Light: bloco de controle define venda conjunta

As Assembleias Gerais Extraordinárias da RME – Rio Minas Energia Participações S.A. e da Luce Empreendimentos e Participações S.A. deliberaram iniciar processo de alienação da totalidade das suas participações no capital social da Light S.A.. Estas deliberações formaliza a decisão conjunta de Cemig, RME e Luce alienarem a totalidade do bloco de controle da Light, que detém 52,12% do capital social da companhia.

Petrobras: produção de petróleo e gás natural em junho

Petrobras informa que sua produção total de petróleo e gás natural, em junho, foi de 2,81 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed), dos quais 2,70 milhões boed foram produzidos no Brasil. A produção média de petróleo no país foi de 2,20 milhões de barris por dia (bpd), volume 0,6% superior ao de maio. A petroleira justifica que esse resultado se deve, principalmente, ao retorno à produção, após parada programada, da plataforma P-43 e do FPSO Cidade de Mangaratiba. Já a produção de gás natural no Brasil em junho, excluído o volume liquefeito, foi de 80,3 milhões de m³/d, 1,8% acima do mês anterior, decorrente, principalmente, do retorno à produção do FPSO Cidade de Mangaratiba.

Petrobras: produção no pré-sal em junho atinge recordes

Em junho, a produção de petróleo operada pela Petrobras (parcela própria e dos parceiros), na camada pré-sal, atingiu dois novos recordes: o mensal, com a produção de 1,35 milhão bpd, e o diário, alcançado no último dia 19 de junho, de 1,42 milhão de barris. Além disso, a produção de petróleo e gás natural operada alcançou o novo recorde de 1,69 milhão de boed. Contribuíram para esse resultado o início de produção da plataforma P-66, no campo de Lula, e a entrada em produção, ao longo deste ano, de novos poços produtores conectados aos FPSOs Cidade de Caraguatatuba, Cidade de Ilhabela, Cidade de Maricá, Cidade de Mangaratiba e Cidade de Saquarema, todos instalados na Bacia de Santos.

Aviação: governo deve retomar medidas importantes para o setor

A edição impressa do jornal Valor Econômico de hoje noticia que o governo pretende retomar a discussão para implementação de cinco medidas de competitividade para o setor aéreo: 1. teto para alíquotas de ICMS sobre o querosene de aviação; 2. fim do limite para participação do capital estrangeiro nas cias aéreas brasileiras; 3. o acordo de céus abertos entre Brasil e Estados Unidos; 4. uma nova rodada de concessões de aeroportos; e 5. início das atividades da Asas, subsidiária da Infraero para prestar serviços na aviação regional. São medidas importantes para a aviação brasileira com potencial para alavancar as ações das cias aéreas.