Ontem, enquanto o índice S&P e Nasdaq batiam novos recordes de pontuação no mercado americano e Bolsas da Europa encerravam com altas, a Bovespa lutava para não cair muito. Fechamos em queda de 0,14%, índice em 121.632 pontos e dólar em alta de 0,58%, com a moeda fechando cotada a R$ 5,21, depois de chegar a R$ 5,27.

Estamos deixando de seguir o bom comportamento dos mercados no exterior, mesmo com boa safra de resultados do segundo trimestre de empresas líderes como Vale, Petrobras e Banco Itaú. O motivo disso pode ser explicado pelas preocupações com o quadro fiscal, tentativa de burlar o teto de gastos e reformas que não andam, mas sobretudo a insegurança institucional que tomou o país, como falas cada vez mais iradas de Bolsonaro contra o STF e TSE.

Hoje, os mercados da Ásia terminaram o dia com comportamento misto, enquanto mercados da Europa e dos EUA seguem sem muita definição de tendência, mas já mostrando comportamento mais para positivo desde o início dos trabalhos. Aqui, não podemos perder patamar próximo de 119.000 pontos do Ibovespa, e maior definição só mesmo quando vazar o patamar de 126.500, com passagem promissora em 124.000 pontos. Investidores vão aguardar a divulgação do payroll de julho, nos EUA, com a criação de vagas na economia.

Na Alemanha, a produção industrial de junho encolheu 1,3%, quando a previsão era de alta de 0,5%, afetada pelo setor automotivo e falta de componentes. Nos EUA, o FED determinou que os grandes bancos mantenham US$ 1 trilhão em capital de qualidade, certamente já preparando para retirada de estímulos e eventual desaceleração da economia. Mas o presidente regional de Minneapolis Kashikari destaca que a variante delta do covid-19 pode afetar o mercado de trabalho e a retirada de estímulos (tapering).

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava alta de 1,19%, com o barril cotado a US$ 69,91. O euro era transacionado em US$ 1,181 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,26%. O ouro e a prata com quedas na Comex e commodities agrícolas com comportamento de alta na Bolsa de Chicago.

Aqui, a Câmara aprovou o PL da privatização dos Correios, que segue agora para o Senado e com manifestações contra, que podem levar ao estado de greve. O Senado aprovou o texto base do novo Refis, que vai para votação na Câmara. Líderes partidários discutem tirar os precatórios do teto de gastos, o que é ruim.

O ministro Fux, do STF, cancelou a reunião de paz entre os três poderes por conta de falas recentes de Bolsonaro, e o presidente disse que os membros do STF “não são donos do mundo”, em sua live de toda quinta-feira.

Expectativa para o dia com investidores esperando payroll, o dado mais importante. A expectativa medida é de criação de 900 mil vagas nos setores público e privado.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais