). A média de 2016 fechou em 11,5%. A população desocupada (12,3 milhões) cresceu 2,7% contra o trimestre anterior e avançou 36% contra o mesmo do ano anterior, sendo um aumento de mais de 3,3 milhões de pessoas desocupadas. A população ocupada (90,3 milhões) cresceu 0,5% contra o trimestre anterior, mas recuou 2,1% contra o quarto trimestre de 2015. O número de empregados com carteira assinada (34,0 milhões) ficou estável sobre o trimestre anterior e caiu 3,9% contra o mesmo período de 2015. O rendimento médio real (R$ 2.043) ficou estável sobre o trimestre anterior e em relação a igual trimestre de 2015. Novamente os números confirmam que o desemprego ainda deve se manter elevado neste início de 2017, podendo ultrapassar os 12% da PEA em meados do ano, encerrando este ano em igual patamar de 2016.

Agenda

Corporativa

Econômica

Investimentos Ltda. para uso exclusivo do destinatário, não podendo ser reproduzido ou distribuído por este para qualquer pessoa sem expressa autorização da Lopes Filho. Este Relatório de Análise é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa, em nenhuma hipótese, uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer valor mobiliário ou instrumento financeiro. As informações contidas neste Relatório de Análise são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, a Lopes Filho não pode garantir a exatidão e a qualidade das mesmas. As opiniões contidas neste Relatório de Análise são baseadas em julgamentos e estimativas, estando, portanto, sujeitas a mudanças.

Sem prejuízo do disposto acima e em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 483/10, o(s) analista(s) de valores mobiliários responsável(eis) pela elaboração deste Relatório de Análise declara(m) que:

(I) é (são) certificado(s) e credenciado(s) pela APIMEC.
(II) as análises e recomendações refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Lopes Filho.
(III) sua(s) remuneração(ões) é (são) fixa(s).

Informações adicionais sobre quaisquer emissores objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas diretamente, por telefone, com o(s) analista(s) responsável(eis). Os Relatórios de Análise podem ser consultados no website http://www.lopesfilho.com.br, cujo acesso é restrito aos assinantes e usuários do serviço de Assessoria em Mercado de Capitais da Lopes Filho. Informações sobre emissores que não são objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas através de solicitação ao Departamento Comercial.

As informações, opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação no sentido de atualização ou revisão com respeito a tal mudança.