A semana começou com certa calmaria na política local, já que a semana para os parlamentares começa na terça-feira. Portanto, essa trégua foi oportuna e permitiu que os mercados por aqui incorporassem a alta de sexta-feira passada nos mercados do exterior. Também ajudou o fato de as Bolsas europeias e o mercado americano ter mostrado bom comportamento ao longo da sessão de hoje.

No exterior, a secretária do Tesouro americano, Janet Yellen, discursou no Eurogrupo dizendo não haver dúvidas que os EUA querem fortalecer relações com a União Europeia. Além disso, ela afirmou que a União Europeia respondeu rápido e preservou as condições financeiras da região, mas que deve considerar medidas fiscais adicionais. Segundo ela, o fundo de recuperação evitará crises e recuperação divergente entre os países do bloco. Arrematou dizendo que a sustentação fiscal de longo prazo e criticamente importante. A União Europeia disse que o apoio fiscal segue funcionando na maioria dos países.

Mas a União Europeia anunciou que prolongou por seis meses as sanções contra a Rússia por desestabilizar a Ucrânia. A OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou que a variante delta do Covid-19 já foi detectada em pelo menos 104 países. Essa parece ser a grande incerteza na recuperação econômica global e a OMS disse que países desenvolvidos devem seguir ajudando os países mais pobres. Nesse sentido, os EUA querem ajudar o povo cubano que protestou no final de semana por liberdade, comida e vacinas. Mas o problema é que Cuba não se inscreveu no programa Covax, da OMS. Porém, a Casa Branca diz que ajuda humanitária e possível, mesmo com bloqueio.

Nos EUA, nessa semana teremos a divulgação de resultados de algumas importantes instituições financeiras e as expectativas positivas forçaram o bom comportamento dos mercados antecipadamente. O FED, de NY, voltou a atuar em operação diária de repo reversa, tomando recursos no montante de US$ 776,8 bilhões, pouco abaixo da última sexta-feira. Também fez colocação de títulos de 3 e 10 anos, com demanda aquém da mediana das últimas colocações.

O FED também divulgou que a mediana da inflação de junho para os próximos dois anos passou de 4% para 4,8%, no maior patamar da história mais recente. Kashikari do FED de Minneapolis alerta que existem 6,8 milhões de desempregados e Williams do FED, de NY, diz que mesmo quando o tapering começar ainda vai ser política estimulativa, e que essas condições ainda não foram atingidas.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava leve redução da queda do início da manhã, ainda apor conta dos impasses na OPEP+. Tinha queda de 0,62%, com o barril cotado a US$ 74,10, depois de ter conseguido vazar US$ 74,00. O euro era transacionado em leve queda para US$ 1,186 e notes americanos voltando a subir para juros de 1,377%. O ouro em queda e a prata em alta na Comex e commodities agrícolas em alta na Bolsa de Chicago. O minério de ferro negociado em Qingdao, na China, durante a madrugada encerrou com alta de 1,43%, com a tonelada em US$ 217,85, garantindo boa presença das ações de siderurgia e mineração na Bovespa.

No segmento doméstico, a nova pesquisa Focus do Bacen trouxe pequenas mudanças em relação ao período anterior. A inflação pelo IPCA voltou a subir nas projeções de 2021 para 6,11% (anterior em 6,07%) e queda para 2022 para 3,75%. A taxa Selic prevista para final do ano foi para 6,63%, de anterior em 6,50% e 2022 em alta para 7,00%. O dólar subiu na margem para R$ 5,05 no final do ano e a produção industrial de 2021 caiu para 6,29%. A relação dívida/PIB ficou estável em 61,60% e o superávit da balança comercial foi estimado em US$ 68,70 bilhões. Sobre isso, o superávit comercial na segunda semana de julho foi de US$ 2,01 bilhões, acumulando no ano de 2021 superávit de US$ 39,75%.

A Receita Federal emitiu nota explicando o impacto total da reforma do imposto de renda em 2022. A mudança de tributação sobre dividendos e JCP foi estimada positiva em R$ 19,42 bilhões e 2023 com R$ 57,68 bilhões. Mudanças no mercado financeiro, projetada em arrecadação maior em R$ 14,9 bilhões. Já a mudança de faixa do imposto de pessoas físicas acarreta redução de R$ 13,5 bilhões em 2022 e 15,50 bilhões em 2023.

Do lado político o dia foi calmo, mas com fortes boatos de candidatura de Rodrigo Pacheco pelo PSD para presidente e terceira via, fazendo dobradinha com Geraldo Alckmin novamente para o governo de São Paulo. Já Bolsonaro, ironizou pesquisa Datafolha sobre Lula ter somente 60% dos votos.

No mercado, dia de dólar começando em alta e arranhando novamente R$ 5,30, para fechar com queda de 1,25% e cotado a R$ 5,17. O segmento Bovespa da B3, na sessão de 07/07, os investidores estrangeiros alocaram recursos no valor de R$ 434,8 milhões, deixando o saldo negativo de julho em R$ 625,2 milhões, mais com ingresso líquido em 2021 de R$ 47,38 bilhões.

No mercado acionário, dia de reversão nas principais Bolsas europeias, com Londres subindo 0,05%, Paris com +0,46% e Frankfurt com +0,65%. Madri e Milão com altas de respectivamente 0,49% e 0,92%. No mercado americano, os bancos lideraram altas e o Dow Jones terminou com +0,37% e Nasdaq com +0,21%. Na Bovespa, dia de alta de 1,72% e índice encerrando em 127.593 pontos, com destaque para siderurgia, mineração e bancos.

Na agenda de amanhã o volume de serviços prestados em maio pelo IBGE, a inflação na Alemanha e nos EUA pelo CPI de junho, a confiança do peque no empresário americano em junho e o resultado fiscal também de junho.

Boa Noite!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Fonte: https://www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado