Na semana passada, a Bovespa registrou valorização de 3,76%, encerrando o período com 104.723 pontos, mas no ano, ainda está negativo em 9,44%. Os investidores estrangeiros voltaram a alocar recursos na Bovespa e até 11/11, voltaram com R$ 15 bilhões, com alguns recordes de ingresso diário. Dólar por aqui terminou o período com elevação de 1,67% e cotado a R$ 5,46.

Hoje mercados voltam a subir em todo o mundo com o acordo de livre-comércio entre países da Ásia-Pacífico e dados anunciados na China para outubro. Bolsas da Ásia com altas fortes durante a madrugada e destaque para Tóquio com +2,05%. Europa também começando o dia em alta e até acelerando e futuros do mercado americano na mesma direção. Aqui, temos que passar com consistência a faixa de 105 mil /106 mil pontos, para abrir objetivo novo em 110 mil pontos, lembrando que já estivemos em 120 mil pontos do Ibovespa.

No Japão, foi anunciado acordo de livre-comércio entre países da Ásia-Pacífico envolvendo 15 países da região e cerca de um terço da economia global, com os EUA fora desse acordo. Lá, o PIB anualizado do terceiro trimestre indicou expansão de 21,4%, o maior em 40 anos e também maior que o previsto. Na China, tivemos aquela bateria de dados referentes ao mês de outubro e bem positivos.

A China registrou incremento da produção industrial de 6,9% no comparativo entre os meses de outubro, maior que o previsto, e vendas no varejo na mesma base com alta de 4,3%, menor que o previsto. Os investimentos em ativos fixos cresceram nos 10 meses de 2020 em 1,8%, também mais que o previsto, e vendas de imóveis residenciais com alta de 8,2%, também nos 10 meses de 2020. Os preços de imóveis subiram 0,15% em outubro.

Nos EUA, no final de semana, o presidente Trump reconheceu pela primeira vez a vitória de Joe Biden e conselheiros de Biden mantiveram reuniões com farmacêuticas produtoras de vacinas. Biden também trabalha junto ao Congresso para aprovação daquele pacote fiscal que nunca sai, absolutamente necessário para a recuperação da economia americana.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 1,92%, com o barril cotado a US$ 40,90, e isso dá força para as ações de Petrobras. O euro era transacionado em alta para US$ 1,184 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,87%. O ouro e a prata mostravam altas na Comex e commodities agrícolas com viés positivo na Bolsa de Chicago.

Aqui, Jair Bolsonaro emplacou apenas 9 candidatos dos 59 que apoiou nas eleições e seu filho foi eleito vereador pelo RJ, mas perdeu votos em relação à eleição anterior. O grande vencedor foi o grupo do Centrão que emplacou muitos prefeitos e vai cobrar mais caro apoio ao governo. As abstenções cresceram para 23,14% e votos nulos e brancos somaram mais de 11 milhões, dos 147 milhões de brasileiros aptos para votação.

A FGV anunciou que o IGP-10 de novembro subiu para 3,51%, vindo de 3,20% em outubro e o IPC-S da segunda quadrissemana de novembro também evoluiu para 0,62%, vindo de 0,59%. Lembramos ainda que hoje começa o PIX, um meio ainda mais rápido de transferência eletrônica de recursos.

Na agenda do dia teremos a nova pesquisa semanal Focus do Bacen e saldo da balança comercial na semana anterior. Nos EUA, o importante índice de atividade industrial de NY, além de discursos do BCE (BC europeu).

Expectativa para o dia de alta da Bovespa, dólar mais fraco e juros podendo subir em função da inflação anunciada.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais