Os termos prefixado e pós-fixado fazem referência ao tipo de rentabilidade atrelado aos investimentos, especialmente os que são caracterizados como renda fixa.

O desconhecimento desses elementos leva muitos ao erro na hora de escolher os seus investimentos, o que pode prejudicar a capacidade de rentabilidade do seu capital.

Por esse motivo, é crucial que você entenda a diferença entre esses dois conceitos e como cada um deles se aplica dentro do universo dos investimentos.

Pensando na importância do assunto, nós resolvemos escrever este artigo. Nele, aprofundaremos um pouco mais o conceito, e, ao final da leitura, você saberá escolher o melhor para o seu perfil e objetivos no mercado financeiro.

Acompanhe!

 

A importância de saber escolher o investimento de acordo com seus objetivos

A escolha dos investimentos sempre deve passar pela análise minuciosa dos objetivos do investidor, que deve conhecer bem que caminho trilhar para atingi-los. Entretanto, a escolha desse caminho, pode não levá-lo aonde se esperava.

Por isso, todas as suas movimentações de investimentos devem ser feitas com um objetivo específico. Por exemplo, se pretende constituir uma reserva de emergência, é importante conhecer sobre investimentos com alta liquidez, como o Tesouro Selic, por exemplo.

Já se o objetivo é a aposentadoria ou a compra de um imóvel, deve-se levar em consideração produtos mais estruturados para médio e longo prazos — e em quase todas essas atividades é necessário conhecer os conceitos de investimentos prefixados e pós-fixados.

 

Os investimentos que utilizam esses conceitos

Como você já sabe, é muito importante escolher um investimento de acordo com os seus objetivos. Para tanto, os conceitos de investimentos prefixados e pós-fixados precisam ser levados em consideração.

Investimentos prefixados

Inicialmente abordaremos os investimentos prefixados. Conceitualmente, eles são os que têm a sua rentabilidade conhecida no momento da aplicação. Ou seja, antes de fazer a aplicação, você já sabe quanto aquele investimento retornará de lucros no vencimento.

Por exemplo, quando você adquire um Certificado de Depósito Bancário (CDB) prefixado que informa que pagará 10% ao ano sobre o valor investido, é possível assim, saber o valor exato que estará disponível ao final de um período.

Além deste título que mencionamos, esse formato de remuneração é muito comum em Letras de Crédito Imobiliárias e do Agronegócio (LCI e LCA), entre outros.

A vantagem dos títulos que têm rentabilidade prefixada está no fato de ela ser imutável. Por mais que o país esteja passando por um período de crise, o ganho dessa aplicação está definido e não será alterado por nenhum fator, como queda na taxa de juros, por exemplo.

Investir em produtos prefixados pode parecer interessante se analisarmos somente o fato de que as variações na taxa de juros, ou qualquer outro indicador, não afetarão o saldo final da aplicação, após o período predeterminado. Por outro lado, observando de forma mais específica, os investimentos prefixados podem traduzir um risco maior que os pós-fixados (em que não é possível conhecer o rendimento final da aplicação).

Isso porque com o investimento prefixado, é possível que você obtenha uma rentabilidade abaixo da inflação, dependendo em que percentual estiver esse índice, o que poderia reduzir o seu poder de compra com o resultado daquele investimento.

Então, essa é uma boa opção, se você acredita que a taxa básica de juros irá cair no período e que, descontada a inflação, a taxa ofertada ainda assim trará um bom rendimento.

Investimentos pós-fixados

Os investimentos pós-fixados são aqueles em que não é possível conhecer o rendimento da aplicação no momento da aquisição do título. Esses investimentos são atrelados a um indexador e só é possível saber, de fato, quanto ele rendeu, no vencimento da aplicação, ou seja, no dia do resgate.

Alguns dos indexadores utilizados para compor a rentabilidade desses ativos são o CDI, a taxa básica de juros da economia (SELIC), o IPCA ou o IGP-M. Em termos práticos, a rentabilidade de um investimento pós-fixado é mostrada em um percentual do indexador.

Por exemplo, você encontrará essa informação disposta da seguinte forma: rentabilidade = 100% do CDI. Isso significa que a aplicação renderá exatamente o que render o CDI. Se a rentabilidade indicada fosse de 90% do CDI, significa que renderia menos que o CDI – apenas 90% do que rendesse esse indexador.

Nessas aplicações, a rentabilidade sofrerá variações durante todo o período, já que esses índices estão em constante variação. Por exemplo, se o CDI estiver com um percentual de 3% hoje, mas vier a cair para 2% daqui alguns dias, e você tiver um investimento em CDB com rentabilidade a 100% do CDI, a rentabilidade dessa aplicação também cairá de 3% para 2%. Se o percentual do CDI voltar a subir, consequentemente, o desempenho dessa aplicação também irá melhorar.

Portanto, essa seria uma boa opção, se você acredita que a taxa básica de juros irá subir no período. Fique sempre atento ao percentual dos indexadores – a Selic, por exemplo, em junho de 2020, teve percentual reduzido para 2,25% ao ano – e se possível, compare-os com os principais indicadores da inflação (IPCA e IGP-M), para assim, projetar o poder de compra do resultado de seu investimento.

Investimentos híbridos

Por fim, há uma terceira opção que utiliza os dois conceitos descritos anteriormente: os investimentos híbridos. Nesse caso, ocorre uma espécie de mistura entre os prefixados e pós-fixados. Um exemplo clássico dessa modalidade é o Tesouro IPCA+.

Nesse caso, título remunera a uma taxa prefixada, por exemplo, de 5% ao ano, e acrescenta uma parcela que é pós-fixada, nesse caso, atrelada ao IPCA. Assim, ocorre a junção de duas remunerações de forma implícita, a de 5% ao ano mais a inflação do período, ocorrendo a fusão dos conceitos.

Esse tipo de aplicação é interessante para investidores que querem se proteger contra a inflação, principalmente a longo prazo – já que o rendimento da aplicação, acompanhará a inflação –, e ainda, obter bons rendimentos que independerão de qualquer variação da economia – o que é garantido pela taxa prefixada, como aprendemos ao longo desse artigo.

 

A escolha do melhor investimento

O melhor investimento será aquele que mais se adequar ao seu perfil e objetivos. Então, antes de mais nada, é necessário conhecer seu perfil de investidor e objetivos para curto, médio e longo prazos. É importante também conhecer a situação econômica do país e estar atento às projeções e análises de mercado.

O sucesso de uma pessoa no universo dos investimentos será correspondente ao perfeito alinhamento entre esses elementos e o grau de esforços que ela emprega para conhecer mais e estudar sobre o mercado financeiro. Entretanto, existe outro elemento que precisa ser inserido nessa fórmula e que discorreremos com mais detalhes no tópico seguinte.

 

A importância de contar com uma plataforma de investimentos de qualidade

Para finalizar este artigo, precisamos destacar a importância de contar com uma boa plataforma de investimentos.

Contar com uma instituição sólida e preparada, que ofereça uma plataforma de investimentos de qualidade, dá ao investidor, uma chance real de gerir seu patrimônio com segurança e precisão. Nela você encontrará diversos tipos de investimentos, que certamente se adequarão aos seus objetivos.

Dessa forma, com o conhecimento que você adquiriu sobre o que é um investimento prefixado e pós-fixado, ficará mais fácil tomar as decisões certas sobre os seus investimentos, contribuindo para o crescimento do seu patrimônio.

Portanto, abra a sua conta no modalmais, conheça a variedade de investimentos que temos à sua disposição e como poderemos ajudá-lo em sua jornada como investidor.

Nova call to action