Em meio a uma agenda repleta de indicadores econômicos e resultados corporativos, além das altas recentes, os mercados acionários externos parecem refletir maior cautela nesta terça-feira. Os investidores também aguardam o discurso de Janet Yellen, presidente do Fed, no Senado dos EUA. Os futuros do Dow Jones recuam ligeiramente, enquanto na Europa os ganhos nas principais bolsas não excedem 0,2%. Em relação às commodities, o minério de ferro caiu 0,9% no mercado à vista na China, enquanto o petróleo tenta se recuperar das perdas de ontem, subindo quase 1% nesta manhã.

Por aqui a política ainda traz incertezas, mas ganham espaço os resultados corporativos e os dados do varejo, que mostraram recuo das vendas em dezembro passado (veja mais em Economia em Foco). O Ibovespa futuro, às 9h42, registrava alta de 0,13%.

Potencial dos Índices de Ações

Foco Gráfico

O Ibovespa-futuro abriu em ligeira queda, mas sem indicar possibilidade de uma correção mais forte enquanto se sustentar acima do suporte imediato de 66.455 pontos. Por outro lado, para sinalizar a retomada da trajetória altista, será necessário o rompimento da resistência representada pelo topo formado em 67.170 pontos (análise feita às 09:10 h e baseada no gráfico intraday de 60’).

O dólar-futuro oscila nas proximidades da base (R$ 3,119) do congestionamento lateral e se perder este suporte poderá cair até a projeção situada em R$ 3,099 (análise feita às 09:10 h e baseada no gráfico intraday de 30’).

Assista ao vídeo da Análise Gráfica

Balanços 2016

Itausa

O lucro líquido foi de R$ 8,211 bilhões em 2016, contra R$ 8,868 bilhões em 2015. O ROE, por sua vez, atingiu 17,7%, contra 21,2% em 2015. A equivalência patrimonial da holding Itaúsa somou R$ 8,678 bilhões, contra R$ 8,438 milhões em 2015. A área de serviços financeiros contribuiu com R$ 8,754 bilhões, enquanto que a área industrial praticamente não mostrou resultado (foi de apenas R$ 4 milhões). Todo o resultado da Holding Itaúsa foi proveniente do business financeiro, diante da recessão econômica que trouxe maior impacto para seus investimentos na Indústria.

Linx

A receita líquida consolidada de 2016 atingiu R$ 496 milhões, aumentos de 10,4% e 34,4% sobre as receitas dos exercícios de 2015 e 2014. A margem líquida de 2016, entretanto, caiu para 13,8%, tendo sido de 15,5% em 2015 e 17,7% em 2014. A expansão das despesas com vendas e administrativas tem sido a principal responsável pela queda da margem. O lucro de 2016 foi de R$ 68,501 milhões.

Locamérica

Apresentou lucro líquido de R$ 28,9 milhões, 55,7% acima do aferido em 2015. No 4T16, o lucro foi de R$ 7,8 milhões, superando o 4T15 em 231,4%. Ao longo do ano a forte geração de caixa permitiu distribuição recorde de proventos aos acionistas e uma redução do endividamento líquido. A receita líquida em 2016 foi de R$ 754,7 milhões, 6,6% acima dos 12M15. A receita do 4T16, de R$ 188,9 milhões, foi 5,6% superior à do 4T15.

Economia em Foco

Cena Política

Estejamos atentos nesta terça-feira a decisão do Ministro Celso de Mello, do STF sobre a nomeação de Moreira Franco para a Secretaria Geral da Presidência. Comenta-se que Moreira Franco foi nomeado para este cargo, com status de ministro, para fugir da Lava-Jato. Soma-se a isso, o STF resolveu dar um prazo de 30 dias para o governo do Rio de Janeiro encaminhar a aprovação das medidas de saneamento das finanças estaduais na Assembléia Legislativa. Neste meio tempo não haverá nenhuma antecipação de recursos acertados entre estado e União, como a suspensão na cobrança de dívidas e novos empréstimos para colocar a folha de pagamento em dia. Isso preocupa, dada a tensa situação dos servidores das áreas de saúde e segurança pública. Nesta terça-feira, o governo federal anuncia às 11h00 o cronograma para o pagamento das contas inativas do FGTS, a ser autorizado a partir do dia 10/mar.

Vendas no varejo caem 6,2% em 2016

A esperada queda nas vendas do comércio varejista em 2016 veio em linha com as nossas expectativas, com retração de 6,2%, no conceito restrito, ante -4,3% em 2015. Segundo o IBGE, o comércio recuou 2,0% em dezembro, após crescimento de 1% em novembro devido ao Black Friday. As vendas de Natal foram marcadas pela compra de lembrancinhas, devido à crise econômica e a alta do desemprego. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) houve fechamento de mais de 108 mil lojas com vínculo empregatício em 2016, o pior resultado desde 2005. Das oito atividades pesquisadas, quatro apresentaram variação negativa de novembro para dezembro. Os principais destaques foram Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-3,0%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-3,9%) e Móveis e eletrodomésticos (-2,5%). Esperamos que em 2017 haja alguma recuperação nas vendas do comércio, podendo finalizar o ano com alta de até 1%, desde que as medidas do governo de estímulo ao crédito e ao emprego sejam efetivas.

Agenda

Corporativa

Econômica