Liberdade, economia e inovação: esses são os três pilares que norteiam o desenvolvimento de soluções financeiras disruptivas, como o banco digital. Durante a pandemia de COVID-19, o uso de canais digitais intensificou-se, fortalecendo ainda mais o segmento.

Nesse sentido, os bancos digitais destacam-se pela praticidade adquirida pelo uso do ambiente digital e também por terem uma série de benefícios econômicos nas transações, comparando-se aos tradicionais.

Se você ainda não tem a sua conta digital ou quer saber mais sobre o assunto, continue a leitura deste artigo!

 

O que são os bancos digitais e como funcionam?

Com a transformação digital, muitas rotinas do dia a dia tiveram profundas modificações como resposta às dificuldades enfrentadas. Uma das principais é a mobilidade, que, hoje, é um dos temas mais discutidos no contexto social. Diversas frentes têm atuado desenvolvendo soluções disruptivas para melhorar a nossa qualidade de vida.
Geralmente, quando falamos em mobilidade, naturalmente, pensamos em soluções de transporte, como os aplicativos de carro. No entanto, esse conceito vai mais além. A mobilidade tem a ver com a capacidade de se movimentar.

Isso significa que qualquer solução que ajude a otimizar o tempo e que permita o seu uso de maneira remota é exemplo prático de solução de mobilidade. Nesse sentido, os bancos digitais chegam para melhorar o dia a dia das pessoas.

Revolução liderada por startups no Vale do Silício, em meados de 2014, os bancos digitais são opções de soluções financeiras que atuam exclusivamente no ambiente virtual. Isso significa que todo o processo de atendimento, conversa com o gerente e transações é feito utilizando um aplicativo.

Os usuários dessa modalidade financeira têm diversos ganhos na sua rotina, sendo que o tempo é um dos principais. Um exemplo disso é que, com um banco digital, não é preciso mais enfrentar filas. Agora, o usuário tem mais liberdade.

 

Quais são as principais vantagens dos bancos digitais?

Como você pôde ver, a principal diferença entre um banco digital dos tradicionais é o ambiente em que toda a operação ocorre. Essa particularidade é a responsável por gerar vários benefícios para o usuário.
Sabemos que é muito difícil desapegar-nos daquilo que já conhecemos e temos costume de utilizar. Mesmo que tenhamos algumas insatisfações, a tendência é de permanecermos onde sabemos como as coisas funcionam.
Pensando nisso, a seguir, listamos as principais vantagens de ter uma conta digital para que você deixe o medo de lado e faça parte dessa revolução. Confira!

Popularização financeira
Uma das grandes dores dos usuários dos bancos tradicionais é a burocratização de todos os processos. Tudo é demorado, inclusive, a abertura da conta. Por meio de recursos de machine learning (aprendizado de máquina) e business intelligence (BI ou inteligência do negócio), os bancos digitais fazem a pronta coleta dos seus dados e cruzam as informações.

Dessa forma, além de não ser preciso sair de casa cedo e ainda enfrentar fila, você consegue abrir a sua conta digital rapidamente. Basta que você tenha em mãos um smartphone com acesso à Internet e um documento seu com foto.

Facilidade de uso
Um dos conceitos mais trabalhados pelos bancos digitais, é a experiência do usuário. Facilidade, navegabilidade e acesso intuitivo são características comuns a essa modalidade de solução financeira.

Para conseguir utilizar um aplicativo de um banco digital, não é preciso gastar muito tempo procurando as suas funcionalidades. Geralmente, elas estão em locais de fácil visibilidade, o que nada mais é do que resultado de melhorias constantes, que visam a melhor experiência possível para o usuário.

Além disso, não é preciso passar por uma série de etapas para usar o seu aplicativo. Para configurá-lo, você não precisa dirigir-se a um caixa do banco para fazer a sincronização. Normalmente, os bancos digitais pedem o envio por meio eletrônico de um documento com foto e usam a inteligência artificial para fazer o reconhecimento da face do usuário.

Feito isso, no dia a dia, você só precisa inserir a senha cadastrada para acessar o seu banco e aproveitar de todos os recursos que ele oferece.

Taxas menores
Um dos grandes atrativos dos bancos digitais é a economia gerada aos usuários que optam por utilizá-los. Como não há atendimento físico, diversos custos operacionais acabam sendo reduzidos, e isso reflete nas taxas que são pagas por seus clientes.

Existem bancos digitais que cobram taxas de manutenção, mas inferiores, se comparadas aos tradicionais. No entanto, existem opções que oferecem contas totalmente gratuitas.

Além disso, é possível encontrar soluções que garantem o rendimento do seu dinheiro, ao aplicá-lo em opções seguras e mais rentáveis do mercado financeiro.

Recursos na palma da mão
No início deste artigo, falamos que os bancos digitais são soluções que otimizam a mobilidade no dia a dia. Isso é confirmado ao utilizar uma conta digital. Todos os recursos ficam disponíveis na palma da sua mão. Não é preciso fazer nenhuma ação que demande o emprego de muita energia para poder solucionar questões do dia a dia.

Você pode fazer pagamentos, transferências, depósito e, até mesmo, investimentos usando o seu aplicativo do banco digital.

Um dos grandes receios dos usuários quando pensam em migrar para essa modalidade é em relação ao atendimento. É natural ter essa dúvida, afinal, existem problemas que precisam de tratativa rápida. Assim como acontece com os bancos tradicionais, há diferenças na qualidade de atendimento prestado no ambiente virtual.

Existem opções que oferecem atendimento rápido e personalizado: basta conferir a guia de dúvidas frequentes ou acionar o atendimento ao cliente.

É verdade que toda fintech é um banco digital?
Segundo indica diversos relatórios, o Brasil é o país com mais fintechs no mundo, totalizando cerca de 600 empresas desse segmento no fechamento de 2019. Mas, afinal, o que é uma fintech?

Muitas vezes, os termos fintechs e banco digital são confundidos. Na prática, um banco digital é uma modalidade de fintech. No entanto, a recíproca não é verdadeira.

As fintechs são empresas que oferecem serviços financeiros fundamentados pela tecnologia. Dessa forma, existem outras modalidades que não são bancos digitais, como aquelas que oferecem serviço de crédito para outras empresas.

 

Quais são as últimas tendências do segmento?

As transformações no segmento financeiro estão acontecendo em alta velocidade. Devido às modificações sociais causadas pela COVID-19, muitas inovações estão sendo aceleradas para que as rotinas diárias sofram menos impactos.

Em um cenário sem os recursos virtuais, por exemplo, os efeitos da crise seriam mais danosos. O formato dos bancos digitais já atendia bem às novas configurações sociais causadas pelo isolamento, mas eles estão empenhados em fazer mais entregas para tornar a vida do usuário ainda mais produtiva e segura.

A seguir, listamos as principais tendências do segmento. Inclusive, elas reforçam porque é mais vantajoso ter uma conta digital. Continue a leitura e saiba mais sobre cada uma delas.

Open banking
Esse conceito, ou melhor, modelo de negócio, deve modificar completamente a forma como os relacionamentos financeiros acontecem. No open banking (banco aberto), o cliente é o proprietário dos seus dados. Dessa forma, ele pode disponibilizar os seus dados para que instituições financeiras possam acessá-los.

Assim, com o acesso ampliado, devido ao agrupamento das informações em um único ambiente, inúmeras vantagens são conquistadas pelos usuários, até porque, objetivo do open banking, é, especialmente, promover o acesso do usuário aos melhores e mais inovadores serviços, e também aos melhores custos de transações.

Além disso, tem como alvo a promoção da livre concorrência entre às instituições, reduzindo o monopólio de ofertas e, assim, melhorando o relacionamento entre instituição e cliente final. O impacto disso para o mercado financeiro é que ele se torna mais competitivo e transparente.

Um dos lugares que já pratica essa ideia é o Reino Unido, e, no Brasil, o tema tem sido discutido pelo Banco Central. Imagina poder ter todo o seu histórico de vida financeira para ser usado no relacionamento com os bancos?

Investimentos financeiros
Com tantos bancos digitais no Brasil, uma das tendências é que eles busquem outros produtos e serviços para se tornarem mais competitivos. Hoje, muitas pessoas estão preocupadas com as suas finanças e buscando formas para poder ter mais estabilidade com outros meios de gerar capital.

No cenário de crise, esse senso é fortalecido. As pessoas estão ficando mais conscientes da importância de ter um fundo de reserva e não depender exclusivamente do seu salário.

Além disso, com a facilidade de acesso à informação, as novas gerações, que são naturalmente conectadas, estão se tornando mais seguras e confiantes na hora de investir no mercado financeiro.

Uma das tendências é a opção de investimentos financeiros. Por muito tempo, construir um patrimônio por meio do mercado financeiro era algo pouco acessível para a maioria das pessoas.

Hoje, você pode encontrar opções de bancos digitais que oferecem o serviço da conta e fácil manipulação dos seus recursos para investimentos. Lógico que você precisa ter cautela para poder escolher um parceiro que garanta segurança nas suas transações, e as melhores opções.

Cybersecurity
Apesar da LGPD (Lei Geral da Proteção de Dados) ter tido o seu início de vigência adiado para maio de 2021, em decorrência da pandemia, os bancos digitais continuam investindo em estratégias para fortalecer a segurança virtual.

Lidar com dados dos clientes é algo muito sensível. Quando falamos do patrimônio dessas pessoas, isso se torna mais delicado ainda, demandando frequentes atualizações para tornar o ambiente totalmente seguro.

No contexto do cybersecurity, ou cibersegurança, as tecnologias mais promissoras são o cloud computing (computação em nuvem) e o blockchain (blocos em correntes).

Uma atenção especial ao blockchain precisa ser dada. Essa tecnologia é a que está por trás dos criptoativos. O que a torna extremamente segura para as transações financeiras, já que, para que houvesse o vazamento de informações, toda uma cadeia de blocos precisaria ser quebrada, algo pouquíssimo provável de acontecer.

Experiência do usuário
Já comentamos que um dos destaques dos bancos digitais é a experiência proporcionada ao usuário. Novas soluções devem ser desenvolvidas e implementadas para torná-la ainda melhor. Ela deve ser foco de qualquer banco digital.

Investimento em multiexperiência, por exemplo, é uma das tendências nesse sentido. A multiexperiência consiste na evolução do omnichannel, isto é, na integração dos pontos de contato com outras tecnologias oriundas da inteligência artificial, como os voice bots e a realidade aumentada.

Conteúdo educativo
A geração Z, dos nascidos após 1995 até 2010, já está chegando ao mercado, tanto como profissionais quanto clientes. Anteriormente, falamos que uma das principais características das novas gerações é a conectividade e o fácil acesso à informação que ela proporciona.

Os bancos digitais nasceram exatamente no contexto das grandes transformações da Indústria 4.0. Logo, eles conversam bem com a geração Z e as subsequentes.

Agora, eles precisam fortalecer o seu diálogo com esses clientes. A disponibilização de conteúdo educativo sobre o mercado financeiro é uma forma de mostrar o quanto o banco está preocupado em ajudar o cliente a construir o seu patrimônio.

 

Por que sair de um banco tradicional?

Com todas as vantagens que você pôde conhecer em ter uma conta digital, agora, você já deve estar considerando migrar a sua vida financeira para o mundo virtual.

Escolher um banco digital não é fácil, afinal, existem várias opções no mercado. Existem inúmeros motivos para abrir uma conta virtual, por isso, é primordial que você avalie quais são as suas principais necessidades.

Se você quer conquistar mais liberdade e economizar, com certeza, precisa sair do banco tradicional.

 

Quais critérios usar para escolher o melhor banco digital?

Na hora de escolher abrir a sua conta digital, é interessante pesquisar um pouco e ouvir a opinião de usuários antes de criar um relacionamento com qualquer banco só porque ele é digital.

Além de verificar quais são as suas necessidades e os seus objetivos na vida financeira, você deve estudar algumas características que um bom banco digital tem. A seguir, confira algumas particularidades que devem ser consideradas.

Funcionalidades
Conhecer os recursos que o aplicativo do banco oferece é primordial na hora de escolher um banco digital. Nem todos os bancos disponibilizam o mesmo tipo de produto ou serviço.

Por isso, é preciso ler com atenção, quais são as funcionalidades que o banco digital tem para seus clientes. Manutenção gratuita? Cartão de crédito com vantagens diferenciadas? Transferências sem taxa?

Esses são alguns detalhes que você precisa olhar antes de escolher. Como o conceito de banco digital propagou-se muito rápido, muitas pessoas acham que todos são iguais, mas, na prática, não é bem assim.

Suporte prestado
Como é o atendimento oferecido pelo banco digital? Não adianta migrar a sua conta para um banco que não oferece um atendimento especializado, e não se preocupa com a experiência do cliente.

O ideal é que você possa ter uma conta digital em um banco que seja seu parceiro financeiro, e não seu credor.

Segurança da conta
Abordamos que um dos pontos de destaque das contas digitais é a sua segurança. Isso também deve ser um dos principais critérios na hora de escolher um banco. Vale lembrar-se de que o conceito de segurança da conta vai além da questão de proteção dos seus dados e patrimônio dos hackers.

Quanto o seu dinheiro está seguro em determinado banco? É preciso conhecer o histórico do banco e avaliar se ele é uma opção que tem força no mercado. Caso um banco chegue a quebrar, o Banco Central vai pedir a liquidação extrajudicial dele, e esse processo burocrático vai impactar a sua rotina financeira.

 

O que é um banco digital feito para investidores?

Já pensou em poder ter uma conta digital, sem taxa, e também poder investir? Um banco digital feito especialmente para investidores pode isso.

Antes de você conhecer mais sobre essa modalidade, vamos ver alguns conceitos essenciais para quem quer ir além e ter muito mais do apenas um banco digital: quer começar a investir, criar o seu fundo de reserva, e até mesmo alcançar sua independência financeira.

Renda fixa
Essa categoria de investimento é a mais adequada para aqueles que estão começando no mercado financeiro e precisam de mais segurança. A renda fixa é ideal para esse perfil porque ela fornece a previsibilidade do retorno de capital. Conheça as melhores opções dessa modalidade, e como abandonar de vez a poupança.

CDB
O Certificado de Depósito Bancário é uma opção de investimento que é emitida pelos bancos. Nessa modalidade, você empresta o seu dinheiro para o banco, que em troca, paga a você a rentabilidade acordada para determinado período. O FGC (Fundo Garantidor de Crédito) protege as aplicações feitas em CDB no valor de até R$ 250 mil.

Tesouro Direto
Modalidade instituída em 2002, o Tesouro Direto é um programa do Tesouro Nacional que permite às pessoas físicas comprarem títulos da dívida pública do governo. Esse tipo de operação é feito totalmente em ambiente digital, sendo possível começar a aplicar com menos de R$ 40.

LC
As Letras de Câmbio são muito parecidas com o CDB. A diferença é que, enquanto o CDB é emitido por bancos, elas são por financeiras. É uma opção segura e que rende mais que a caderneta de poupança.

LCI e LCA
Respectivamente, Letras de Crédito Imobiliário e Letras de Crédito do Agronegócio, essas categorias de investimento funcionam como um empréstimo do seu dinheiro para o desenvolvimento desses setores. A maior vantagem desse produto, se comparado ao CDB, é que têm seus rendimentos isentos de IR para pessoas físicas.

CRI e CRA
Semelhantes ao LCI e ao LCA, o Certificado de Recebíveis Imobiliários e o Certificado de Recebíveis do Agronegócio são lastreados nas operações financeiras que envolvem esses respectivos segmentos. Vale lembrar que, diferentemente da LCI e da LCA, os CRIs e CRAs não são emitidos por bancos, e sim por companhias securitizadoras, e além disso, não são protegidos pelo FGC.

Renda variável
Os investimentos em renda variável são os mais indicados para aqueles que já conhecem bem o mercado financeiro e têm um perfil mais arrojado. Aqui, é preciso que o investidor saiba que está mais exposto ao risco – ou seja, pode vir a perder –, mas tem maior possibilidade de ganhos elevados, se compararmos à renda fixa.

Ações
As ações são, na verdade, frações do capital social de uma companhia de capital aberto. Portanto, quando você compra uma ação, você se torna um acionista do negócio em questão.

Ou seja, você tem direito de participar dos lucros (por meio da alta do preço das ações, quando você as vende, e do pagamento de dividendos), bem como dos prejuízos (quando, eventualmente, os preços das ações caem), uma vez que as ações negociadas em Bolsa de Valores estão sujeitas às oscilações do mercado.

É possível comprar ações para ter um investimento a longo prazo, com valorização no decorrer dos anos; ou você pode fazer do mercado financeiro a sua fonte de renda, atuando como um day trader.

Commodities
As commodities são produtos de ordem primária (como soja, ouro), considerados de baixo valor agregado, já que seu preço independe da marca. Geralmente são matérias-primas, que têm seu preço definido pela “lei da oferta e procura”.

A negociação de contratos derivativos de commodities é realizada por meio do mercado futuro, em ambiente de Bolsa de Valores. Assim, é possível operar visando lucro por meio das oscilações dos preços dos contratos, e também para hedge, um meio de proteção financeira.

ETF
Exchange Traded Fund, conhecido como ETF ou como Fundos de Índices, corresponde a um grupo de ações de empresas diversas, que compõem a carteira teórica de algum indicador econômico. Assim, o ETF equivale a uma cesta de ações, que tem suas cotas negociadas em ambiente de Bolsa de Valores.

Derivativos
Os derivativos são instrumentos financeiros representados por contratos, que possuem vencimento em uma data predeterminada. Como o próprio nome sugere, têm preço derivado em outro ativo, podendo ser financeiro ou físico. Assim, esses ativos financeiros podem ser taxas de juros (por exemplo, a taxa SELIC), moedas (Euro, Dólar), ações de empresas, entre outros, enquanto que os ativos físicos pode ser commodities (petróleo, soja, ouro).

Fundos de Investimento
Os fundos de investimento são uma ótima opção para a diversificação de investimentos, pois reúnem os recursos de diversos investidores (conhecidos como cotistas) e os aplicam em diversos produtos, que se encaixem nas políticas e objetivos previstos em regulamento, sob a gestão de um profissional qualificado para tal.

Tanto os lucros obtidos, quanto os custos relativos à administração do fundo, são divididos igualmente entre os cotistas, atendendo claro, à proporção do valor investido por cada um. Portanto, o valor de cada cota é igualmente dividido de acordo com o patrimônio total do fundo.

 

Conclusão

O modalmais é um banco digital que foi feito para pessoas que buscam comodidade, agilidade e as melhores opções na hora de investir, além de um atendimento especializado.

No modalmais, você conta com um serviço de qualidade, sem tarifas ou taxas de manutenção de conta e de custódia dos investimentos. Além disso, você ainda conta com um grande diferencial: o seu saldo em conta corrente é protegido pelo FGC.

Além da facilidade de investir nas principais opções disponíveis no mercado, o modalmais oferece ainda, os serviços de cartões de débito e de crédito.

Em 2020, o modalmais assinou um acordo estratégico com outro banco de destaque, inclusive no mercado internacional, e referência em investimentos financeiros: o Credit Suisse. Essa parceria trará mais opções de investimentos atreladas à expertise e sofisticação desse banco.

Se você quer liberdade, praticidade e ver o seu patrimônio crescer, significa que chegou a hora de fazer parte dessa revolução com o modalmais. Abra a sua conta e aproveite de todas as vantagens que temos para você!

Nova call to action