O Ibovespa futuro indica uma tentativa de recuperação após as perdas de ontem, quando o principal índice da Bovespa caiu 1,48%. Os investidores avaliam a indicação de Alexandre de Moraes para a vaga no STF, enquanto no campo corporativo os destaques são o balanço do Itauunibanco e a fixação de preço das ações do IPO da Movida (veja mais em Cias Abertas em Foco). O Ibovespa futuro, às 9h40, registrava alta de 0,87%.

No exterior o sinal é predominantemente positivo, apesar das variações ocorrerem sob margens estreitas. Na Europa os índices também tentam se recuperar de perdas da sessão anterior, mas o cenário político nos principais centros traz preocupação.

Foco Gráfico

O Ibovespa-futuro abriu em alta, mas somente indicará possibilidade de ingresso em um avanço importante se ultrapassar a resistência situada em 64.970 pontos (o topo anterior) e a reta de baixa, que neste momento passa em 65.250 pontos (comentário feito às 09:12 h e baseado no gráfico intraday de 60’).

O dólar-futuro experimenta uma recuperação, mas não deverá ultrapassar a resistência representada pelo topo formado em R$ 3,156 sem prévio congestionamento para corrigir a velocidade do avanço inicial (comentário feito às 09:12 h e baseado no gráfico intraday de 30’).

Assista ao vídeo da Análise Gráfica

Balanços 2016

Itauunibanco

O lucro apurado em 2016 atribuído aos sócios do Itau Unibanco Holding Financeira caiu 9,6% ao atingir R$ 23,6 bilhões vs R$ 25,7 bilhões em 2015. No 4T16, o lucro recorrente foi de R$ 5,817 bilhões, uma expansão de 1,8% em base pró-forma.

Já as receitas de intermediação financeira do Itau foram de R$ 174 bilhões, um crescimento de 34,5%, sendo que as receitas com juros e rendimentos cresceram 9,3% em 2016. Uma análise detalhada do resultado de 2016 pode ser lida em nosso Relatório de Desempenho que será publicado ao longo do dia.

Economia em Foco

Algumas impressões

Uma semana de poucas novidades na economia, mas muitas na política. Alexandre Moraes, ex-ministro da Justiça, foi escolhido para ser ministro do STF, em substituição à Teori Zavascki. Deve passar por uma sabatina na CCJ e depois no Senado. Muitos consideram já estar “tudo arranjado”, mas a oposição deve fazer barulho. Isso porque achamos que Moraes deve ser mais um “soldado” do governo Temer, na opinião de Eliana Catanhede “uma extensão do Planalto no STF”. Será mais um a defender a tese de que é preciso “separar o joio do trigo na Lava-Jato”. Ou seja, corre-se o risco destas investigações serem “esvaziadas”.

IGP-DI desacelera em janeiro

Desacelerou o IGP-DI de janeiro, a 0,43%, abaixo do registrado em janeiro de 2016 (1,53%) e em dezembro passado (0,83%). Em 12 meses foi a 6,02%, sinalizando que a demanda reprimida continua a derrubar os preços na economia. Pelas etapas do índice, o IPA passou de 1,10% para 0,34%; o IPC, de 0,33% para 0,69% e o INCC, de 0,35% para 0,41%. No atacado, uma forte desaceleração veio dos Bens Finais, a -0,61%, depois de 0,24% no mês anterior, decorrente do recuo dos alimentos in natura e dos combustíveis para consumo. Outra aconteceu nas Matérias-Primas Brutas, de 2,08% para 0,24%, decorrente da redução na cotação do minério de ferro (de 18,78% para 7,27%) e da soja. Por fim, o IPC deu uma “repicada”, pressionado pelos reajustes das mensalidades e dos material escolar, com Educação, Leitura e Lazer passando de 0,95% para 4,15%. O IGP-DI registrou recuos significativos em alguns itens no atacado, particularmente, nos agropecuários, mas o varejo se mostrou pressionado pelos reajustes anuais do grupo Educação. Esperamos a inflação de fevereiro ainda com alguns destes impactos sazonais de início de ano.

Agenda

Corporativa

Econômica