É comum que muitos pensem haver uma contradição entre investimentos no mercado financeiro e práticas ambientalmente sustentáveis. Contudo, cada vez mais empresas e investidores têm percebido a importância de buscar desenvolvimento sustentável.

O investimento em energia limpa, como a energia solar, que não libera, na atmosfera, gases poluentes causadores do efeito estufa, é exemplo de prática financeira que caminha de mãos dadas com o desenvolvimento sustentável.

Esse fenômeno é tamanho que a sustentabilidade tem sido considerada como ponto positivo para investir ou não em determinado negócio, surgindo, até mesmo, uma sigla que faz referência a ela: a ESG (em inglês Environmental, Social and Governance).

É fato que essas três letras estão mudando a forma como o mercado de investimento tem atuado. Por conta disso, elaboramos este artigo para explicar como surgiu o ESG, o que representa e de que forma tem impactado valores e negociações no mercado. Confira!

 

O que é ESG?

Cada uma das três letras desse acrônimo possui sua função e um significado. Em inglês, cada uma delas representa, respectivamente, “environmental, social and governance”, que, em tradução livre, quer dizer “ambiental, social e governança”.

De maneira geral, é possível afirmar que o ESG é utilizado para analisar e medir práticas ambientais, sociais e de governança de uma empresa.

O ESG pode ser utilizado para indicar o quanto determinado negócio investe em formas de minimizar seus impactos ambientais, desenvolver um mundo mais justo e igualitário, adotando uma postura de responsabilidade para com as pessoas em seu entorno, bem como em seus processos administrativos.

Esse índice ganhou maior destaque a partir de 2020, principalmente por conta dos impactos mundiais sofridos com a pandemia e a perspectiva de que ela, em certo ponto, foi fruto de problemas ambientais. Contudo, seu surgimento aconteceu muito antes disso.

 

Qual é a origem da sigla ESG?

A primeira aparição da sigla está presente em um relatório elaborado em 2005, intitulado de Who Cares Wins (ganha quem se importa, em tradução do inglês), liderado pela Organização das Nações Unidas (ONU).

O objetivo do relatório era desenvolver diretrizes e recomendações para aprimorar o funcionamento de empresas com relação à sua administração social, ambiental e governança.

Na época, 20 instituições financeiras de 9 países — incluindo o Brasil — participaram do desenvolvimento do documento. Ao final, o relatório concluiu que incorporar esses fatores como diferenciais no mercado financeiro contribuiria para resultados mais sustentáveis e melhores para a sociedade.

A partir de então, o documento oficializou a preocupação do mercado financeiro, estimulada pela ONU, em considerar aspectos sociais e ambientais como formas de geração de valor.

Em outras palavras, a preocupação e o investimento em sustentabilidade, igualdade social e boa gestão humana passaram a ser um diferencial no valor de mercado das companhias.

 

Qual é o significado das letras na sigla?

ESG diz respeito a três fatores, já comentados de forma breve anteriormente. A seguir, explicamos especificamente o significado de cada uma das letras que compõem o acrônimo.

 

Letra E

A letra “E” diz respeito ao “environmental”, ou seja, à questão ambiental. Nesse sentido, ela faz referência às práticas que buscam a conservação do meio ambiente, tais como:

  • Investimento em áreas que combatam ou diminuam o aquecimento global e a emissão de carbono;
  •  Posturas que permitam uma menor poluição da água e do ar;
  •  Ações que preservem a biodiversidade e combatam o desmatamento;
  •  Aplicação de recursos em áreas que promovam eficiência energética sem degradar o meio ambiente, como a energia solar;
  •  Desenvolvimento de ações que possibilitem uma melhor gestão de resíduos.
    A companhia que adota meios e práticas para ficar de acordo com a letra “E” da sigla, demonstra a preocupação da empresa com sua responsabilidade ambiental e, dessa forma, agrega valor ao negócio.

A companhia que adota meios e práticas para ficar de acordo com a letra “E” da sigla, demonstra a preocupação da empresa com sua responsabilidade ambiental e, dessa forma, agrega valor ao negócio.

 

Letra S

A letra “S” diz respeito às questões sociais. Dessa forma, esse aspecto leva em consideração a forma como a companhia lida com as pessoas que fazem parte de seu universo, sejam como trabalhadores, sejam como consumidores. São consideradas questões como:

  •  Preocupação com a satisfação dos clientes, fornecendo atendimento humanizado às necessidades e exigências dos consumidores;
  • Adoção de práticas que garantam a proteção de dados e a privacidade das pessoas envolvidas no negócio, sejam elas clientes ou colaboradoras;
  •  Postura que permita a garantia da diversidade dentro da equipe, combatendo, dessa forma, desigualdades sociais em aspectos como gênero e etnia;
  •  Respeito aos direitos humanos e às leis trabalhistas como prática basilar do funcionamento da empresa.

Negócios que valorizam o aspecto social, correspondente à letra “S” da sigla, evitam problemas trabalhistas e possíveis crises dentro da empresa. Além disso, engajam tanto seus colaboradores quanto seus investidores, afirmando o tratamento humanizado como valor da empresa.

 

Letra G

A última letra faz referência à governança da empresa, ou seja, à forma como a administração do negócio funciona e é organizada. Nesse sentido, o intuito é estimular:

  •  Composição de conselhos que possam nortear posturas éticas que levem em consideração não apenas o crescimento do negócio, mas também seu impacto e sua relação com a sociedade;
  •  Estruturas que permitam auditorias e vigilância com relação a possíveis desvios de conduta que possam lesar de alguma forma colaboradores, consumidores e sociedade em geral;
  •  Remuneração justa dos executivos, bem como dos colaboradores, dando importância a aspectos legais e também às boas práticas de relações e condutas corporativas;
  •  Relações de parceria e responsabilidade com entidades de governos e políticos, no intuito de fazer com que o desenvolvimento do negócio caminhe em conjunto com os objetivos de sustentabilidade e do bem comum.

 

Como o mercado tem lidado com o ESG?

Alguns fatores apontam para que a tendência do mercado seja prestar atenção aos princípios ESG com cada vez mais intensidade. Um exemplo foi o pronunciamento do presidente da BlackRock, em 2020.

Representante da maior gestora de investimentos do mundo, Larry Fink afirmou que deixaria de investir em setores que tinham liberação intensiva de CO2.

Nesse sentido, setores como a indústria do carvão, que apresentam baixo índice de sustentabilidade, têm perdido espaço para iniciativas que utilizam energia limpa e renovável, como a energia solar.

Em termos gerais, crescem, no mundo todo, os investimentos que consideram os princípios de responsabilidade ESG. Segundo o relatório de 2018 da Global Sustainable Investment, Além disso, o surgimento de cada vez mais “fundos de sustentabilidade” tem se mostrado uma tendência no mercado.

Quando tomamos o cenário nacional, de acordo com a Anbima, também em 2018, mais de 85% dos gestores consideravam o potencial ESG em seus processos de investimento.

A pesquisa também aponta que a renda variável é a principal classe de ativos em que se realizam avaliações ESG. Nesse sentido, é importante prestar atenção às atitudes que as maiores empresas com capital aberto do mundo têm apresentado.

A Apple, por exemplo, assumiu o compromisso de neutralizar suas emissões de carbono até 2030, enquanto a Microsoft anunciou que terá pegada de carbono negativa nesse prazo.

Esses dados apontam para uma tendência cada vez maior da consideração do ESG enquanto gerador de valor para as empresas. Nessa perspectiva, investir em negócios que consideram essas práticas, é uma boa alternativa, principalmente no longo prazo.

 

Quais são as vantagens do ESG para empresas e investidores?

Tanto para as empresas como para quem tem intenção de investir, saber e estar de acordo com o ESG pode ser uma grande vantagem. A seguir, você encontrará alguns pontos que corroboram essa ideia.

 

Para empresas

Cada vez mais, a sustentabilidade é uma exigência mundial. Nessa lógica, para as empresas, considerar o ESG é uma forma de se adequar às tendências futuras.

Além disso, empresas que demonstram responsabilidade ambiental e social, tendem a reduzir custos e minimizar problemas legais, o que, consequentemente, reflete em seus resultados.

 

Para investidores

No caso de investidores, escolher alocar recursos em empresas que estão alinhadas às práticas ESG, e, assim, à tendência futura, é uma maneira de aumentar as chances de obter melhores retornos.

Com esse alinhamento — em especial à ideia de economia circular — elas apresentam maior resiliência, perspectiva de crescimento e consolidação no mercado a longo prazo.

 

Como a energia renovável se relaciona com o ESG?

Embora deva estar presente em todos os setores da economia, o ESG tem grande destaque quando o assunto é geração de energia. Isso porque esse é um dos setores que mais impactam o meio ambiente.

Nesse contexto, fontes renováveis de energia são um dos eixos centrais para um desenvolvimento sustentável. A recuperação econômica do mundo pós-Covid-19 deverá levar isso em questão.

A energia solar, por exemplo, tem relevância quando o assunto são os critérios ESG. Isso ocorre porque essa é uma fonte competitiva, silenciosa, de baixa manutenção e que não polui durante sua operação.

Dentre as renováveis, a fonte solar é a que apresenta maior crescimento, liderando o setor elétrico global em novas usinas de geração de energia. O Brasil, nesse aspecto, surge como um investimento interessante, pois o país tem um dos melhores recursos solares do planeta.

Além do aspecto ecológico, é importante notar que a geração de energia a partir da luz solar abarca, também, outros elementos ESG. Esse setor tem reconhecida capacidade de gerar empregos. Essa já é a área responsável pela geração de um terço dos empregos renováveis do mundo todo. Mesmo durante a pandemia, o setor cresceu.

Como você pôde perceber ao longo do texto, o ESG veio para ficar e representa um índice importante de valor de mercado. Nesse sentido, iniciativas como a produção de energia solar têm ganhado destaque.

Portanto, ponderar investimentos em empresas que apresentem responsabilidade ESG é uma excelente forma de ampliar sua carteira e contribuir para um mundo melhor no futuro.

 

Não perca mais tempo. Abra a sua conta no modalmais e comece a desfrutar de todas as vantagens que ele pode proporcionar para a sua carteira de investimentos.

Gostou deste conteúdo? Aproveite para compartilhá-lo em suas redes sociais. E para ficar sempre por dentro de tudo o que rola no universo financeiro, assine, hoje mesmo, nossa newsletter gratuita.