O dia começou com grande confusão. Até ontem os investidores globais mantinham forte apetite ao risco, empurrando as bolsas americanas para novos recordes a partir do payroll fraco da última sexta-feira, e com isso garantindo a continuidade das políticas fiscal e monetária. Isso motivou também apetite em outros mercados e a B3 retornou ao patamar de 122 mil pontos. Hoje, tudo mudou e os investidores desde a madrugada voltaram a ficar preocupados com inflação e juros altos.

O dia fraco começou na Ásia, passou pela Europa, atingiu o mercado americano e a B3. Especificamente na B3, a situação ficou algo mascarada pela performance das ações de mineração, siderurgia e também petróleo, por conta do relatório da OPEP sobre oferta e demanda.

A OPEP manteve a previsão de demanda global em alta em 2021 em 6 milhões de BPD (barris/dia) e cortou a previsão de alta da oferta fora do grupo, incluindo Brasil. Também anunciou que a produção de abril cresceu 30 mil barris para 25,05 milhões por dia. Isso acabou assegurando preço em alta no mercado internacional, com o dólar mais fraco.

Na China, a população cresceu em 2020 para 1,4 bilhão de pessoas e a venda de carros de abril expandiu 12,4%. No Reino Unido, o primeiro-ministro, Boris Johnson, anunciou que espera investir 40 bilhões de libras em infraestrutura e a Escócia também anunciou relaxamento do isolamento a partir da próxima segunda-feira.

Já o BCE (BC europeu) declarou que o PIB da zona do euro deve crescer acima de 4% em 2021 e a União Europeia acha difícil prever o ritmo das negociações com o Mercosul e o Brasil atrapalha um pouco pela baixa confiabilidade na preservação do meio ambiente.

Hoje também tivemos vários dirigentes regionais do FED discursando em eventos, mas o discurso foi mais coordenado. Todos falando em retomada forte da economia americana, destacando incertezas e o longo caminho a ser percorrido. Falou-se em mais de 8 milhões de desempregados e a dificuldade de oferta de trabalhadores, inflação tida como transitória e política monetária mantida até atingir meta de pleno emprego. Também se falou sobre inflação mais forte e uso das ferramentas para conter, caso necessário.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava alta de 0,79%, com o barril cotado a US$ 65,43. O euro era transacionado em alta para US$ 1,215 e notes americanos de 10 anos com juros em alta para 1,621%, principalmente depois da fraca demanda por títulos de três anos. O ouro em leve queda e a prata em alta na Comex e commodities agrícolas com comportamento misto. O minério de ferro em Qingdao, na China, com queda durante a madrugada de 0,71%, e a tonelada fechando em US$ 228,93, depois da forte alta dos últimos dias.

No segmento doméstico, dia de divulgação da ata do Copom da última reunião que elevou a Selic para 3,50%, com o Copom deixando expresso que deve promover outra alta de 0,75% na reunião de junho, seguindo na normalização parcial criticada por alguns economistas, mas deixando aberta a possibilidade de mudar em função das incertezas e balanço de risco. Mas ainda assim mantendo política acomodatícia. Isso não muda muito as projeções de da Selic de final de ano em 5% ou pouco acima disso, já que o Bacen se sente confortável com a inflação estimada de 2022 em 3,4%, ligeiramente abaixo da meta de 3,5%.

Dia também de anúncio da inflação oficial de abril em 0,31%, no entorno das projeções e desacelerando de anterior em 0,93%. No ano a inflação está em 2,37% e em 12 meses com 6,76%. Transportes mostrou deflação (gasolina em queda de 0,44%), gasto com saúde +1,19%, alimentos e bebidas com +0,4%. Todas as 16 regiões pesquisadas tiveram aumento de preços.

No âmbito político o ministro Paulo Guedes falou na CCJ (comissão de Constituição e Justiça) sobre reforma administrativa moderada ser fruto de muitas conversas e que com a pandemia não é surpresa não avançar. Recusou a comentar sobre o orçamento secreto de Bolsonaro e foi bem interrompido em sua fala.

No mercado, dia de dólar novamente oscilando muito para encerrar o dia em queda de 0,18% e cotado a R$ 5,22. Na B3, na sessão de 07/05 (dia de apetite ao risco forte), os investidores estrangeiros voltaram a alocar recursos no montante de R$ 2,5 bilhões, deixando o saldo positivo de maio em R$ 3,4 bilhões e o ano de 2021 com ingresso líquido de R$ 22,6 bilhões.

No mercado acionário, dia de queda da Bolsa de Londres de 2,47%, Paris com -1,86% e Frankfurt com -1,82%. Madri e Milão com perdas de respectivamente 1,91% e 1,64%. No mercado americano, alguma reação na parte da tarde, mas o Dow Jones fechando com -1,36% e Nasdaq com -0,09%. Na B3, dia de mercado oscilando entre positivo e negativo para fechar com +0,87% e índice em 122.964 pontos.

Na agenda de amanhã teremos o volume de serviços prestados em março, o levantamento da produção agrícola de abril e fluxo cambial da semana anterior. Nos EUA, a inflação medida pelo CPI de abril, os estoques de petróleo e derivados da semana anterior pelo Departamento de Energia, o resultado fiscal de abril e discurso do vice do FED.

Boa noite!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais