“Chega de frescura e mimimi, temos que enfrentar os problemas”. Foi dessa forma e com outras citações inverídicas que Bolsonaro versou sobre o recorde de 1.910 óbitos em 24h, 259.271 mortes no total e 10,7 milhões de infectados no país. Até agora são 7 milhões de vacinados. Acrescentou que estão chegando mais 20 milhões e 40 milhões de doses. O que é isso para um país que vai precisar de cerca de 450 milhões de doses? “Por qué no te callas”, diria o rei da Espanha Juan Carlos, como fez com Hugo Chávez.

No mundo, o dia amanheceu pesado para os mercados de risco, com a preocupação renitente com os juros dos treasuries americanos, apesar de ter desacelerado um pouco na sessão de ontem. Aqui, como citamos, os investidores teriam que repercutir a votação em primeiro turno da PEC emergencial com limite de R$ 44 bilhões.

Porém, havia ainda a expectativa sobre o segundo turno e destaques, que antecipamos que cairiam. Sem dúvida a votação de ontem foi uma vitória de Paulo Guedes e sua equipe econômica, especialmente os avisos dados pelo secretário do Tesouro Bruno Funchal.

Outro fator preocupante era a reunião da OPEP+, onde circularam boatos de até mais cortes de produção. No final de tudo a produção para abril foi mantida estável, o corte adicional da Arábia Saudita também, enquanto foi autorizada expansão ela Rússia e Casaquistão.

A avaliação é que o mercado melhorou, mas permanecessem as incertezas no mundo e devem ser acompanhadas.  Função disso o petróleo disparou no mercado internacional. A China também faz reunião do plano de infraestrutura em 5 até 15 anos, e isso proporcionou nova alta do minério de ferro, atingindo o maior nível em nove anos.

Nos EUA, as encomendas à indústria de janeiro cresceram 2,6%, depois de terem expandido 1,6% em dezembro, ficando acima das previsões de +2,3%. Já os pedidos de auxílio desemprego cresceram 9 mil posições na semana anterior, indo para 745 mil pedidos.

Também foi muito esperado o discurso do presidente Jerome Powell do FED, repetindo declarações anteriores de FED comprometido em cumprir metas de inflação e emprego, com inflação ancorada em 2% e desemprego próximo de 5%. Ressaltou que a inflação está baixa por décadas e que a aceleração atual é temporária e estaria preocupado se houvesse desequilíbrio. Acha a política monetária apropriada. Outros dirigentes estimam que mudanças nos juros só depois de 2023.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 4,67%, com o barril cotado a US$ 64,14, depois de ter vazado alta de mais de 5%. O euro era transacionado em queda para US$ 1,197 e notes americanos de 10 anos voltando ao patamar de juros de 1,50%.

O ouro e a prata com quedas fortes na Comex e commodities agrícolas com comportamento misto na Bolsa de Chicago. O minério de ferro negociado em Qingdao na China registrou alta de 0,9%, com a tonelada fechando em US$ 177,98.

No segmento doméstico, o texto básico da PEC Emergencial foi aprovado em segundo turno pelo placar de 62 a 14. O texto até dá maior previsibilidade aos gastos, mas está longe de ser a redenção fiscal. Os problemas continuam. Citamos declarações da S&P de hoje de que a trajetória do rating do Brasil depende de mudanças de direção da política fiscal. Já Bolsonaro, além das declarações citadas, disse que a carga tributária do Brasil é enorme, e que Paulo Guedes quer buscar solução.

Foi anunciado que a poupança em fevereiro teve saques líquidos de R$ 5,83 bilhões, acumulando no ano R$ 23,99 bilhões. Considerando o mês, foi o maior saque desde 2016.

No mercado acionário dia de queda de 0,37% para a Bolsa de Londres, Paris com +0,01% e Frankfurt com -0,17%. Madri e Milão com altas de respectivamente 0,26% e 0,20%. No mercado americano bruscas mudanças de sinal com a fala de Jerome Powell. O Dow Jones terminou com -1,11% e Nasdaq com -2,11%. Na Bovespa, dia de alta de 1,35% e índice em 112.690 pontos, mas desacelerando com a queda do mercado americano.

Na agenda de amanhã teremos a produção industrial de janeiro pelo IBGE e a Anfavea divulga a produção automotiva de fevereiro. Nos EUA, teremos o payroll de fevereiro com a criação de vagas nos setores público e privado, a taxa de desemprego, o saldo da balança comercial de janeiro e o crédito ao consumidor.

Boa noite.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais