Com a volta das atividades nas bolsas norte-americanas, após o feriado de ontem, os mercados internacionais operam em alta nesta manhã. Os indicadores PMI composto, que englobam os setores industriais e de serviços, mostraram avanços nas atividades na Alemanha, França e zona do euro. Os balanços corporativos na Europa se mostraram mistos, sendo que o resultado do HSBC pesa sobre o desempenho das ações do banco e da Bolsa de Londres.

Por aqui a Bovespa deve abrir em alta, em continuidade ao movimento de ontem. A valorização das commodities é mais um fator positivo, com a alta do minério de ferro no mercado à vista da China e dos contratos futuros de petróleo. Às 9h43 o Ibovespa futuro operava em alta de 0,46%.

Errata: ontem afirmamos equivocadamente que, com o fim do horário de verão, o encerramento dos negócios no mercado à vista da Bovespa voltaria a ocorrer às 17h. A mudança do horário de negociação ocorrerá a partir de 13/03/2017.

Foco Gráfico

O Ibovespa-futuro abriu em alta, mas precisará se sustentar acima do topo anterior (69.720 pontos) para permitir a expectativa de extensão dos avanços até 70.500 pontos (comentário feito às 09:12 h e baseado no gráfico intraday de 30’).

O dólar-futuro experimenta nova recuperação e se ultrapassar a resistência imediata de R$ 3,11/3,113 poderá atingir a reta de baixa, que neste momento passa em R$ 3,125 (comentário feito às 09:12 h e baseado no gráfico intraday de 30’).

Assista ao vídeo da Análise Gráfica

Balanços 2016

B2W

Apurou prejuízo líquido de R$ 102,3 milhões no 4T16, ante prejuízo de R$ 161,2 milhões no mesmo período do ano anterior. Em 2016, o prejuízo foi de R$ 485,9 milhões, ante prejuízo de R$ 418,4 milhões em 2015. A receita líquida foi de R$ 3,0 bilhões no 4T16, superando o 4T15 em 4,0%. No acumulado de 2016, a receita foi de R$ 8,6 bilhões, 4,6% inferior na comparação com 2015.

Ecorodovias

A partir de 2016 os ativos, passivos e resultados da Elog passaram a ser classificados na rubrica “Ativos e Passivos de operações descontinuados/mantidas para venda” no Balanço e como “Lucro/prejuízo de operações descontinuados/mantidas para venda” na DRE. Desta forma, a receita líquida pró-forma atingiu R$ 2,4 bilhões em 2016 (+3,7%), tendo a receita líquida pró-forma das concessões rodoviárias atingido R$ 2,1 bilhões. O lucro líquido comparável, que exclui o efeito da baixa dos ativos mantidos para venda (Elog), impairment e baixa de imposto diferido do Ecoporto, atingiu R$ 269,7 milhões em 2016 (+116,1%). A receita operacional líquida consolidada do exercício de 2016 atingiu R$ 2,8 bilhões (+3,4%) e pelo mesmo critério a Ecorodovias apurou prejuízo de R$ 949 milhões (lucro de R$ 116 milhões em 2016).

Lojas Americanas

Apresentou lucro líquido de R$ 255,6 milhões no 4T16, superando o 4T15 em 25,2%. No acumulado de 2016, o lucro foi de R$ 211,7 milhões, 15,4% abaixo do ano anterior. A receita líquida de vendas e serviços foi de R$ 6,3 bilhões no 4T16, avançando 7,7% sobre o mesmo período do ano anterior. Em 2016, a receita foi de R$ 18,1 bilhões, superando 2015 em 1,0%.

Lopes Brasil

Em 2016, a Lopes Brasil registrou prejuízo líquido de R$ 37,48 milhões, contra prejuízo líquido de R$ 371,14 milhões em 2015, pelo balanço individual. O Ebitda ajustado em 2016, por sua vez, foi de R$ 19,98 milhões. Frisa-se, por outro lado, que o Ebitda contábil de 2016 foi negativo de R$ 13,57 milhões. A diferença entre um e outro decorre da (i) reversão (perda) por Impairment, (II) perda na alienação de investimentos, (III) despesas não recorrentes.

Metalfrio

Registrou lucro líquido individual de R$ 14,88 milhões em 2016, revertendo o prejuízo líquido de 2015 de R$ 109,79 milhões. Um dos destaques foi a melhoria do resultado financeiro líquido, que passou de despesa de R$ 134,1 milhões em 2015 para despesa de R$ 17,8 milhões em 2016, reflexo do efeito positivo na dívida em moeda estrangeira, visto a valorização de 16,6% do real em relação ao dólar americano em 2016.

Agenda

Corporativa

Econômica

Investimentos Ltda. para uso exclusivo do destinatário, não podendo ser reproduzido ou distribuído por este para qualquer pessoa sem expressa autorização da Lopes Filho. Este Relatório de Análise é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa, em nenhuma hipótese, uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer valor mobiliário ou instrumento financeiro. As informações contidas neste Relatório de Análise são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, a Lopes Filho não pode garantir a exatidão e a qualidade das mesmas. As opiniões contidas neste Relatório de Análise são baseadas em julgamentos e estimativas, estando, portanto, sujeitas a mudanças.

Sem prejuízo do disposto acima e em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 483/10, o(s) analista(s) de valores mobiliários responsável(eis) pela elaboração deste Relatório de Análise declara(m) que:

(I) é (são) certificado(s) e credenciado(s) pela APIMEC.
(II) as análises e recomendações refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Lopes Filho.
(III) sua(s) remuneração(ões) é (são) fixa(s).

Informações adicionais sobre quaisquer emissores objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas diretamente, por telefone, com o(s) analista(s) responsável(eis). Os Relatórios de Análise podem ser consultados no website http://www.lopesfilho.com.br, cujo acesso é restrito aos assinantes e usuários do serviço de Assessoria em Mercado de Capitais da Lopes Filho. Informações sobre emissores que não são objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas através de solicitação ao Departamento Comercial.

As informações, opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação no sentido de atualização ou revisão com respeito a tal mudança.