Onde investir em 2021? Depois de um ano repleto de desafios e acontecimentos históricos, como foi o de 2020, muitas pessoas podem estar se fazendo essa pergunta. A cada dia cresce o número de indivíduos que saem da poupança e passam a optar por ativos de renda variável.

Mesmo os que possuem investimentos de renda fixa, passaram a considerar também instrumentos financeiros mais rentáveis. Diante de tantas opções, quais são as mais indicadas para este ano?

Pensando nisso, resolvemos preparar um artigo completo sobre o assunto. Nele, mostraremos um pouco mais sobre o cenário em que vivemos e os ativos mais atrativos para o momento. Acompanhe!

 

Como está o mercado financeiro atual no Brasil?

Em termos de renda variável, o Brasil vem passando por um processo de recuperação. Após o momento de total volatilidade e instabilidade que vivemos durante o ano de 2020, muitas empresas vêm conseguindo se reerguer do grande tombo que sofreram.

O mercado acionário se recupera de uma forma realmente incrível. No entanto, isso ocorre com aquelas empresas mais sólidas, que têm todos os fundamentos muito bem alinhados.

Por outro lado, vemos que a taxa básica de juros da economia, a SELIC, se mantém baixa, apesar da última decisão do Copom, que a elevou para 2,75% ao ano, após meses em seu menor patamar da história. Com isso, é natural que o rendimento de alguns investimentos também seja prejudicado, mais especificamente das aplicações de renda fixa

Nesse cenário, testemunhamos em 2020 e no início de 2021 um fenômeno que já vinha ocorrendo desde 2019: a avalanche de CPFs que estão sendo cadastrados na Bolsa de Valores.

O número já ultrapassa os 3 milhões, o que significa quase o triplo de pessoas cadastradas em dezembro de 2019, por exemplo. O principal motivo para que isso aconteça é que o brasileiro está abrindo os olhos e percebendo que existem muito mais oportunidades na Bolsa de Valores do que na poupança, por exemplo.

 

Qual foi o impacto da pandemia no mercado de investimentos?

O ano de 2020 sempre será lembrado como um período desafiador. Não há como descrever o tamanho da perda que o mundo sofreu e vem sofrendo até agora. Os maiores impactos foram sentidos na saúde pública, nos empregos e na renda.

Por outro lado, o mercado financeiro também teve um impacto forte com a crise, quando, logo de início, fomos surpreendidos com momentos de grande instabilidade. Em um intervalo de oito pregões, o Circuit Breaker (que é a paralisação das operações na Bolsa de Valores devido a movimentações bruscas e acima de um certo limite no índice principal, o Ibovespa) foi acionado seis vezes.

Foi uma grande queda! Empresas sólidas no mercado tiveram os preços de suas ações derretidas e muitas pessoas viram os seus ativos perderem valor.

Esse momento foi uma verdadeira escola para os investidores. Quem vivenciou pôde entender a importância que existe na diversificação de investimentos ou em processos de Hedge.

Também aprendemos que aquele ditado muito mencionado no mundo dos investimentos “foguete não dá ré” está totalmente equivocado. Sim, grandes e sólidas empresas podem ser afetadas negativamente por questões macroeconômicas.

No entanto, as quedas não foram de todo desfavoráveis: aqueles investidores que possuíam ativos com alta liquidez, e que podiam ser convertidos facilmente em dinheiro, tiveram a oportunidade de utilizar esses recursos na compra das ações de grandes empresas do Brasil, a um preço realmente muito baixo em relação ao patamar que vinha o mercado.

 

Onde investir em 2021?

Depois de toda essa explanação, uma dúvida fica no ar: onde investir em 2021? Quais os ativos mais indicados para alocar os seus recursos? Neste tópico, mostraremos algumas dicas interessantes que você pode seguir. Continue a leitura!

 

AÇÕES
As ações são ativos de renda variável que sempre serão referência de investimento nesse segmento. Um dos motivos para isso é o fato de que esses ativos atendem a mais de um perfil de investidor, como os moderados e arrojados.

E não só isso: esse mercado tem mostrado uma grande força, mesmo em momentos críticos para a economia. Por exemplo, mesmo com a queda brusca que aconteceu no ano de 2020, muitas das empresas que protagonizaram essa crise conseguiram se recuperar.

Para se ter uma ideia disso, o Ibovespa, que antes do início da pandemia havia alcançado o patamar, até então, recorde de pouco mais de 118 mil pontos em janeiro de 2020, sofreu uma queda acentuada, chegando a pouco mais de 66 mil pontos em março daquele mesmo ano, em decorrência do início da pandemia do novo coronavírus.

No entanto, essa rápida recuperação se seguiu ao longo de 2020. No último pregão do ano passado, o índice atingiu mais de 119 mil pontos e, já esse ano, em janeiro de 2021, atingiu um novo recorde, ao ultrapassar os 125 mil pontos.

É claro que o mercado financeiro como um todo ainda está sensível, devido a uma série de fatores. Mas é possível notar o quanto esse mercado tem mostrado sua crescente solidez e potencial de crescimento.

Além do fato de que, ao observarmos o cenário mencionado a respeito da forte oscilação sofrida pelo mercado acionário, é possível notar, também, que milhares de investidores tiveram a oportunidade de adquirir papéis de grandes empresas a cotações realmente muito atrativas.

Em alguns meses, muitas dessas companhias se recuperaram e voltaram aos patamares que já negociavam nos últimos tempos, ou melhores — o que gerou excelentes resultados para quem adquiriu as ações na crise.

Além disso, o investimento em ações proporciona ao investidor a possibilidade de constituir uma renda recorrente e passiva. Isso acontece, pois, muitas companhias distribuem lucros para os acionistas em forma de proventos, como dividendos.

BDRs
Os Brazilian Depositary Receipts (BDRs) são ativos negociados na Bolsa de Valores brasileira, porém, que representam ativos de companhias estrangeiras.

Em outras palavras, você pode comprar um ativo que tem sua cotação referenciada no desempenho de valores mobiliários de grandes companhias estrangeiras, como, por exemplo, Google, Amazon, Apple. E isso é feito sem que você precise enviar recursos para os países de origem dessas companhias, o que torna essa opção de investimento prática e acessível.

FUNDOS MULTIMERCADO
Outra opção de investimento para 2021 são os fundos multimercados. Basicamente, essa categoria de fundos de investimento pode mesclar em sua carteira, diversos produtos de segmentos diferentes – tanto de renda fixa, quanto de renda variável.

Por exemplo, é possível que a política de investimentos do fundo permita a aplicação, ao mesmo tempo, em ações, títulos de renda fixa privada, pública, moedas, derivativos, commodities, entre outras opções.

Os recursos aplicados em um fundo de investimento, compõem o patrimônio total dele, que é representado por cotas divididas, cada uma, pelo mesmo valor. A quantidade de cotas que um investidor possui ao aplicar recursos em um fundo, é igualmente proporcional à sua participação financeira no patrimônio desse produto.

Vale lembrar que o gestor de um fundo de investimentos é um profissional especializado para essa atividade e é quem, de acordo com a política de investimentos, escolhe os melhores produtos que irão compor a carteira do fundo.

FUNDOS DE AÇÕES
Outra opção muito interessante para o ano de 2021 são os fundos de ações. Nesse caso, a maior parte do patrimônio do fundo é destinada à aplicação em papéis de empresas negociados na Bolsa de Valores.

A grande vantagem dessa modalidade é que o fundo investe um grande volume de recursos – provenientes das aplicações dos cotistas, em diversos ativos, incluindo ações de várias empresas.

Consequentemente, isso permite que o investidor aumente sua exposição ao desempenho de diversas empresas, visto que o patrimônio do fundo é investido em diferentes papéis. Isso é ainda mais interessante para investidores que movimentam um volume financeiro pequeno se compararmos com o enorme patrimônio de um fundo de investimentos.

Portanto, vale a pena pensar nessa opção de investimento para 2021. Porém, é importante ressaltar que nada impede que você tenha cotas de um fundo de ações e adquira papéis individualmente na Bolsa de Valores.

FUNDOS IMOBILIÁRIOS
Por fim, temos o fundo imobiliário, uma categoria de fundos de investimento que, diferente dos outros dois mencionados anteriormente, tem suas cotas negociadas em Bolsa de Valores.

Basicamente, o gestor do fundo utiliza o capital acumulado para investir em ativos do segmento imobiliário. Dessa forma, o investidor pode ter ganhos com o recebimento de aluguéis ou a venda de imóveis, por exemplo, de forma proporcional à sua participação no fundo, por meio do pagamento de proventos creditados em sua conta corrente da instituição de investimentos que está custodiando sua aplicação.

 

Como fracionar os seus investimentos?

Sabendo onde investir em 2021 você pode ter ficado com a dúvida sobre quais dos ativos escolher. Inicialmente, é importante ter em mente que você jamais deve ficar preso a somente uma classe de investimentos.

O mais importante é que você diversifique seus investimentos, pois, se deixar todo o seu patrimônio investido em um único ativo e ele eventualmente vier a perder valor, o seu capital inteiro será prejudicado.

Nesse sentido, qual a melhor forma de diversificar seus investimentos? Muito simples: você deve fracionar o seu capital de acordo com o seu perfil de investidor, em diferentes ativos, e de acordo, também, com o perfil de risco de cada ativo.

O mais importante, nesse caso, é você entender que a diversificação de investimentos protege o seu patrimônio e, principalmente, possibilita que você experimente diversos tipos de rentabilidade.

No entanto, para fazer esse fracionamento é importante analisar com muito cuidado os seus objetivos financeiros, perfil de investidor e o próprio mercado em si.

Fuja de soluções mágicas que afirmam que fórmula X ou Y de fracionamento de capital é a mais segura e lucrativa. Esse é um trabalho que deve ser feito de forma individualizada e específica, obedecendo as suas particularidades, conhecimento e necessidades.

 

Portanto, para investir com segurança e rentabilidade, abra a sua conta no modalmais e veja como ter acesso às melhores opções do mercado financeiro.

Gostou destas informações? Para ficar por dentro das principais notícias do mundo de finanças e aprender a gerir melhor as suas economias, assine a nossa newsletter gratuita.