O Ibovespa futuro aponta continuidade do movimento altista visto no pregão anterior, seguindo as bolsas externas. O desempenho das ações de duas das principais companhias da Bovespa, Vale e Petrobras, podem ser influenciados pelo comportamento das commodities. O minério de ferro voltou a subir na China nesta quarta-feira, assim como os contratos futuros de vergalhões de aço. Já o petróleo opera em queda, após divulgação de forte aumento nos estoques nos EUA. A definição da política de conteúdo local para os dois próximos leilões de áreas de petróleo, que deve ocorrer até amanhã, também estará no foco dos investidores. O Ibovespa futuro, às 9h42, registrava alta de 0,58%.

Internamente ainda podemos destacar a estréia das ações da Movida, além dos indicadores de inflação, como o IPCA e IPC-S (veja mais em Economia em Foco).

As bolsas europeias operam com ligeiras altas, amparadas por bons resultados corporativos, mas ainda influenciadas por incertezas no cenário político nos principais centros. Vale lembrar que hoje ocorrerá a última rodada de votação na Câmara dos Comuns do projeto de lei sobre o Brexit, que em seguida iria para a Câmara dos Lordes.

Foco Gráfico

O Ibovespa-futuro abriu em alta, mas sem permitir a expectativa de um avanço consistente enquanto não ultrapassar a resistência situada em 65.000 pontos. Por outro lado, também não mostrará chance de nova precipitação até eventual perda do suporte representado pelo fundo formado em 64.065 pontos (comentário feito às 09:11 h e baseado no gráfico intraday de 60’).

O dólar-futuro permanece em situação indefinida, precisando ultrapassar a resistência imediata de R$ 3,142 para tentar repicar até o topo formado em R$ 3,152 ou perder o suporte de R$ 3,131 para indicar possibilidade de nova queda até R$ 3,123 (comentário feito às 09:11 h e baseado no gráfico intraday de 30’).

Assista ao vídeo da Análise Gráfica

Balanços 2016

Indústrias Romi

A receita líquida consolidada de 2016, de R$ 587 milhões, foi 3,2% inferior a de 2015. A queda da receita em conjunto com a alta dos custos e expansão da despesa financeira promoveu prejuízo de R$ 39,7 milhões no ano passado vs lucro de apenas R$ 6,2 milhões em 2015.

Economia em Foco

IPCA de janeiro a 0,38%

O desempenho do IPCA de janeiro deve ser bem absorvido pelos mercados, com os futuros de juro indicando queda. Registrou 0,38%, um pouco acima do de dezembro (0,3%), em linha com o esperado. Em 12 meses foi a 5,3%, bem abaixo do registrado em dezembro (6,3%). Isso sinaliza que o índice deve convergir ao centro da meta nos próximos meses. Comenta-se que isso deve acontecer entre maio e junho. Nos grupos em análise os maiores impactos vieram de Transportes, em desaceleração, mas ainda elevado (1,11% a 0,77%, 0,14 ponto percentual), devido aos reajustes nas tarifas de ônibus (2,8%), em Alimentação e Bebidas (0,08% a 0,35%, 0,09 p.p.) e em Habitação, já que a queda da energia elétrica acabou menos intensa, em contraposição ao reajuste de água e esgoto. Para fevereiro é possível o índice do IBGE em patamar próximo, entre 0,35% e 0,40%, impactado por fatores sazonais de início de ano.

IPC-S desacelera na primeira prévia de fevereiro

O IPC-S desacelerou na primeira semana de fevereiro, registrando 0,61%, abaixo de 0,69% da última divulgação. Dos oito grupos componentes do índice, três apresentaram desaceleração, com destaque para Alimentação (de 0,39% para 0,20%), motivado pelo item carnes bovinas (de 0,28% para -0,73%). Outras desacelerações ficaram por conta de: Educação, Leitura e Recreação (4,15% para 3,34%) e Comunicação (0,47% para 0,41%). A inflação de fevereiro tende a ser menor que janeiro, pois os principais itens de pressão no período estão desacelerando, os cursos formais e os alimentos, por exemplo.

Agenda

Corporativa

Econômica

Investimentos Ltda. para uso exclusivo do destinatário, não podendo ser reproduzido ou distribuído por este para qualquer pessoa sem expressa autorização da Lopes Filho. Este Relatório de Análise é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa, em nenhuma hipótese, uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer valor mobiliário ou instrumento financeiro. As informações contidas neste Relatório de Análise são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, a Lopes Filho não pode garantir a exatidão e a qualidade das mesmas. As opiniões contidas neste Relatório de Análise são baseadas em julgamentos e estimativas, estando, portanto, sujeitas a mudanças.

Sem prejuízo do disposto acima e em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 483/10, o(s) analista(s) de valores mobiliários responsável(eis) pela elaboração deste Relatório de Análise declara(m) que:

(I) é (são) certificado(s) e credenciado(s) pela APIMEC.
(II) as análises e recomendações refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Lopes Filho.
(III) sua(s) remuneração(ões) é (são) fixa(s).

Informações adicionais sobre quaisquer emissores objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas diretamente, por telefone, com o(s) analista(s) responsável(eis). Os Relatórios de Análise podem ser consultados no website http://www.lopesfilho.com.br, cujo acesso é restrito aos assinantes e usuários do serviço de Assessoria em Mercado de Capitais da Lopes Filho. Informações sobre emissores que não são objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas através de solicitação ao Departamento Comercial.

As informações, opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação no sentido de atualização ou revisão com respeito a tal mudança.