Investidores no mundo ficaram no aguardo da divulgação da ata do FED marcada para o meio da tarde. Mas exatamente no início da tarde tivemos alguma antecipação mais positiva, com o mercado local ainda reverberando a divulgação das vendas no varejo de maio e outras notícias. Mercados da Europa encerraram no campo positivo e indicadores americanos batendo novos recordes de pontuação, enquanto por aqui o segmento Bovespa mostrava recuperação, mesmo com o petróleo revertendo queda da manhã.

Na China, o governo anunciou que vai manter a política monetária estabilizada, depois de ter motivado as instituições financeiras a oferecerem mais crédito para pequenas e médias empresas. Nos EUA, o indicador Jolts de abertura de novas vagas subiu para 9,21 milhões em maio, vindo no mês anterior de 9,19 milhões. O FED, de NY, por sua vez, voltou a fazer operações de curto prazo repo reversa no montante de US$ 785,7 bilhões, absorvendo recursos.

A ata da última reunião do FOMC, do FED, não trouxe nenhuma grande novidade ao que tem sido estimado e declarações de membros regionais. Segundo o texto, o progresso em vacinação reduziu a disseminação, os indicadores de atividade e emprego melhoram consistentemente, setores mais atingidos seguem fracos, melhorando e a inflação é transitoriamente alta e todos estão diligentes para não deixar ficar muito acima das metas. A política monetária acomodatícia permanecerá até que as metas de inflação e trabalho sejam atingidas, mas alguns membros temem por inflação alta no longo prazo. Para tanto usarão de todas as ferramentas, caso necessário. A novidade foi a discussão de operações repo permanente e que a retirada de estímulos pode vir mais cedo, além de ter elevado a projeção de inflação para 3,4%, de anterior em 2,4%.

Com a divulgação da ata do FED os mercados americanos reagiram positivamente e a Bovespa também, mas de forma bem comedida. O dólar por aqui é que quase zerou a valorização no final da tarde. Enquanto isso, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, reclamava sobre a falta de mão-de-obra e quer retirar auxílios para dar maior dinâmica ao mercado de trabalho.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, reduzia a queda, mas ainda caía 1,51%, com o barril cotado a US$ 72,26. O euro era transacionado em leve queda para US$ 1,181 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros chegando a 1,293%. O ouro e a prata com altas na Comex e commodities agrícolas em altas na Bolsa de Chicago. O minério de ferro negociado em Qingdao, na China, encerrou na madrugada praticamente estável e com a tonelada cotada em US$ 22,39.

No segmento doméstico, o IBGE anunciou que as vendas no varejo cresceram 1,4% no mês de maio, menos do que estava sendo previsto, mas com expansão em 2021 de 6,8% e em 12 meses com +5,4%. O varejo ampliado registrou alta de 3,8%, no ano com +12,4% e em 12 meses com +6,8%. A média móvel trimestre teve incremento de 1,1%e no varejo ampliado com contração de 0,27%. Os desequilíbrios no fornecimento de componentes da indústria automotiva afetaram o desempenho. Tecidos e vestuário com expansão de 16,8 % foi destaque e farmacêutica com queda de 1,4% pelo lado negativo. Materiais de construção com +5% e ainda estamos 21,9% aquém do período pré-pandemia. O auxílio-emergencial ajudou na expansão.

A Anfavea anunciou que a produção de veículos de junho encolheu 13,4%, mas no comparativo anual expandiu 57,5%. Já as vendas de veículos tiveram queda no mês de 3,3% e cresceram no comparativo, 32,8%. O ministro Paulo Guedes esteve no Congresso explicando detalhes da Previdência dos militares e se mostrou disposto a corrigir se os desvios notados, se confirmarem. Falou sobre a sustentação do governo no parlamento forneceu e reclamou do orçamento engessado e disse que os países da OCDE tributam dividendos acima da proposta do governo. Já a Receita Federal, anunciou que deve encaminhar até setembro, proposta de redução de benefícios tributários. Sobre participação na Comissão da Reforma administrativa, Paulo Guedes disse que o objetivo é a modernização e que Bolsonaro recomendou não mexer nos direitos do funcionalismo atual.

Já Bolsonaro, deu entrevista e disse que se o Congresso não aprovar o voto auditável, seu lado pode não aceitar. Falou ainda da Democracia ameaçada por alguns de Toga (referência ao STF) e disse que todos sabem a vida pregressa do ministro Barroso.

No mercado, dia de dólar novamente subindo quase até R$ 5,30, para encerrar com valorização de 0,60% e cotado a R$ 5,24. Na Bovespa, na sessão de 05/07, os investidores estrangeiros alocaram recursos no valor de R$ 230,9 milhões, deixando o mês de julho ainda negativo em R$ 223,0 milhões, mas o ano de 2021 com ingresso líquido de R$ 47,78 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta da Bolsa de Londres de 0,71%, Paris com +0,31% e Frankfurt com +1,17%. Madri com leve queda de 0,07% e Milão em alta de 0,23%. No mercado americano, o Dow Jones com +0,30% e Nasdaq com +0,01%. Na Bovespa dia de alta de 1,56% e índice em 127.041 pontos.

Na agenda de amanhã teremos a inflação oficial medida pelo IPCA de junho que pode ter ficado próxima de 0,60%, o IGP-DI de junho e o IPC-S da primeira quadrissemana de julho. Nos EUA, sairá os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior e os estoques de petróleo do Departamento de energia e o crédito ao consumidor de maio. Durante a noite a China divulga a inflação pelo CPI (consumidor) e PPI (atacado).

Boa noite!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais
Fonte: https://www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado