Contax: nova emissão de debêntures e aumento do capital autorizado

Dona de uma dívida financeira bruta de R$ 1,5 bilhão, um patrimônio a descoberto em R$ 165,358 milhões e um capital social de R$ 188,866 milhões, a Contax vai convocar Assembleia de acionistas para aumentar o capital autorizado de R$ 400 milhões para R$ 1,1 bilhão. Em paralelo, o Conselho de Administração autorizou a realização de oferta pública de distribuição de debêntures nominativas em até 4 séries da espécie com garantia real. Destas, a terceira e a quarta séries são compostas por debêntures conversíveis em ações da 5ª Emissão, condicionada à aprovação do aumento do limite do capital autorizado pelos acionistas. Este é mais um movimento da Contax no sentido de solucionar sua difícil situação financeira.

Fitch mantém rating da Engie Brasil

O resultado do leilão de UHEs realizado nesta quarta-feira, 27 de setembro, não afeta significativamente o perfil de crédito da Engie, segundo avaliação de um relatório da agência de classificação de risco Fitch Ratings. A geradora saiu vitoriosa em seu lance para as UHEs Jaguara e Miranda e com isso adicionou 832 MW à sua capacidade instalada. O desembolso total, mediante o pagamento de uma taxa de outorga que somará R$ 3,5 bilhões, está agendado para 30 de novembro. A Fitch afirma que a Engie Brasil será capaz de manter seu sólido perfil financeiro, apesar da expectativa de que o pagamento da taxa de concessão será totalmente financiado por dívida. E acredita que a companhia permanecerá registrando baixa alavancagem no segmento de geração de energia e forte posição de liquidez. Notícia positiva.

Multiplus amplia atuação internacional

A Multiplus terá acesso irrestrito aos voos das companhias aéreas que integram e/ou que venham a integrar o grupo LATAM – incluindo, mas não se limitando, a LATAM Brasil e a LATAM Airlines Chile. Com isso, a Multiplus duplica as opções de resgate por passagens aéreas pelos participantes da rede de coalizão da Companhia, com destaque para destinos como Sydney, Melbourne, Miami, Nova York, Los Angeles, Barcelona, Madrid, Lima, Cusco, Cartagena, Buenos Aires, Bariloche e Ilha de Páscoa. A Multiplus terá o direito de atuar exclusivamente como coalizão no Brasil, Paraguai, México, Estados Unidos e em todos os países da Europa, enquanto que a LATAM terá o direito de explorar o negócio de coalizão exclusivamente na América Central e América do Sul (exceto México, Paraguai e Brasil). Temporariamente, até que se atinja 200 mil participantes, os residentes no Canadá acumularão pontos MULTIPLUS e os residentes dos demais países acumularão quilômetros LATAMPASS. A Multiplus acredita, e nós concordamos, que o Acordo com o grupo LATAM é positivo, permitindo, inclusive, possível maximização de oportunidade de crescimento em diversos mercados e regiões.

Natura nomeia David Boynton para presidir a The Body Shop

Após concluir a aquisição da The Body Shop, a Natura comunica a nomeação de David Boynton como novo Diretor Presidente desta empresa. David Boynton ocupa, desde 2016, a posição de diretor presidente da Charles Tyrwhitt, companhia britânica de moda masculina e antes ele ocupou, ao longo de 10 anos, diversos cargos de liderança na companhia francesa de cosméticos, L’Occitane. A posse do novo presidente ocorrerá em 4 de dezembro de 2017.

Suzano Papel: controladores assinam acordo de voto

Os acionistas controladores da Suzano, David Feffer, Daniel Feffer, Jorge Feffer, Ruben Feffer e Suzano Holding S.A. celebraram Acordo de Voto para regular o exercício do direito de voto de 50,035% do capital social da Companhia. O Acordo de Voto será válido e vinculante entre os Acionistas, seus Sucessores e Cessionários Permitidos até 28/09/2027 e será automaticamente renovado por período adicional de 10 anos na ausência de manifestação expressa em contrário de qualquer Grupo de Acionistas ou da Suzano Holding, durante o penúltimo ano de cada período da vigência do Acordo. Além disso, os irmãos Feffer celebraram Acordo sobre Transferência de Ações para regular a transferência e a vedação à constituição de ônus sobre 16,792% do capital social da Suzano. Hoje, os acionistas da Suzano vão apreciar a proposta de migração da listagem de suas ações para o Novo Mercado e a conversão das ações PNA e PNB em ações ON na proporção de 1:1. O Acordo de Voto precede, como não poderia deixar de ser, a aprovação dessas matérias pelos acionistas preferencialistas e mantém o controle da Suzano com a Família Feffer.