A surpresa com a decisão unânime do Copom em cortar a taxa Selic em 0,75 p.p., para 13% a.a., domina as atenções dos investidores nesta manhã. A maior flexibilização da política monetária traz uma perspectiva positiva para os negócios na Bovespa, blindando o mercado local da maior cautela do exterior. Ontem, na primeira entrevista de Donald Trump desde a eleição, o próximo presidente dos EUA não forneceu maiores detalhes sobre suas futuras medidas no plano econômico e fiscal, aumentando as incertezas dos investidores. As bolsas europeias operam com ligeiras quedas, assim como os futuros do Dow Jones e S&P 500. Às 9h39, o Ibovespa futuro registrava alta de 3,11%.

Foco Gráfico

O Ibovespa-futuro em forte, porém insustentável alta, que o afastou em demasia de suas Médias Móveis e isto deverá dar chance para um congestionamento que corrija este exagero altista (comentário feito às 09:10 h e baseado no gráfico intraday de 30’).

O dólar-futuro experimentou acentuada queda na abertura de hoje, mas também não deverá dar continuidade para esta baixa sem prévio congestionamento e correção deste exagero (comentário feito às 09:10 h e baseado no gráfico intraday de 30’).

Assista ao vídeo da Análise Gráfica

Economia em Foco

Decisão do Copom: prevaleceu o bom senso

Na decisão do Copom desta quarta-feira muitos ainda acreditavam num corte de 0,5 ponto percentual, numa postura mais cautelosa diante do “risco Trump” e das dificuldades da agenda fiscal e do processo político. As evidências, no entanto, demonstravam uma economia ainda muito fragilizada e a inflação desacelerando em bom ritmo. No fim, prevaleceu o bom senso e a taxa Selic foi reduzida em 0,75 ponto percentual, a 13%. Foi uma decisão unânime o que não deixa dúvidas. Agora, diante de uma inflação em 6,3% no ano passado (pelo IPCA), a taxa de juros real foi a algo em torno de 6,3%, havendo espaço para novos cortes, até esta taxa recuar a 4%. Diante de uma inflação a convergir para o centro da meta neste ano (4,5%), não será surpresa se a taxa de juros nominal recuar a 9% ao fim de 2017.

Setor de Serviços cresceu 0,1% em novembro

Em novembro, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume do setor cresceu apenas 0,1% em relação a outubro, que havia apresentado queda de -2,3%. Em relação a novembro/2015 houve retração de 4,6% e queda de 5% no acumulado em doze meses. Na análise mensal, todos os segmentos tiveram variação positiva, com os seguintes desempenhos: Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (2,1%), Serviços de informação e comunicação (1%), Serviços profissionais, administrativos e complementares (0,8%), Serviços prestados às famílias (0,2%) e Outros Serviços (3,3%). Cabe destacar que o agregado especial das Atividades turísticas apresentou alta de 0,5% na comparação com o mês imediatamente anterior. Apesar do crescimento em novembro, o setor Serviços ainda passa por um período de retração nos 12 meses. Todas as expectativas de reversão da atual crise do setor seguem apontando a partir do segundo semestre deste ano, diante dos avanços das medidas de estímulo do governo.

Agenda

Corporativa

Econômia

Investimentos Ltda. para uso exclusivo do destinatário, não podendo ser reproduzido ou distribuído por este para qualquer pessoa sem expressa autorização da Lopes Filho. Este Relatório de Análise é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa, em nenhuma hipótese, uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer valor mobiliário ou instrumento financeiro. As informações contidas neste Relatório de Análise são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, a Lopes Filho não pode garantir a exatidão e a qualidade das mesmas. As opiniões contidas neste Relatório de Análise são baseadas em julgamentos e estimativas, estando, portanto, sujeitas a mudanças.

Sem prejuízo do disposto acima e em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 483/10, o(s) analista(s) de valores mobiliários responsável(eis) pela elaboração deste Relatório de Análise declara(m) que:

(I) é (são) certificado(s) e credenciado(s) pela APIMEC.
(II) as análises e recomendações refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Lopes Filho.
(III) sua(s) remuneração(ões) é (são) fixa(s).

Informações adicionais sobre quaisquer emissores objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas diretamente, por telefone, com o(s) analista(s) responsável(eis). Os Relatórios de Análise podem ser consultados no website http://www.lopesfilho.com.br, cujo acesso é restrito aos assinantes e usuários do serviço de Assessoria em Mercado de Capitais da Lopes Filho. Informações sobre emissores que não são objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas através de solicitação ao Departamento Comercial.

As informações, opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação no sentido de atualização ou revisão com respeito a tal mudança.