EDP Espírito Santo divulga reajuste tarifário anual

A aprovou o reajuste tarifário anual da EDP Espírito Santo, a ser aplicado a partir de 07 de agosto de 2017. Em relação à tarifa praticada atualmente, o efeito médio a ser percebido pelos consumidores será de +9,34%, sendo +10,90% para os consumidores atendidos em alta e média tensão e +8,53% para os consumidores atendidos em baixa tensão. Notícia neutra.

Fibria emitirá notas de crédito à exportação (NCEs)

A companhia emitirá notas NCEs que servirão de lastro para operação de captação de recursos via mercado de capitais, por meio da distribuição pública de certificados de recebíveis do agronegócio (CRA) a serem emitidos pela RB Capital Companhia de Securitização de Direitos Creditórios do Agronegócio S.A., no valor inicial de R$ 750 milhões, podendo a oferta atingir até R$ 1.012,5 milhões.

Itauunibanco: guidance confirma nossas expectativas

O novo guidance do Itaú para 2017 praticamente não mostrou alteração ante o divulgado por ocasião da divulgação do balanço do primeiro trimestre. A carteira de crédito expandida deve se situar no intervalo de 0% a 4%. A margem financeira com cliente, um recuo de -4,1% a -0,8%. As despesas com PDD, num intervalo de R$ 15,5 bilhões a R$ 18 bilhões. As receitas com serviços e seguros entre a faixa de 0,5% a 4,5%, bem como as despesas não decorrentes de juros entre 1,5% a 4,5%. Especificamente no Brasil, o guidance é que a carteira de crédito expandida fique numa faixa de -2% a +2%. Tais expectativas estão em linha com nossas premissas divulgadas em Relatório de Recomendação vigente, com recomendação de Compra.

Sabesp: revisão tarifária ganha mais prazo

A Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo – ARSESP, publicou comunicado, no qual concede o prazo adicional solicitado de 07 dias para esclarecimentos finais sobre o teor das informações apresentadas pela Companhia no âmbito da etapa preliminar da 2ª Revisão Tarifária Ordinária e informa que divulgará até o dia 7 de agosto o cronograma alterado da 2ª Revisão Tarifária Ordinária da Sabesp. Notícia neutra.

Suzano Papel: migração para o Novo Mercado

O Conselho de Administração da Suzano aprovou a submissão da proposta de migração da Companhia para o Novo Mercado da B3, e a consequente admissão a negociação das ações de sua emissão nesse segmento, à manifestação prévia do BNDESPAR, dado o Acordo de Acionistas em vigor. A proposta contempla a conversão da totalidade das ações preferenciais em ações ordinárias, na proporção de 1 ação preferencial, classes A ou B, para cada 1 ação ordinária. Boa notícia. A Suzano fará uma teleconferência hoje, às 10h30, para eventuais esclarecimentos.

Unipar: Vila Velha pede revogação da OPA

A Vila Velha, acionista controlador e ofertante da OPA para cancelamento do registro de companhia aberta da Unipar protocolizou ontem junto à CVM a sua intenção de revogar a OPA, tendo em vista a implementação de condição resolutiva, nos termos do inciso ix do item 4.8. do Edital da Oferta, que permanecerá suspensa até que haja manifestação da área técnica da CVM.

O inciso ix do item 4.8 do Edital da OPA condiciona sua realização a não ocorrência de: “qualquer mudança adversa nos negócios, operações, ativos ou posições (financeiras, de negociações ou outras) da Companhia e/ou do Ofertante, que represente ou possa vir a representar 5% (cinco por cento) ou mais do lucro da Companhia e/ou do Ofertante antes da incidência do imposto de renda e da contribuição social, considerando, para este fim, o lucro constante das demonstrações financeiras da Companhia referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2016.

A Unipar concluiu o cálculo do ganho por compra vantajosa pela aquisição de 70,59% do capital da Solvay Indupa quatro meses após o fechamento das demonstrações financeiras de 2016. O valor do ganho por compra vantajosa considerado na primeira versão do Balanço de 2016 foi de R$ 244 milhões chegando a R$ 516 milhões após concluído os trabalhos de verificação dos ativos e passivos da Solvay, o que fez o lucro da Unipar antes do IR e CSLL do exercício de 2016 passar de R$ 196,633 milhões para R$ 468,607 milhões. Este acréscimo se enquadra no definido no inciso ix do item 4.8 do Edital da OPA e acreditamos ter sido esta a motivação da desistência da Vila Velha. Porém, como o novo cálculo é conhecido desde o início de maio, não é possível compreender a razão da Vila Velha só haver se manifestado agora.

O ganho por compra vantajosa se justifica pelo contexto de mercado e clara intenção de saída do segmento da Solvay pela vendedora, combinada com a intenção frustrada de venda anterior do negócio, resultando numa situação de venda forçada, na qual o vendedor é compelido a agir dessa forma para realização de seus propósitos. O ganho, líquido dos impostos diferidos, foi de R$ 340,566 milhões.