O Ibovespa futuro aponta para uma abertura negativa para a bolsa local e, às 9h38, tinha desvalorização de 0,90%. Os últimos dias foram de fortes altas, recuperando-se do baque com o “Brexit”, o que pode motivar alguma realização no derradeiro pregão do primeiro semestre, quando o Ibovespa acumula alta de 17,65%. O movimento também acompanha a performance volátil das bolsas internacionais, que alternaram-se entre os campos positivo e negativo nesta manhã. Por volta das 9h15 os índices europeus tinham desvalorizações ao redor de 0,2%, enquanto os índices futuros do Dow Jones e S&P500 nos EUA caiam na margem.

Foco Gráfico

O Ibovespa-futuro abriu em baixa e está corrigindo os avanços anteriores. Como não se sustentou acima do suporte imediato de 71.725 pontos, poderá estender a queda até 51.360/51.250 pontos.

O dólar-futuro já evidencia sinais de esgotamento (mesmo que temporário) da queda, uma vez que o Indicador de Força Relativa não acompanhou os preços na formação deste último fundo. Isto significa a possibilidade de ingresso em um congestionamento ou tentativa de recuperação até o topo formado em R$ 3,266 (comentários feitos às 09:12 h e baseados nos gráficos intraday).
Assista ao vídeo de Análise Gráfica

Economia em Foco

Confiança do Comércio avança 2,8 pontos em junho
O Índice de Confiança do Comércio (ICOM), segundo a FGV, avançou 2,8 pontos em junho, atingindo 73,7 pontos, maior nível desde maio/2015. O indicador, em médias móveis trimestrais, avançou 2,2 pontos. O Índice de Situação Atual (ISA-COM) subiu 2,4 pontos em abril, chegando a 64,9 pontos. O Índice das Expectativas (IE-COM) avançou 3,3 pontos, chegando a 83,6 pontos, maior nível desde janeiro/2015.

Confiança de Serviços avança 1,9 ponto em junho
Segundo a FGV, o Índice de Confiança de Serviços (ICS) subiu 1,9 ponto em junho, em sua quarta alta consecutiva, passando para 72,4 pontos, maior nível desde junho/2015. Nas médias móveis trimestrais, o índice avançou 1,2 ponto em junho, maior alta desde março/2010. O Índice observou avanço em 9 das 13 atividades. O índice da Situação Atual (ISA-S) subiu 1,0 ponto, para 67,5, justificado pela alta de 2,0 pontos no Volume de Demanda Atual. O Índice de Expectativas (IE-S) avançou 3,0 pontos, somando 78,0 pontos, com destaque para o avanço de 4,5 na Situação dos Negócios para os próximos meses (após alta de 3,6 pontos).

Agendas

Corporativa – 30/06/2016

Econômica – 30/06/2016