Na véspera da esperada reunião de política monetária do Fed, os investidores ainda mostram cautela, apesar da posição majoritária de que não ocorrerá elevação dos juros nesta semana. A agenda de indicadores na Europa é fraca, com único destaque para a queda de 0,1% no PPI da Alemanha, contrariando a expectativa de alta. Nos EUA tivemos a divulgação dos números de licenças para construção e imóveis em construção, ambos de agosto, que mostraram quedas. Após estes dados, os contratos futuros de Dow Jones e S&P 500 ampliaram ligeiramente seus ganhos, chegando a 0,40%. Já o petróleo opera em queda ao redor de 1%, com menores chances de um acordo entre Opep e Rússia para congelarem a produção. Por aqui o grande foco pode estar na Petrobras, que divulgou seu “Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021” (veja mais na sessão Curtas Empresas). O Ibovespa futuro operava, às 9h40, com alta de 0,58%.

Foco Gráfico


O Ibovespa-futuro abriu em alta, mas precisando ultrapassar a resistência imediata de 58.530 pontos para permitir o ingresso em mais consistente manifestação altista (comentário feito às 09:08 h e baseado no gráfico intraday de 60’).

O dólar-futuro voltou a cair depois da recuperação e se perder a zona de sustentação situada em R$ 3,265/R$ 3,26 indicará possibilidade de extensão da queda até R$ 3,23. Para sinalizar a possibilidade de uma reação mais forte, terá que ultrapassar a resistência de R$ 3,29 (comentário feito às 09:08 h e baseado no gráfico intraday de 60’).

Assista ao vídeo da Análise Gráfica

Economia em Foco

IPC-Fipe desacelerou na segunda semana de setembro
A Fipe divulgou o IPC da 2ª quadrissemana deste mês, com variação de apenas 0,01%, ante 0,05% na semana anterior. Dos sete grupos componentes do índice, três apresentaram desaceleração, com destaque para Alimentação (de 0,55% para 0,06%), seguido por Despesas Pessoais (de -0,19% para -0,47%) e Saúde (de 0,69% para 0,52%). O decréscimo do IPC não foi mais significativo devido à aceleração noutros grupos, como, por exemplo, o Vestuário (de 0,36% para 0,76%). Por ora, a inflação em São Paulo está baixa, mas espera-se alguma pressão no varejo nos itens alimentícios até o final do mês, por conta da estimativa de quebra de produção de grãos e entressafra da carne.

EUA – Imóveis em construção: de acordo com o Departamento de comércio dos EUA, as construções de moradias no país recuaram 5,8%, chegando a 1,142 milhão em agosto ante julho. O resultado veio abaixo da expectativa do mercado, que apontava 1,186 milhão. As permissões para novas obras recuaram 0,4% para a taxa do mês anterior, chegando a 1,139 milhão em agosto. O resultado veio abaixo da expectativa média de mercado, de 1,160 milhão.

Agenda

Econômica

Econômica