Passada a euforia com a manutenção dos juros nos EUA, os investidores internacionais optam por uma pequena realização dos lucros acumulados nas últimas sessões. Os PMIs compostos da Alemanha e zona do euro em níveis mais baixos em meses pesam sobre os desempenhos das bolsas na Europa, enquanto o petróleo sobe ligeiramente, fortalecido por especulações sobre um acordo entre Arábia Saudita e Irã para congelar a produção. Assim os principais índices acionários europeus caiam nesta manhã, enquanto nos EUA os futuros do Dow Jones e S&P 500 desvalorizavam-se na margem. Por aqui o Ibovespa futuro mostra indefinição, mas às 9h29 seguia em sentido contrário às praças internacionais e subia 0,11%.

Foco Gráfico

O Ibovespa-futuro desenvolve agora um processo de congestionamento provocado pelos elevados níveis do Indicador de Força Relativa no avanço anterior. O suporte imediato está situado em 59.010 pontos e se for perdido indicará possibilidade de uma queda até 58.685 pontos. A resistência mais próxima está representada pelo pequeno topo formado em 59.495 pontos e se for vencida aumentará as chances de nova arrancada na direção do objetivo de 59.920 pontos (comentário feito às 09:10 h e baseado no gráfico intraday de 60’).

O dólar-futuro voltou a cair depois do repique provocada pelo esgotamento do Indicador de Força Relativa e poderá atingir o suporte representado pelo fundo formado em R$ 3,189 (comentário feito às 09:12 h e baseado no gráfico intraday de 60’).

Assista ao vídeo da Análise Gráfica

Economia em Foco

IPC-S: na apuração de 22 de setembro o índice variou 0,18%, ante 0,27% na última divulgação. Cinco das oito classes apresentaram variação negativa, com destaque para Alimentação (0,44% para 0,11%), com os laticínios passando de -0,21% para -1,86%. Outros decréscimos: Educação, Leitura e Recreação (0,72% para 0,39%), Transportes (0,04% para 0,02%), Despesas Diversas (-0,22% para -0,28%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,39% para 0,37%). As acelerações ocorreram em: Habitação (0,21% para 0,27%), Vestuário (0,05% para 0,33%) e Comunicação (-0,01% para 0,01%).

Agenda

Econômica

Econômica