O Ibovespa futuro mais uma vez mostra indefinição no rumo dos negócios, apesar da oscilação ligeiramente positiva dos primeiros minutos da sessão. Enquanto a cena política não traz novidades, os investidores avaliam a divulgação da produção industrial brasileira, que subiu levemente em novembro ante o mês anterior, enquanto aguardam por dados econômicos dos EUA. Na Europa os acionários operam com quedas marginais, assim como os futuros de Dow Jones e S&P 500 nos EUA. Às 9h39, o Ibovespa futuro registrava ligeira alta de 0,27%.

Foco Gráfico

O Ibovespa-futuro experimenta alguma recuperação no interior do congestionamento lateral, mas somente a partir da superação da resistência representada pelo topo formado em 62.885 pontos confirmará a manutenção da trajetória altista (comentário feito às 09:10 h e baseado no gráfico intraday de 30’).

O dólar-futuro abriu em baixa e testando o suporte representado pelo fundo formado em R$ 3,235, que sendo perdido aumentará as chances de extensão da queda até R$ 3,21 (comentário feito às 09:10 h e baseado no gráfico intraday de 30’).

Assista ao vídeo da Análise Gráfica

Gestão das Cias Abertas

Telefônica Brasil

Amos Genish renunciou aos cargos de membro do Conselho de Administração e de Presidente do Comitê de Estratégia. No Conselho e no Comitê assume José María Del Rey Osorio. O espanhol permanece nos cargos até a AGO de 2019.

Economia em Foco

Ata do Fomc: “incertezas consideráveis” no horizonte

Foi divulgada a ata da reunião do Fomc (dias 13 e 14/dez) nesta quarta-feira e o que se viu foram “incertezas consideráveis” no horizonte, devido aos possíveis efeitos das decisões de Donald Trump sobre a economia norte-americana. Todos os diretores regionais foram unânimes em afirmar que os estímulos fiscais para a infraestrutura e o corte de impostos devem impulsionar a economia, mas ninguém sabe direito em que intensidade isto deve se dar. Lembremos que a taxa de juros de curto prazo foi elevada ao range de 0,5% a 0,75% em dezembro último, na primeira movimentação desde dezembro de 2015. Todos consideram que a economia deve crescer mais, mas não deixaram de mencionar seus riscos, como a valorização do dólar, a instabilidade financeira em outros países e o fato da taxa ainda estar muito baixa, colocando em risco a “formação e ruptura de bolhas”. Também destacaram os riscos inflacionários, gerados pela elevação do barril de petróleo, mas acharam que o dólar mais valorizado deve mitigar este impacto. Ressaltemos que o índice de Gastos com Consumo Pessoal (PCE), índice de referência do Fed, acelerou a 1,4% em novembro, pela taxa anualizada, na maior elevação em dois anos. Janet Yellen, presidente do Fed, por fim, ressaltou a “nuvem de incertezas” sobre como Trump deve empreender sua política econômica, especialmente, a fiscal, seus efeitos sobre a economia, e como as condições financeiras globais devem evoluir. Se mostrou otimista com o progresso da economia norte-americana, sem deixar de mostrar cautela com o “ciclo Trump”.

Produção industrial sobe 0,2% em novembro

O IBGE divulgou a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) nacional de novembro, que assinalou alta de 0,2% na produção industrial em relação ao mês anterior, que havia registrado queda de 1,2%, na série livre de influências sazonais. Mas em relação a novembro/2015, a Indústria assinalou retração de 1,1%, sendo a trigésima terceira taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação. No ano a queda foi de 7,1% e em doze meses chegou a -7,5%, recuo menos intenso que outubro (-8,12%). Na análise mensal houve aceleração em 13 dos 24 ramos pesquisados, com destaque para o avanço de 6,1% registrado por veículos automotores, reboques e carrocerias, seguido por indústrias extrativas (1,5%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (6,6%), máquinas e equipamentos (2,4%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (4,4%), produtos de minerais não-metálicos (2,2%) e produtos de borracha e de material plástico (2,2%). Entre as grandes categorias econômicas, Bens de capital avançou 2,5%, Bens intermediários foi a 0,5% e apenas 0,1% para Bens de consumo, com Bens de consumo duráveis crescendo 4% e Bens de consumo semiduráveis e não duráveis caindo 0,5%. Acreditamos que a produção industrial finalizará 2016 em queda entre 6% e 7%, motivados pelos reveses que a economia vem sofrendo.

Agenda

Corporativa

Econômica

Investimentos Ltda. para uso exclusivo do destinatário, não podendo ser reproduzido ou distribuído por este para qualquer pessoa sem expressa autorização da Lopes Filho. Este Relatório de Análise é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa, em nenhuma hipótese, uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer valor mobiliário ou instrumento financeiro. As informações contidas neste Relatório de Análise são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, a Lopes Filho não pode garantir a exatidão e a qualidade das mesmas. As opiniões contidas neste Relatório de Análise são baseadas em julgamentos e estimativas, estando, portanto, sujeitas a mudanças.

Sem prejuízo do disposto acima e em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 483/10, o(s) analista(s) de valores mobiliários responsável(eis) pela elaboração deste Relatório de Análise declara(m) que:

(I) é (são) certificado(s) e credenciado(s) pela APIMEC.
(II) as análises e recomendações refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Lopes Filho.
(III) sua(s) remuneração(ões) é (são) fixa(s).

Informações adicionais sobre quaisquer emissores objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas diretamente, por telefone, com o(s) analista(s) responsável(eis). Os Relatórios de Análise podem ser consultados no website http://www.lopesfilho.com.br, cujo acesso é restrito aos assinantes e usuários do serviço de Assessoria em Mercado de Capitais da Lopes Filho. Informações sobre emissores que não são objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas através de solicitação ao Departamento Comercial.

As informações, opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação no sentido de atualização ou revisão com respeito a tal mudança.