Você tem dificuldades para realizar TEDs ou DOCs com agilidade e facilidade, independentemente do dia da semana ou horário? Certamente sim, afinal, nem sempre é possível realizar esse tipo de transação. A novidade é que isso está com os dias contados, pois o PIX está chegando.

Ficou curioso para saber mais sobre o assunto? Então, você chegou ao local certo, pois mostraremos tudo sobre essa novidade neste artigo. Confira!

 

O que é o PIX?

Vamos começar este artigo com a definição do PIX. Basicamente, trata-se de um novo meio de pagamentos que tem por objetivo principal facilitar a transferência de valores entre pessoas, bem como pagamentos.

A diferença fundamental e mais marcante desse procedimento é a possibilidade de executar essas transações sem restrições de dias e horários.

 

Como funciona o Pix

Como você pode perceber, o conceito é muito simples. Agora, para melhor entendimento sobre como funciona essa ferramenta, é importante esclarecermos o contexto de desempenho do mercado atual.

 

Funcionamento nos dias atuais

Essencialmente, se você pretende fazer uma transferência para outra conta bancária, mesmo que seja no seu próprio nome, terá duas opções. A primeira é a Transferência Eletrônica Disponível (TED).

Nesse caso, o valor transacionado é creditado na conta de destino até as 17h do mesmo dia, e não existe um valor mínimo a ser transferido, tampouco máximo.

Até pouco tempo, esse tipo de transação era utilizado apenas para transferir montantes maiores, geralmente acima de R$ 5 mil, mas, com a popularização do procedimento, ele passou a ser aberto para qualquer valor.

Além da TED, temos o Documento de Ordem de Crédito (DOC). Essa transação é um pouco mais demorada. Geralmente, ela deve ser feita até as 22h do dia atual, para ser creditada na conta de destino no dia útil seguinte.

Além dessa limitação, só é permitido fazer DOC para transações com valores até R$ 4.999,99.

Apesar da diferença relacionada ao tempo de concretização da transação, tanto a TED como o DOC têm tarifas muito semelhantes, o que fez com que esse último fosse sendo esquecido pelas pessoas.

As TEDs e DOCs são transações limitadas por horários e dias úteis. Por exemplo, se você fizer uma TED após as 17h, não haverá a concretização da transação no mesmo dia. Além disso, aos sábados, domingos e feriados, não é possível realizar essa operação. As TEDs solicitadas nesses dias ficam agendadas para o dia útil seguinte.

Ainda com relação ao funcionamento bancário nos dias atuais, precisamos destacar os pagamentos realizados. Quando feitos em boleto ou presencialmente, utilizando um cartão de débito, também existem algumas restrições de dias para que o valor seja identificado pelo recebedor.

Os boletos, por exemplo, podem demorar dois ou três dias úteis para serem processados, o que pode atrasar alguns objetivos do pagador e do recebedor.

 

Proposta do PIX

O PIX é um processo que funcionará com base em dois pilares principais: na simplificação das informações e liberdade de realizar transações a qualquer momento, 24 horas por dia, em 24 horas do dia, 7 dias por semana, independentemente de feriado ou finais de semana.

Em outras palavras, o sistema é simples e se resume em realizar transações em tempo real e, além disso, sem que exija a intermediação de um terceiro. O valor sai da conta do pagador diretamente para o recebedor: tudo praticamente em tempo real, sem que ambos tenham que esperar alguns minutos, horas ou, até mesmo, dias para concretizar uma transação.

Para você ter uma ideia de como funcionará esse processo, basta utilizar como exemplo as  transferências entre contas de um mesmo banco. Elas são instantâneas e podem ser feitas a qualquer momento do dia, e o valor é creditado imediatamente.

Com o PIX, esse benefício não ficará restrito apenas a contas de uma mesma instituição bancária e será estendido a transações:

  •  Entre pessoas físicas ou jurídicas;
  • Entre pessoas e estabelecimentos comerciais;
  • Entre estabelecimentos comerciais e, até mesmo, entre entes governamentais.

Isso significa que, até mesmo os órgãos do Governo poderão receber pagamentos de tributos e taxas, por meio desse novo sistema.

Quer um exemplo de como isso pode ser benéfico para um investidor? Imagine que, em determinado dia, você perceba que as ações de uma empresa estão próximas de ter uma forte alta. Entretanto, ao abrir a sua plataforma de investimentos, verifica que não há recurso suficiente para entrar na operação. Para deixá-lo ainda mais aflito, nota que faltam apenas 5 minutos para as 17h.

Sendo assim, seria impossível abrir a sua conta no computador ou smartphone, realizar a TED e aguardar alguns minutos até chegar em sua conta na corretora ou no banco de investimentos.

 

Qual é a atuação do Banco Central nesse processo?

Quem lidera o processo de implementação do PIX é o Banco Central. Ele vem construindo esse sistema de forma participativa e envolvendo diversos agentes do mercado.

O objetivo principal é aumentar a eficiência e a competitividade do mercado que utiliza meios de pagamento no Brasil, seguindo com um processo que objetiva facilitar o empreendedorismo e os investimentos no país.

Além disso, o Banco Central também quer dar ainda mais informatização aos processos bancários, que vêm sendo transformados de forma muito positiva com o auxílio da tecnologia.

Apesar de esse assunto ter vindo à tona por volta dos anos de 2018 e 2019, a tentativa e o incentivo de desenvolver uma ferramenta semelhante ao PIX surgiram em meados de 2013, quando foi divulgado um relatório de vigilância do sistema de pagamentos brasileiro.

Com o documento, o Banco Central pôde entender o tamanho do gargalo que o país vive com relação aos meios de pagamento e sentiu a necessidade de realizar alterações nesses processos, de modo a manter a padronização, entretanto, com mais agilidade e, principalmente, modernidade.

 

Quais são as vantagens do PIX?

Agora que você entendeu o que é o PIX, mostraremos as principais vantagens que esse sistema pode proporcionar para as pessoas em geral.

 

Possibilidade de realização de transações a qualquer momento

Sem dúvidas, um dos benefícios mais marcantes e que já descrevemos brevemente em outros tópicos deste texto é a possibilidade de realizar transações a qualquer momento, como por exemplo aos finais de semana, sem grandes limitações.

Isso proporcionará mais liberdade para os correntistas executarem transações de acordo com suas necessidades, não ficando atrelados a regras que, em muitos casos, são restritivas para o cliente.

 

Automatização e conciliação de pagamentos

Outro benefício é a automatização e conciliação de processos de pagamento. O PIX facilitará a identificação e o controle de entradas e saídas de recursos de uma pessoa física ou jurídica.

Essa funcionalidade será ainda mais interessante para empreendimentos comerciais, que utilizarão a tecnologia do sistema para criar parâmetros que facilitarão a identificação de pagamentos por parte de seus clientes.

 

Eletronização de meios de pagamentos

Outro benefício a ser conquistado é a eletronização de meios de pagamento, ou seja, a transformação de processos manuais pelos online. Nesse sentido, boletos, cartões de crédito e, até mesmo o dinheiro em espécie, serão cada vez menos utilizados.

Uma das principais limitações dos meios de pagamento que não utilizam moedas é o tempo em que o valor pode entrar na conta do recebedor e ser utilizado por ele.

Por isso, muitos descontos e benefícios em compras são concedidos apenas para transações que utilizam dinheiro em espécie. Com o PIX , a expectativa é que isso chegue ao fim e as empresas ofereçam as mesmas condições para pagamentos que utilizam a plataforma.

Afinal, ela eliminará o único motivo para que uma compra utilizando cartões e boletos não goze de benefícios específicos, que seria a demora para que o recebedor tenha acesso ao recurso.

Obviamente, isso pode demorar algum tempo para chegar a esse nível, pois nem todos os estabelecimentos começarão a utilizar a nova ferramenta logo após a sua autorização por parte do Banco Central.

Todavia, isso não deve demorar muito para acontecer, pois as pessoas tendem a receber muito bem as novidades que facilitam a sua rotina.

 

Facilidade de entrada para novos negócios

Uma das principais dificuldades que uma nova empresa enfrenta é a oferta de diferentes métodos de pagamento. Com o PIX e o desuso de cartões, boletos e demais meios, esse problema será resolvido.

À medida que as pessoas começarem a utilizar a plataforma, apenas a oferta dessa única forma de pagamento será necessária para uma pequena ou média empresa.

 

Diferencial competitivo a ser oferecido aos clientes

Por fim, o PIX poderá ser utilizado como um diferencial competitivo para as empresas oferecerem aos seus clientes, e quem ganha com tudo isso são os consumidores.

Assim, você poderá escolher fazer negócios apenas com bancos, instituições financeiras ou estabelecimentos comerciais que oferecem o PIX como método de pagamento.

 

Qual será o prazo de implementação?

A implementação do PIX no Brasil deve seguir algumas etapas. Como toda nova legislação ou determinação advinda do Governo Federal, ele precisa de um tempo para que as empresas envolvidas possam adequar-se, a fim de fornecer o melhor serviço possível aos seus clientes.

Afinal, por mais que o PIX seja um sistema inovador e muito benéfico, não adiantaria contar com toda essa tecnologia se bancos, fintechs e instituições  financeiras não fornecerem um serviço de qualidade e livre de erros.

Nesse sentido, a primeira etapa ocorrerá a partir de 5 de outubro de 2020. Até essa data, todas as instituições bancárias, sejam elas bancos (tradicionais ou digitais) ou fintechs que tenham uma base com mais de 500 mil clientes ativos, devem oferecer o PIX.

Isso deve ser feito por meio de chaves que serão fornecidas aos clientes, que poderão associar as suas próprias contas bancárias com algum tipo de identificação — um e-mail, número de telefone ou o seu próprio CPF/CNPJ.

A partir de novembro do mesmo ano, os clientes que forem cadastrados no PIX terão a oportunidade de utilizar o sistema como alternativa para a realização de suas transações.

Além das transferências, os estabelecimentos também estarão aptos a aceitar o PIX para o pagamento de contas por meio de QR Codes.

Por esse motivo que mencionamos a possibilidade de esse sistema ser utilizado mais do que  TED e DOC, o próprio cartão de débito ou, até mesmo, o dinheiro em espécie.

 

Como cadastrar a chave Pix

O cadastro da chave Pix é muito simples. Ele será feito por meio do aplicativo do modalmais, confira:

  1. Acesse o APP do Banco Digital modalmais;
  2. Clique na aba “PIX”;
  3. Clique em “Cadastrar chave”;
  4. Selecione o tipo de chave que você deseja cadastrar;
  5. Informe os dados do tipo de chave escolhida;
  6. Será enviado um código de confirmação para seu e-mail/celular;
  7. Digite o código recebido e clique em “Continuar”;
  8. Capture uma foto do seu rosto em um local iluminado;
  9. Digite sua assinatura eletrônica;
  10. Pronto, chave cadastrada! Caso você solicite após as 20h, o cadastro será efetivado no próximo dia.

O código poderá ser:

  • CPF ou CNPJ do titular;
  • endereço de e-mail;
  • número de telefone fixo ou celular;
  • código aleatório(esse gerado pelo Banco Central).

A grande vantagem da chave PIX é a possibilidade de criar um código que se adapte às suas necessidades. Algumas pessoas podem não ficar muito confortáveis de fornecer o CNPJ ou CPF para terceiros ou, ainda, o número de telefone ou e-mail.

Assim, o usuário pode selecionar um código aleatório para representar suas contas no Pix.

 

Como realizar transações com o PIX?

O modo de transacionar utilizando o PIX ainda será divulgado pelos bancos e instituições financeiras que utilizarão o sistema. Contudo, de forma mais simplificada, podemos demonstrar como tudo vai funcionar.

Como a ideia central do PIX é reduzir a complexidade das transações financeiras, a necessidade de dados também será menor. Nesse sentido, o sistema não precisa de números de conta, agência, nome, CPF e demais códigos que são utilizados atualmente.

Para identificar um recebedor e pagador, o sistema dará algumas alternativas. A primeira será a chave de endereçamento. Ela será um e-mail, número de telefone, CPF ou uma espécie de código com números e letras aleatórios chamados de EVP.

Também poderá haver a identificação por meio de um link gerado pelo próprio smartphone dos usuários ou, ainda, pela leitura de um QR Code.

Assim, as transações serão feitas sem custos, mesmo que entre instituições diferentes, desde que estejam cadastradas.

Ainda haverá a opção de ativar o PIX em diferentes contas que a pessoa possua. Para isso, será necessária a criação de chaves exclusivas para cada uma delas, que servirão como forma de identificação de suas contas.

No caso de compras em algum estabelecimento comercial, o PIX utilizará os mesmos mecanismos de transferências.

Até o momento, a ideia é que esses pagamentos dependam de acesso à internet para serem concretizados. No entanto, existe uma previsão para que o PIX funcione para pagamentos de modo offline. Isso pode acontecer por volta do ano de 2021. Nesse mesmo período, espera-se que seja implementado um processo chamado de “saque PIX”, para que o recebedor possa sacar seus rendimentos em redes varejistas.

O PIX também disponibilizará o agendamento de pagamentos, assim como ocorre em contas tradicionais. Ele também enviará o comprovante da transação para quem pagou ou recebeu por meio do sistema.

As transações realizadas por meio do PIX sempre aparecerão no extrato da sua conta que mantém junto ao banco. Como se trata de um serviço instantâneo, exigirá um pouco mais de atenção do usuário.

Afinal, valores que forem enviados por engano não serão estornados automaticamente, tendo em vista que o recebedor terá acesso ao montante quase que imediatamente.

Obviamente, haverá a possibilidade de devolução total ou parcial de valores pagos indevidamente, mas esse processo poderá ser iniciado apenas pelo recebedor. Por isso, é importantíssimo ter atenção redobrada quando utilizar o sistema.

Uma transação equivocada para uma pessoa mal-intencionada pode fazer você perder o valor enviado, obrigando-o a procurar a justiça para tentar provar o seu direito de ser ressarcido.

 

Qual será o valor limite das transações?

Uma grande e verdadeira pedra no sapato, especialmente para os investidores que movimentam grandes quantias, são os limites de movimentação que os bancos impõem sobre os clientes.

Existem casos em que, quando um correntista precisa fazer uma transação um pouco mais elevada que o habitual, ele necessite ir até a agência e enfrentar fila para conversar com o seu gerente.

Em alguns casos, inclusive, ele precisa aguardar alguns dias para que o novo limite seja liberado em sua conta corrente. Com o PIX, esse tipo de limitação no banco digital modalmais estará relacionado ao segmento do cliente, score do cliente e horário de realização da transação .

 

Quais serão as taxas cobradas?

Como você já deve saber muito bem, existe uma variedade imensa de taxas cobradas por bancos para a realização de transferências para contas de outras instituições financeiras.

Há casos em que esse valor pode chegar até cerca de R$ 20 por  cada transação efetivada. Pode parecer um valor pequeno, mas, quando analisamos um período maior, notamos que essa cobrança tem um impacto significativo.

Além disso, existe uma diferença muito grande de um banco para outro. Alguns, inclusive, sequer cobram qualquer tipo de taxa para esse tipo de transação.

Nesse sentido, qual seria o valor cobrado por uma transação consideravelmente mais eficiente que os populares TEDs e DOCs? Acredite: praticamente nada!

A determinação do Banco Central é que o PIX não onere pagadores ou recebedores. A instituição afirma que poderá ser exercido um tipo de cobrança, porém ela terá um valor irrisório.

Funcionará, basicamente, da seguinte forma: a cada 10 transações, será cobrado um montante de R$ 0,01 para recuperar eventuais custos operacionais.

 

Esse é pode ser o começo de uma nova era?

Afinal, será que estamos diante do início de uma nova era no relacionamento das pessoas com o sistema bancário? Bom, até mesmo os mais conservadores nesse tipo de análise podem afirmar que sim, e isso se deve a alguns bons motivos.

Inicialmente, devemos levar em consideração que o Brasil é um país em que novidades e inovações são muito complexas de serem implementadas.

Tudo começa quando analisamos o tamanho do nosso país, as grandes diferenças culturais e econômicas que existem em diversas áreas e, principalmente, a rigidez e o protecionismo dos governos.

Por outro lado, essa última etapa que poderia ser vista como um empecilho mudou radicalmente a partir de 2019, com a implementação de uma ideologia econômica mais voltada ao liberalismo.

Afinal, como já mencionamos, o próprio Banco Central é o autor da novidade inovadora. Portanto, os responsáveis por “dificultar” o avanço da rede bancária em termos tecnológicos estão sendo os responsáveis, também, por essa grande mudança.

Além disso, vale a pena ressaltar que essa “nova era” já iniciou muito antes da mudança no Governo. Com o surgimento dos bancos digitais, ocorreu um grande aquecimento nesse mercado.

Essas instituições mais modernas são capazes de fornecer serviços de extrema qualidade com um custo baixíssimo ou, até mesmo, sem nenhum encargo financeiro para o cliente.

Como se tratam de organizações mais enxutas, que dispensam o gasto com grandes agências espalhadas pelos quatro cantos do país e uma ampla rede de colaboradores, elas têm um custo de manutenção consideravelmente menor.

Consequentemente, bancos digitais, como é o caso do modalmais, conseguem oferecer para seus clientes, TEDs ilimitadas entre contas de mesmo CPF, sem custos, além de isenção  de taxa de custódia, corretagem em minicontratos, entre outros serviços.

Consequentemente, o surgimento de uma ferramenta moderna e barata como o PIX não demoraria muito para surgir. E acreditamos que seja apenas a ponta do iceberg. Ainda esperamos muitas novidades que causarão um grande agito no mercado bancário.

Por fim, podemos concluir que, de fato, o PIX revolucionará o universo bancário, deixando-o mais simples e de fácil acesso. Todas as pessoas que têm algum tipo de conta serão beneficiadas, especialmente com a redução abrupta das taxas e a rapidez na realização das transações.

Enquanto o PIX não chega, abra a sua conta no modalmais, o banco digital dos investidores, para poder realizar transferências gratuitas por meio de TED e aproveitar todos os demais benefícios que temos à sua disposição.

 

Nova call to action