Hoje foi dia de mercados absorverem indicadores divulgados no mundo, mas o mercado local reagiu de forma diferente com quedas, mesmo considerando forte alta do petróleo e do minério de ferro na China, e ainda o PMI da atividade industrial também mostrando aceleração da inflação. Com Bolsas europeias fechando em alta e comportamento do mercado americano com viés mais para positivo, ficou evidente a discrepância do mercado local com Bovespa em queda, dólar e juros em alta. Isso, mesmo considerando que o mercado local já está defasado de outros mercados importantes do mundo.

No segmento externo, permanecem as discussões sobre retirada de estímulos monetários pelos principais bancos centrais. Hoje foi a vez de questionamentos divergentes no BCE (BC europeu) sobre isso, com Weidmann, da Alemanha, querendo acelerar discussão sobre o tema, enquanto outros membros querem manter a postura de recuperação mais forte e extensão de estímulos. De qualquer forma, essa discussão só tende a ganhar corpo nos próximos meses.

Nos EUA, os pedidos de auxílio desemprego da semana encolheram 51.000 posições para 364.000, quando o previsto era que ficasse em 390.000. Já o PMI da atividade industrial de junho ficou estável em 62,1 pontos, de previsão de 62,6 pontos. O ISM da atividade industrial de Chicago de junho caiu para 60,6 pontos, quando o previsto era 61 pontos. Os investimentos em construção é que tiveram queda inesperada de 0,3% em maio, de previsão de subir 0,4%. O IIF-Institute of International Finance diagnosticou que a recuperação do mercado de trabalho dos EUA está mais lenta que o previsto.

A secretária do Tesouro americano, Janet Yellen, disse terem obtido acordo para tributação mínima global para imposto corporativo com 130 países e representando mais de 90% do PIB global. A OCDE também pactuou por isso. O FED de NY voltou a fazer nova operação de repo reversa de US$ 742,6 bilhões, bem abaixo dos quase US$ 1 trilhão de ontem.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava alta de 1,97%, depois de ter subido ao longo do dia mais de 3%. O barril era cotado em US$ 74,92, depois de ter atingido quase US$ 76. O euro era transacionado em queda para US$ 1,184, e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,44%. O ouro com leve alta e a prata com queda na Comex, e commodities agrícolas com leve viés positivo na Bolsa de Chicago. O minério de ferro, negociado em Qingdao, na China, subiu 2,45% durante a madrugada, com a tonelada em US$ 219,32.

No segmento local, pesou o lado político com o superpedido de impeachment de Bolsonaro e a expressão de Rodrigo Pacheco (presidente do Senado) dizendo que tal não poderia ser banalizado, relatando que o governo enfrenta momento de dificuldade. Além disso, a OAB faz reunião para cogitar também pedido de impeachment.

Na economia, o ministro Paulo Guedes disse que o compromisso é manter carga tributária estável e que setores vão reclamar, mas o governo deu o passo certo. Se a arrecadação aumentar por conta das mudanças propostas, sua equipe vai reduzir alíquotas. O governo também divulgou o saldo da balança comercial no mês de junho com saldo positivo de US$ 10,4 bilhões, menor que a mediana das previsões, mas acumula superávit de US$ 37,4 bilhões no ano. A corrente de comércio estimada passa de US$ 500 bilhões em 2021, mas muito relacionado com os preços das commodities no mercado internacional.

No mercado, dia de dólar meio estressado e atingindo ao longo do período R$ 5,04, para encerrar o dia com alta de 1,45% e cotado a R$ 5,045. Na B3, os investidores estrangeiros, na sessão de 29/06, retiraram recursos no montante de R$ 62,3 milhões, e faltando um pregão para fechar o mês de junho, os ingressos montavam a R$ 16,16 bilhões. No ano, o fluxo está positivo em R$ 47,54 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta na Bolsa de Londres de 1,25%, Paris com +0,71% e Frankfurt com +0,47%. Madri e Milão com altas de 1,19% e 0,73%, respectivamente. No mercado americano, o Dow Jones fechou com +0,38% e Nasdaq com 0,13%. Na Bovespa, dia de queda de 0,90% e índice voltando para a casa de 125.654 pontos, depois de ter chegado a vazar 125.000 pontos.

Na agenda cheia de amanhã, teremos o IPC da Fipe de junho, a produção industrial de maio e as vendas de veículos de junho. Nos EUA, o dado mais esperado para ver se o emprego pelo payroll (setores público e privado) melhorou em junho, o saldo comercial de maio, as encomendas de bens duráveis e encomendas à indústria de maio.

Boa noite!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Fonte: https://www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado